05/02/19

Alonso prevê fim do domínio da Mercedes

 

“Estou curioso para ver o ciclo da Mercedes terminar. Sinto que o momento está próximo”

Falando ao Corriere della Sera, Alonso disse que acompanhará de perto uma série de histórias na F1 deste ano, incluindo o retorno de Robert Kubica e como o jovem piloto da Ferrari, Charles Leclerc, voará.
Mas o espanhol também identificou o potencial fim do domínio da Mercedes como um caso a ser seguido.
“Vou seguir Kubica. Sua história é extraordinária”, disse Alonso.
“Até alguns meses atrás, Robert parecia ter perdido todas as possibilidades. Ele não tem nada a perder e não vai perder um passo.
Então, Leclerc na Ferrari. Ele é jovem, inteligente e talentoso.
“Estou curioso para ver se o ciclo da Mercedes vai acabar. Eu sinto que o momento está próximo.
Alonso ressaltou mais uma vez que a porta para a F1 não está fechada para ele, com a atração de ganhar outro campeonato ainda existente para ele.
“Eu disse ‘até logo’. Agora tenho um novo desafio para enfrentar, as ferramentas certas para vencer, enquanto na F1 não havia condições de fazer o mesmo. Não tenho planos para 2020. Claro, ganhar um terceiro título seria a maior alegria”.

Reino Unido aprova extradição de Mallya

O Reino Unido aprovou a extradição de Vijay Mallya, ex-chefe de equipe na F1, para a Índia a fim de responder às acusações de fraude seu país natal. O indiano, que comandou a Force India e era dono da equipe até o ano passado, responde a processos em território indiano por dívidas de sua antiga empresa de linhas aéreas, a Kingfisher Airlines.Ele é acusado de fraude e conspiração devido a um empréstimo obtido pela empresa, o que resultou em dívidas superiores a £ 785 mil (R$ 3,7 bilhões na cotação atual). A ordem de extradição foi assinada pelo Secretário de Estado para os Assuntos Internos do Reino Unido, Sajid Javid. Mallya, então, terá duas semanas para apelar da decisão.
O site Motorsport.com lembra que Mallya, de 63 anos, adquiriu a então equipe Spyker em 2007 para transformá-la em Force India no ano seguinte. Em sua passagem pela F1, o time se consolidou como um concorrente forte do pelotão intermediário, o que incluiu alguns pódios esporádicos com Giancarlo Fisichella e Sergio Pérez.. No entanto, as empresas de Mallya viviam dificuldade, e o caso envolvendo a Kingfisher Airlines fez com que o dirigente permanecesse no Reino Unido, sem poder viajar para as demais provas do calendário. Em grandes dificuldades financeiras, a Force India entrou em administração judicial em 2018, foi adquirida por um consórcio liderado por Lawrence Stroll (pai de Lance Stroll) e rebatizada de Racing Point.