Publicidade

Suzuka

Suzuka_circuitos

Organização

Nome oficial

Suzuka International Racing Course

Proprietário

Mobiltyland Co.

Endereço

7992 Ino-Cho, Suzuka City,

Mie-Ken JAPÃO

Ficha técnica

Extensão

5.807 metros

Distância

307,471 km

Voltas

53

Curvas

18

Sentido

Horário

1° GP

1987, vencido por Gerhard Berger

Recorde da prova

2006

Fernando Alonso – Renault

1h23m53s413

Volta mais rápida

2005

Kimi Raikkonen  – McLaren

1m31s540

Pole recorde

2011

Sebastian Vettle – Red Bull

1m30s466

Vencedores

Ano

Piloto

Equipe

Tempo

09-10-2016 Nico Rosberg Mercedes 1h26m43s333
27-09-2015 Lewis Hamilton Mercedes 1h28m06s508
05-10-2014 Lewis Hamilton  Mercedes 1h51m43s021
13-10-2013 Sebastian Vetel Red Bull 1h26m49s301
07-10-2012 Sebastian Vetel Red Bull 1h28m56s242
09-10-2011 Jenson Button McLaren 1h30m53s427
10-10-2010 Sebastian Vettel Red Bull 1h30m27s323
04-10-2009 Sebastian Vettel Red Bull 1h28m20s443
08-10-2006 Fernando Alonso Renault 1h23m53s413
09-10-2005 Kimi Raikkonen McLaren 1h29m02s212
10-10-2004 Michael Schumacher Ferrari 1h24m26s985
12-10-2003 Rubens Barrichello Ferrari 1h25m11s743
13-10-2002 Michael Schumacher Ferrari 1h27m00s.300
14-10-2001 Michael Schumacher Ferrari 1h27m33s298
08-10-2000 Michael Schumacher Ferrari 1h29m53s4
31-10-1999 Mika Hakkinen McLaren 1h31m19s2
01-11-1998 Mika Hakkinen McLaren 1h27m23s4
12-10-1997 Michael Schumacher Ferrari 1h29m48s4
13-10-1996 Damon Hill Williams 1h32m33s791
29-10-1995 Michael Schumacher Benetton 1h36m53s.0
06-11-1994 Damon Hill Williams 1h55m54s4
24-10-1993 Ayrton Senna McLaren 1h40m28s0
25-10-1992 Ricardo Patrese Williams 1h33m10s4
20-10-1991 Gerhard  Bergerr McLaren 1h32m10s695
21-10-1990 Nelson Piquet Benetton 1h34m36s824
22-10-1989 Alessandro Nanini Benetton 1h35m06s2
30-10-1988 Ayrton Senna McLaren 1h33m26s173
01-11-1987 Gerhard Berger Ferrari 1h32m58s072

História

O Suzuka International Racing Course, ou simplesmente Circuito de Suzuka,  está localizado na cidade do mesmo nome,  a cerca de 50 quilômetros de Nagoya, no noroeste do Japão. Suzuka, localizada na provincia de Mie, entre a baia de Ise e a cordilheira de Suzuka, com aproximadamente 200 mil habitantes, é um importante centro industrial (especialmente na área automobilística), economico, cultural e turístico.  Tem também intensa atividade agrícola, com a produção de chá, flores e arroz. O autodromo é administrado pela Mobilityland Corporation, um braço da Honda, resultado da fusão das empresas Suzuka Ciuitland Co. e Twin Ring Motegi Co. responsáveis pelos autodromos de Suzuka e Motegi.

Projetado pelo holandês John Hugenholtz, em 1962, inicialmente , o circuito de Suzuka era usado apenas para testes de motocicletas produzidas pela Honda Motor Company. A partir do momento em que a fábrica passou a produzir também carros e a atuar na área do automobilismo esportivo, o autodromo tornou-se palco de competições esportivas. Nos primeiros anos, entre 1963 e 1969, promoveu apenas corridas de carros-esporte. A partir de 1966, passou a receber as 1000 horas de Suzuka, do Campeonato Japonês de Gran Turismo. Desde 1969, com interrupção entre 1991 e 2009, é palco do JAF Grand Prix (JAF – Japan Automobile Federation), campeonato para carros de Fórmula. Em 1963, promoveu o primeiro Grande Prêmio do Japão de Motocilismo. Alí também são disputadas as 8 horas de Motoclismo, do Campeonato Mundial de Motocilismo de Resistência e provas da Fórmula Nippon.

Em 1987, devido ao sucesso das corridas da Fórmula 2 japonesa e da Honda, na Fórmula1, os administradores do Circuito de Suzuka resolveram promover o Grande Prêmio do Japão da Fórmula  1, que nos anos 1976 e 1977 tinha sido disputado no circuito de Fuji, pista de testes da Toyota. A primeira competição, a 1° de novembro de 1987, foi vencida por Gerhard Berger, da Ferrari. Ayrton Senna (Lotus) foi o segundo colocado e Nelson Piquet (Williams), que já tinha garantido o  tricampeoanto mundial, foi apenas o 15° colocado. Desde então, Suzuka promoveu 22 dos 26 GPs do Japão (os outros 4 – 1976,1977,2007 e 2008 – foram disputados no circuito de Fuji). Em 2009, depois da saída da Honda  e da Toyota da Fórmula 1, o GP do Japão esteve ameaçado de ser cancelado, mas a Mobilityland garantiu com a FOM contrato até 2011, depois prorrogado até 2012.

Pista

A pista de Suzuka, com 5.807 metros, está dividida em dois trechos, o do Leste, com 3.470 metros, incluindo a reta principal, e o do Oeste, com 2.240 metros, com a reta oposta. É a única pista da Fórmula 1 em formato de 8, com uma seção, entre as Curvas 15 e 16, passando como uma ponte sobre o trecho entre as curvas 9 e 10. È também uma pista que pode ser usada tanto no sentido horário como no anti-horário.

O traçado, extremamente rápido e técnico, é desafiador. Tem trechos de alta velocidade, principalmente as retas longas, que exigem a uma perfeita configuração do carro. As curvas longas, formando esses de alta velocidade, que demandam boa reação do carro às mudanças de direção, são ligadas a sequências de curvas de média e baixa velocidade. O carro precisa ter bastante downforce, para os trechos mais lentos, sem perder a velocidade nos mais rápidos. Ao tangenciar as curvas, os pilotos devem frear tarde _  evitando sair de frente _  e manter tração e torque para a reaceleração. Nos esses do 1° setor, os carros podem chegar a mais de 210 km/h. O ponto crucial da corrida é a curva de 130 graus (130R), à esquerda, aonde os carros chegam em aceleração máxima, em torno de 300 km/h, antes da freada para a chicane da entrada dos boxes. É uma curva estreita, que obriga os pilotos a pisarem na zebra e, em caso de erro, pode levar o caro à barreira de pneus. Essa chicane é um dos vários pontos de ultrapassagem da pista.

Na descrição do piloto Luca di Grazzi, o 1° Setor do Circuito (da largada até metade do trecho entre as curvas 9 e 10), é de alta velocidade, com uma sequencia de curvas que exige uma  variação de direção muito precisa para se conseguir um bom tempo. O 2° Setor (até a entrada da Curva 15) tem curvas de baixa velocidade nas quais o carro deve ter um acerto mecânico muito bom. O 3° Setor (da Curva 15 à linha de chegada) é de alta velocidade, com uma curva de mais de 300 km/h (a 130R) e uma freada muito forte na chicane.

Nos dois anos em que ficou fora dos GPs, Suzuka passou por várias reformas na infra-estrutura, com novos boxes, arquibancadas, torre de controle e sala de imprensa. Mas Rubens Barrichello acha que é preciso melhorar também a pista, com aumento das áreas de escape, menores do que as dos demais circuitos. O piloto brasileiro diz que o circuito é um dos seus favoritos, mas que prefere pilotar no seco, por causa das curvas desafiadoras e o 1° setor, que lhe parece uma montanha-russa. No molhado, diz Barrichello, tem-se de andar mais devagar.

Em 2014, um grave acidente sofrido por Jules Bianchi interrompeu, na 46ª das 53 voltas normais, o GP do Japão, vencido por Lewis Hamilton, da Mercedes, no dia 5 de outubro. O acidente aconteceu na volta 41, quando o piloto francês da Marussia saiu da pista, na curva 8, e bateu no trator que retirava o carro de Adrian Sutil, que havia ido de encontro à barreira de pneus, no mesmo local. Bianchi foi levado para o centro medico do circuito de Suzuka  e de lá removido inconsciente para o hospital. O acidente provocou a entrada do safety car, além do carro médico e de uma ambulância, na volta 44 e, depois duas voltas, a corrida foi interrompida por bandeira vermelha. Lewis Hamilton, que assumiu a liderança na volta 29, foi declarado vencedor, com Nico Rosberg no 2º lugar e Sebastian Vettel, da Red Bull, em 3º.

Volta da FIA (Atualizado em 2012)

 

circuito_suzuka_01

Trechos

Setor

DST

F G

Marcha

Velocidade

Tempo

 Reta

0.1

7

300

Curva 2

-2.2

4

160

Curva 3

2.0

5

240

Curva 4

1.0

5

210

Curva 5

3.6

5

210

Curva 8

-4.6

6

260

Curva 9

-2.5

3

140

Saída Curva 9

1

30.4

Curva 11

-2.0

2

70

Curva 12

-0.3

6

285

Aproxim. Curva 13

0.1

6

295

Curva 13

2.0

5

230

Curva 14

2.1

4

185

Curva 15

2

40.4

Curva 16

Detecção

Curva 17

-2.1

2

95

Curva 18

-1.4

6

260

Saída Curva 18

Ativação

Chegada

3

18.8

1.29.8

Para mais detalhes e informações técnicas, acesse:

http://www.fia.com/championship/formula-1-world-championship/gp-japan-track-guide

Volta de Sebastian Vettel

Trechos Força G Marcha Velocidade
Curva 1 4.2 7 300
Curva 2 3.45 4 164
Curva 3 4.60 5 245
Curva 4 3.81 4 200
Curva 5 2.80 4 185
Curva 6 3.16 4 189
Curva 7 4.40 5 226
Curva 8 2.80 4 185
Curva 9 2.00 2 123
Curva 10 3,28 6 257
Curva 11 2.06 1 64
Curva 12 2.30 7 285
Curva 13 4.49 4 180
Curva 14 2.50 3 140
Curva 15 3.64 7 306
Curva 16 1.75 2 86
Curva 17 1.40 2 90
Curva 18 1.80 4 191

Momentos

Ayrton Senna foi personagem de três momentos que ficaram na história de Suzuka. Em 1989, na última corrida do ano, ele e Alain Prost, ambos da McLaren disputavam o título. A sete voltas do final, Prost era o primeiro e Senna o segundo. O brasileiro tentou ultrapassagem  na última chicane da pista. Alain jogou seu carro sobre o de Ayrton, tentando a saída dos dois da corrida, pois se nenhum deles fizesse ponto, o francês seria campeão. Senna saiu gesticulando e, com a ajuda de comissários, recolocou o carro na pista e voltou aos boxes. Trocou o bico do carro e voltou a correr, ultrapassando o italiano Alessandro Nanini na penúltima volta, na mesma chicane, e ganhou a corrida.

Mas não chegou a ir ao pódio. Foi desclassificado por ter recebido ajuda dos comissários e ter cortado a chicane, quando foi empurrado. Prost, foi o campeão.

Em 1990, Senna deu o troco. Ao chegarem a Suzuka, penúltima prova do campeonato, Senna e Prost estavam, outra vez, praticamente empatados e, se nenhum deles fizesse ponto, o campeão seria Senna.  Na largada, o carro de Senna, que era pole, patinou e Prost saiu na frente. Na primeira curva, Senna não teve dúvida, lançou seu carro contra o do adversário; acabou com a corrida dos dois  e decidiu o campeonato. Em 1991, Senna induziu Nigel Mansell a erro e a sair da pista na curva 1 e, no final, abriu passagem para que o companheiro de equipe Gerhard Berger vencesse a corrida.

Em 2013, O GP do Japão teve um início surpreendente, mas um final que não causou nenhuma surpresa. Na largada, Romain Grosjean, da Lotus, que era o 4º no grid, aproveitou uma brecha aberta pelos carros da frente (Webber, Vettel e Hamilton) e, antes ainda da primeira curva, de maneira impressionante, assumiu a liderança da corrida. O piloto francês, com voltas cada vez mais rápidas, segurou a ponta até a 12ª volta, cedeu a posição a Sebastian Vettel, quando fez a primeira parada, mas a retomou em seguida até a volta 28. A partir daí, teve de ceder o primeiro lugar a Mark Webber, que por sua vez, com pneus desgastados e obrigado a fazer uma terceira parada, teve de ceder a posição a Vettel, a 10 voltas do final. A Grosjean restou disputar o segundo posto com o Webber, tendo de se conformar com, nas circunstancias, um honroso terceiro lugar no pódio. E o resultado final da prova foi o mais provável: Vettel, segundo no grid, largando com pneus duros, mas passando para os macios a partir da volta 14, e com estratégia de duas paradas, retardando ao máximo a segunda, feita só na volta 37, teve mais trabalho do que nas duas corridas anteriores, mas chegou ao final com 7s139 de vantagem sobre o companheiro de equipe, Mark Webber.

Em 2014, no dia 5 de outubro,  um  grave acidente sofrido por Jules Bianchi interrompeu, na 46ª das 53 voltas normais, o GP do Japão, vencido por Lewis Hamilton, da Mercedes, no dia 5 de outubro.. O acidente aconteceu na volta 41, quando o piloto francês da Marussia saiu da pista, na curva 8, e bateu no trator que retirava o carro de Adrian Sutil, que havia ido de encontro à barreira de pneus, no mesmo local. Bianchi foi levado para o centro medico do circuito de Suzuka  e de lá removido inconsciente para o hospital. Posteriormente, Bianchi foi levado para Nice, onde faleceu sete meses depois, Lewis Hamilton, que assumiu a liderança na volta 29, foi declarado vencedor, com Nico Rosberg no 2º lugar e Sebastian Vettel, da Red Bull, em 3º.

Em 2015, . Sebastian Vettel, da Ferrari, dominou inteiramente o GP de Cingapura, conquistando a sua terceira vitória na temporada e, com 42 vitórias, tornou-se o terceiro piloto mais vitorioso da F1, atrás apenas de Michael Schumacher, com 91, e Alan Prost, com 51 e na frente de Ayrton Senna, que teve 41. Praticamente de ponta à ponta, só deixando a liderança nas trocas de pneus durante entrada do safety car e completou as 61 voltas em 2h01m22s188, a 1s478 do segundo colocado, Daniel Ricciardo, da Red Bull, que fez 2s91.23s596 e também marcou a volta mais rápida da prova, com 1m50s041, na volta 52.  O pódio foi completado pelo outro carro da Ferrari, de Kimi Raikkonen, que chegou em 3º, com 2s01m39s272. Pela primeira vez na temporada, a Mercedes não teve nenhum piloto no pódio; Rosberg foi o 4º colocado, com  2m01s46s838, e Lewis Hamilton, por problemas eletrônicos abandonou a corrida na volta 32, quando já tinha sido superado por vários pilotos e era o 17º.