Publicidade

Silverstone

Silverstone_circuitos

Organização

Nome:

Silverstone Circuit

Localização

Silverstone

Endereço

Near Towcester, Northhamptonshire

NN12 8TN – Reino Unido

Tel: (+44) 1327 857271

Fax: (+44) 1327 857663

Ficha Técnica

Extensão

5,891 km

Distância

308,289 km

Curvas

18

Retas

4

Voltas

52

Sentido

Horário

Capacidade

90.000 espectadores (60.000, sentados)

Inauguração

1948

Primeiro GP

13 de maio de 1950,

vencido por Giuseppe (Nino) Farina

Recorde da prova

1985

Alain Prost – McLaren

1h18m10s436

Volta mais rápida

2013

Mark Webber – Red Bull

1m33s401

Pole recorde

2004

Kimi Raikkonen – McLaren

1m18s233

Vencedores

Data

Vencedor

Equipe

Tempo

10-07-2016

Lewis Hamilton

Mercedes

1h34m55s831

05-07-2015

Lewis Hamilton

Mercedes

1h31m27s729

06-07-2014

Lewis Hamilton

Mercedes

2h26m52s094

30-06-2013

Nico Rosberg

Mercedes

1h32m59s401

10-07-2011

Fernando Alonso

Ferrari

1:28:41s194

11-07- 2010

Mark Webber

Red Bull

1:24:38.200

21-06-2009

Sebastian Vettel

Red Bull

1:22:29.328

06-07-2008

Lewis Hamilton

McLaren

1:39:09.440

08-07-2007

Kimi Raikkonen

Ferrari

1:21:43.074

11-06-2006

Fernando Alonso

Renault

1:25:51.927

10-07-2005

Juan Pablo Montoya

McLaren

1:24:29.588

11-07-2004

M. Schumacher

Ferrari

1:24:42.700

20 -07-2003

Rubens Barrichello

Ferrari

1:28:34.554

07- 07-2002

Michael Schumacher

Ferrari

1:31:45.0150

15 – 07-2001

Mika Hakkinen

McLaren

1:25:33.770

23 – 04-2000

David Coulthard

McLaren

1:28:50.106

11 -07- 1999

David Coulthard

McLaren

1:32:30.144

12 -07- 1998

Michael Schumacher

Ferrari

1:47:02.450

13 -07- 1997

Jacques Villeneuve

Williams

1: 8:01.665

14 -07- 1996

Jacques Villeneuve

Williams

1:33:00.874

16 -07- 1995

Johnny Herbert

Benetton

1:34:35.093

10 -07- 1994

Damon Hill

Williams

1:30:03.640

11 -07- 1993

Alain Prost

Williams

1:25:38.189

12 -07- 1992

Nigel Mansell

Williams

1:25:42.991

14 -07- 1991

Nigel Mansell

Williams

1:27:35.479

15 -07- 1990

Alain Prost

Ferrari

1:18:30.999

16 -07- 1989

Alain Prost

McLaren

1:19:22.131

10 -07- 1988

Ayrton Senna

McLaren

1: 33:16.367

12 -07- 1987

Nigel Mansell

Williams

1:19:11.780

21 -07- 1985

Alain Prost

McLaren

1:18:10.436

16 -07- 1983

Alain Prost

Renault

1:24:39.780

18 -07- 1981

John Watson

McLaren

.1:26:54.800

14 -07- 1979

Clay Regazzoni

Williams

1:26:11.170

16 -07- 1977

James Hunt

McLaren

1:31:46.060

19 -07- 1969

Jackie Stewart

MAT

1:55:55.600

15 -07- 1967

Jim Clark

Lotus

1:59:25.600

10 -07- 1965

Jim Clark

Lotus

2:05:25.400

20 -07- 1963

Jim Clark

Lotus

2:14:09.600

16 -07- 1960

Jack Brabham

Cooper

2:04:24.600

19 -07- 1958

Peter Collins

Ferrari

2:09:04.200

14 -07- 1956

Juan Manuel Fângio

Ferrari

2:59:47.000

17 -07- 1954

Froilan Gonzalez

Ferrari

2:56:14.000

18 -07- 1953

Alberto Ascari

Ferrari

2:50:0.000

19 -07- 1952

Alberto Ascari

Ferrari

2:44:11.000

14 -07- 1951

Froilan Gonzalez

Ferrari

2: 02.18.200

13 -05 -1950

Nino Farina

Alfa Romeo

2:13:23.600

Circuito

Silverstone sempre foi uma das pistas preferidas dos pilotos porque a maioria deles passou pelas categorias inferiores na Inglaterra e aprendeu a guiar lá. E lá estão, também, as sedes de várias escuderias.

O circuito vem sofrendo mudanças ao longo dos anos porque sempre foi muito veloz, assustadoramente veloz até. Mesmo depois de muitas mudanças, Silverstone continua sendo um dos traçados mais rápidos do calendário e onde os pilotos são submetidos às maiores força-G da Fórmula 1. Mas é um circuito seguro e moderno, apesar da idade.

O maior problema era o acesso do público, sempre muito grande em fim-de-semana de GP. Os congestionamentos enormes que se formavam nas estradinhas que levavam ao autódromo deixavam até inglês maluco. Em 2002, o governo ligou as rodovias M1 e M40 e criou quatro pistas no entroncamento, facilitando o acesso ao circuito.

Silverstone foi a sede da primeira prova da história da Fórmula 1, no dia 13 de maio de 1950. O circuito manteve a promoção da prova até 1954, mas depois passou a se revezar, primeiro com o circuito de Aintree, nos anos 50 e 60, e depois com Brands Hatch, entre 60 e 80. A partir de 1987 e voltou a ter exclusividade na realização do GP da Inglaterra.

O circuito está localizado na cidade de Silverstone, a 120 quilômetros de Londres e 32 quilômetros de Oxford. A pista foi montada num antigo campo de pouso da Real Força Aérea (Royal Air Force), muito utilizado durante a Segunda Guerra Mundial. Além do traçado principal, Silverstone tem outras três variantes: circuito nacional, circuito internacional e circuito Sul ou Stowe Circuit.

A. área do aeroporto, cuja parte central era ocupada por plantação de cereais e criação de porcos, foi alugada ao Automóvel Clube Real (Real Automobile Club) pelo ministério da Aeronáutica em 1948 e, em dois meses, transformada no circuito pelo fazendeiro James Wilson Brown, empregado do clube.

A.primeira corrida, o RAC Grand Prix foi realizada em 2 de outubro de 1948. As 3.67 milhas do percurso receberam 23 carros, que percorriam parte do perímetro da pista, acima das duas antigas pistas de pouso. Telas de lona foram colocadas em todo o centro da área, para que pilotos e público não danificassem as plantações. Luigi Viloresi venceu essa primeira corrida, com uma Maserati, com média horária de 72 mph e ganhou um prêmio de 500 libras. Em maio de 1949, depois que as pistas de pouso foram retiradas e foi criada uma chicane na curva Club, Silverstone promoveu seu segundo maior evento, o Troféu Internacional Daily Express da Fórmula 1, virtualmente um segundo Grand Prix, vencido por Alberto Ascari.

Em 1951, o Clube dos Pilotos de Corrida da Grã Bretanha tirou do RAC o aluguel da base e transformou o circuito em algo mais permanente. A partir daí, várias modificações foram introduzidas na pista.

Ainda no inverno de 1951, bancos de areia foram levantados, para dar aos espectadores melhor visão e mais segurança, e os tambores de óleo e fardos de palha foram retirados. A pit lane e a linha de largada/chegada foram movidas da reta Farm para o local onde ainda estavam em 2008, na saída da curva Woocote, e outras curvas foram modificadas para a pista de 2.927 milhas, inaugurada em 1952.

No início dos anos 1960, a pista teve poucas alterações. Em 1971, o Automóvel Clube comprou toda a área de 720 acres do Ministério da Defesa e tornou-se o único clube de corridas a operar como dono de um circuito. Entre 1974 e 1975, foram construídos 44 boxes e a curva Woodcote passou a ser a mais rápida das corridas e um desafio ao talento dos pilotos, possibilitando velocidades em torno de 160 milhas por hora.

Nos primeiros meses de 1987 foram introduzidas as primeiras alterações substanciais no traçado do circuito, desde 1949. A chicane do cotovelo foi substituída por uma nova curva esquerda-direita, na aproximação da Woodcote. Mais de um milhão de libras foram gastos na substituição de 40 dos boxes construídos em 1975 e na construção de um novo centro de imprensa.

Outras modificações nesse traçado ocorreram em 1991, com uma nova seção do estádio e outras alterações para reduzir a velocidade, ao mesmo tempo em que eram mantidas curvas rápidas, como o assustador complexo Becketts. Esse novo traçado tornou as ultrapassagens particularmente raras.

Em 1994, como conseqüência dos acidentes que provocaram a morte de Ayrton Senna e Roland Ratzenburger, foram feitas novas alterações, principalmente no complexo de curva e reta Abbey, para reduzir a velocidade. Em 1995, um dos últimos vestígios da guerra foi apagado. Uma espécie de bunker onde os pilotos dos caças Spitfire da RAF passavam 72 horas para se acostumar à escuridão, antes de saírem para o combate à noite, foi soterrado para a construção de um novo lance de arquibancadas.

Desde o final dos anos 1990 e início da década de 2000, o proprietário do circuito de Silverstone, o BRDC (British Racing Driver’s Club – Clube dos Pilotos de Corrida Britânicos) mantém uma queda-de-braço com Bernie Ecclestone, o “dono” de Fórmula 1, em torno de questão financeira e da infra-estrutura do circuito.

A realização do GP esteve ameaçada, em 2001, pela má organização, da corrida anterior.  A prova coincide com o mês das chuvas na região de Silverstone e o autódromo não está preparado para enfrentar a invasão das águas. Quando chove, os boxes alagam; as curvas ficam cheias de lama e o pit lane fica intransitável.

Em 2000, no sábado do GP, a polícia inglesa fez voltar os milhares de torcedores que desafiaram a proibição de ir de carro para Silverstone. Foi estabelecida uma zona de exclusão de oito milhas em torno do autódromo, depois que os organizadores avisaram que o estacionamento seria fechado, por causa dos estragos provocados pela chuva do dia anterior e para prepará-lo para receber os 135 mil espectadores e convidados esperados para o dia seguinte, e nenhum carro poderia chegar até lá.  Apesar disso, milhares de torcedores, vários deles a pé, foram ao circuito, para ver o treino de classificação.

Um relatório do Conselho Mundial da FIA apontou os problemas de acesso ao circuito e nos estacionamentos e a má preparação dos fiscais e considerou arcaico o controle da corrida.  Em julgamento feito cerca de um mês depois da prova, a realização do GP de 2001 foi confirmada em caráter provisório. Para confirmar a manutenção de Silverstone no calendário, os organizadores tiveram que atender a duas condições:

1 – O delegado de segurança da FIA deveria confirmar que as mudanças propostas para o controle da corrida tivessem sido feitas;

2 – Os organizadores e as autoridades inglesas deveriam garantir que não se repetiriam os problemas de tráfego e que os espectadores que não puderam ver o GP de 2000 receberiam de volta o valor do ingresso.

Dadas essas garantias, o GP da Inglaterra continuou em Silverstone, mas as diferenças entre o BRDC e Bernie Ecclestone não foram superadas. Em 2004, o dirigente ameaçou retirar o circuito do calendário do ano seguinte, caso não fosse paga comissão exigida por ele, mas acabou admitindo um acordo para a renovação do contrato até 2010.

Ecclestone voltou à carga em fevereiro de 2008, avisando os donos do circuito de que o GP da Inglaterra seria retirado do calendário em 2010, caso as suas exigências não fossem atendidas. Em março, os dirigentes de Silverstone anunciaram um plano de reforma prevendo que, em dez anos, seria reformulado o traçado da pista; alterados os locais dos boxes e do padock;  construídas rede de hotéis, casas para alugar e área de lazer.

Mas a promessa não comoveu Ecclestone:

“Há dois problemas a serem resolvidos: primeiro montar a infra-estrutura, depois a necessidade de se pagar o preço do mercado”.  Segundo informações não oficiais, o circuito de Silverstone paga para promover o GP da Inglaterra pouco mais de 10 milhões de dólares, muito menos do que os outros circuitos da Europa.

Em 2009, no calendário provisório, Silverstone não aparecia entre os circuitos que promoveriam provas do campeonato de 2010. Em nota a FIA anunciou que, por deficiências na infra-estrutura de Silverstone, o GP da Inglaterra seria disputado em Donington Park.

Acossados, em novembro daquele ano, os donos de Silverstone, começaram reformas que reconfiguraram o circuito e tiveram um custo total de 43,7 milhões de dólares (cerca de 70 milhões de reais). Depois da aprovação das mudanças por Charlie Whiting, chefe do Departamento Técnico da FIA, Bernnie Ecclestone reformou o contrato com o BRDC e Silverstone continuará a receber o GP da Inglaterra até 2027.

As modificações em Silverstone começaram com aumento de 760 metros a partir da curva Abbey, com a eliminação da Ponte e da curva Priory e a criação de três curvas até a entrada da reta Wellington, elevando a extensão da pista para 5.891 metros. Entre as curvas Club e Abbey, onde foram construídas a Pit Lane International, paddock, 41 garagens, torres de controle, pódio, centro de hospitalidade e de imprensa, está a nova linha de chegada/largada, que fica no início da reta. No total, foram implantadas seis curvas; todas receberam nome e o traçado a partir de 2011 é o seguinte: Largada na International Pit-Abbey-Farm-Village-Loop-Aintree-Reta Wellington-Brooklands-Luffield-Woocote-

National Pit-Copse-chicane Maggotts-chicane Becketts-Chapel-Reta Hangar-Stowe-Vale-Club-Chegada. A entrada para os boxes fica antes da curva Club, à direita.

Segundo Milton Kleines, dirigente da Red Bull, as curvas de Silverstone passaram a ser as mais rápidas do calendário e na Abbey, que passou a ser tomada para a direita, e na Farm os carros vão poder chegar a 297 km/h. A Curva 16, Brooklands foi redesenhada, com uma entrada mais rápida. Segundo os técnicos, a reta Wellington poderá passar a ser mais rápida do que a Hangar.

circuito_silverstone_01

Volta da FIA

circuito_silverstone_02

Trecho

Setor

DST

FG

Marcha

Velocidade

Tempo

Reta

0.0

6

295

Curva 3

Detecção

Saída Curva 4

Ativação

Entrada Curva 6

1

28.6

Saída Curva 7

-1.3

3

140

Curva 8

0.7

6

280

Entrada da Curva 9

0.1

6

295

Saída Curva 9

-4.5

6

275

Curvas 10/11

-4.5

7

305

Curva 12

1.0

5

220

Curva 14

2

36.9

Final da reta

0.1

7

300

Curva 15

-3.0

5

240

Curva 16

2.0

3

105

Aproxim Curva 18

-3.0

5

215

Chegada

3

24.9

1.30.4

Para mais detalhes e informações técnicas, acesse:

http://www.fia.com/championship/formula-1-world-championship/gp-great-britain-track-guide

Momentos

1950 – O italiano Giuseppe Farina faz a pole position, a volta mais rápida, vence o primeiro GP da Inglaterra e depois se torna o primeiro campeão mundial da Fórmula 1

1956 – Tony Brooks escapa de um horrível acidente, na curva Abbey

1970 – Em junho, Emerson Fittipaldi faz seu primeiro teste no circuito e, com  a Lotus 49, completa  uma volta quase dois segundos abaixo do recorde de Jackie Stewart

1973 – Jody Scheckter provoca um carambolada na largada do GP

1979 –Com o FW07, projetado para melhor aproveitamento do efeito solo, criado pela Lotus, o suíço Clay Regazzoni consegue a primeira vitória da equipe no GP da Inglaterra.

1987 – Na 63ª, das 65 voltas, Nigel Mansell ultrapassa seu companheiro na Williams, Nelson Piquet, na curva Stowe,  para vencer o GP da Inglaterra. Piquet tinha sido o pole position e liderava a corrida até a volta 62. Ayrton Senna foi terceiro.

1994 – Mika Hakkinen e Rubens Barrichello se chocam na saída da Luffield, na última volta do GP

1995 – Numa desastrada tentativa de ultrapassar Damon Hill, a 16 voltas do final,  Michael Schumacher sai da pista e dá chance a Johnny Herbert de vencer a primeira corrida de sua carreira na F-1.

1998 – Três comissários de pista são demitidos pela FIA, depois de erro na determinação de penalidade à Ferrari. A pista molhada provocou grande confusão, vários pilotos desistiram da prova, inclusive os brasileiros, e apenas 9 carros chegaram ao final.

1999 – O GP da Inglaterra acaba na primeira volta para Michael Schumacher. Um grave acidente provoca dupla fratura na perna e deixa o alemão de fora das corridas seguintes e também da briga pelo título da temporada.

 2002 – A Ferrari recebe multa de 500 mil dólares, (a maior da história da F1, até então) porque Michael Schumacher desrespeita bandeira preta durante o GP da Inglaterra

2003 – Para ganhar o GP da Inglaterra, Rubens Barrichello faz seis ultrapassagens. A primeira sobre Kimin Raikkonen, na 10ª volta, quando o brasileiro tentava recuperar duas posições perdidas na largada. Na curva Abbey, Barrichello, segundo ele mesmo descreveu, colocou a Ferrari por fora na freada, porque sabia que ficaria por dentro na perna seguinte, à direita. Os dois carros ficaram  emparelhados nas duas pernas da curva, mas o brasileiro acabou na frente na saída da segunda perna. Na 15ª volta, Barrichello passou por Ralf Firman, na freada da curva Stowe; na 16ª, ultrapassou Ralf Schumacher, na saída da Abbey, para assumir a 7ª posição; na 36ª, na freada da Stowe, superou Olivier Panis e chegou ao terceiro lugar. Mas a ultrapassagem mais sensacional e considerada pelo piloto uma das mais difíceis que já tinha feito, foi na 42ª volta, sobre Kimi Raikkonen, de novo. O finlandês liderava a prova e o brasileiro estava em segundo. Os dois saíram da curva Abbey quase juntos, emparelharam-se na curva seguinte, a Bridge, e com mais tração, a Ferrari saiu um pouco à frente. Pouco mais adiante, Barrichello tomou a curva Priory por fora e não deu chance de defesa a Raikkonen. O brasileiro assumiu a liderança e não perdeu mais até completar as 60 voltas da corrida.

2008 – Felipe Massa chegou a Silverstone como líder do campeonato. Sob chuva, rodou cinco vezes e acabou na última posição. Foi ultrapassado por Lewis Hamilton, que também totalizou 48 pontos e tinha uma vitória a mais. Rubens Barrichello fez corrida considerada brilhante e terminou em 3°.

2009 – O GP da Inglaterra foi disputado em meio à uma queda de braço entre a associação das equipes, a FOTA, e a FIA. As equipes ameaçavam criar um campeonato paralelo, mas no final chegaram a acordo e assinaram novo Pacto de Concórdia, que deveria vigorar até 2012. Na corrida, Sebastian Vettel conquistou a  sua segunda vitória no ano. No resto da temporada ele venceria mais duas corridas, terminando em segundo lugar na classificação dos pilotos, liderada por Jenson Button.

2010 – No mesmo fim de semana da final da Copa do Mundo de Futebol , na África do Sul, 350 mil pessoas estiveram no autódromo de Silverstone, para o GP da Inglaterra. Depois de ultrapassar o companheiro Sebastian Vettel, Mark Webber foi o vencedor da prova. E no pódio tripudiou sobre a equipe, à qual acusava de dar tratamento preferencial ao alemão. “Nada mal para um segundo piloto”, ironizou.

2011 – Uma disputa acirrada entre os dois pilotos da Red Bull, Sebastian Vettel e Mark Webber, nas voltas finais da corrida, foi o que mais chamou a atenção no GP da Inglaterra de 2011. Vettel resistiu à pressão e chegou em segundo; Webber foi o terceiro. Fernando Alonso, o pole position, chegou a perder a liderança, mas beneficiou-se de um problema de Vettel no boix e ganhou a corrida.

2012 – Com o carro coberto por fotos de 25 mil fãs, Mark Webber foi o vencedor em Silverstone. Com pneus duros, aproveitou o desgaste dos pneus macios de Fernando Alonso e a quatro voltas do final, com uma ultrapassagem considerada sensacional, assumiu a ponta e cruzou a linha de chegada em primeiro.

2013 – Uma sucessão de estouros de pneus de forma idêntica ofuscou a vitória de Nico Rosberg no GP da Inglaterra, no dia 30 de junho de 2013. Esse foi o assunto dominante na Fórmula 1, durante vários dias e provocou mudanças nos compostos e nas regras para testes dos pneus. A primeira vítima foi Lewis Hamilton, que teve o pneu traseiro esquerdo estourado logo na 8ª volta e, por azar, logo depois de ter passado pelos boxes. Teve de dar uma volta inteira para fazer a troca e cedeu a liderança a Sebastian Vettel. Depois, foi a vez de Felipe Massa. Na 10ª volta, quando brigava pelo 3º lugar, na saída da curva 5, seu pneu também se esfarelou. Ele rodou, saiu da pista, mas conseguiu voltar e chegar ao box para a troca. Em seguida, na volta 15, foi a vez de Jean-Éric Vergne ficar sem o pneu traseiro esquerdo, mas, por sorte, ele estava perto dos boxes e não perdeu muito tempo para a troca. Esses incidentes provocaram a entrada do safety car, para que os fiscais retirassem os restos de borracha da pista e as equipes sugeriram aos pilotos que evitassem a zebra das curvas 4 e 5, que, por serem mais altas poderiam estar causando cortes nos pneus, alegação usada igualmente pela Pirelli, depois da corrida.Mais tarde, Sergio Pérez também teve um pneu estourado e Nico Rosberg superou o problema de um furo no pneu para chegar à vitória.

2014 – O GP da Inglaterra, no dia 6 de julho de 2014 provocou emoções desde a véspera, no treino de classificação. Nos últimos segundos da Q3, Nico Rosberg, aproveitando o único trecho seco da pista, fez o tempo de 1m35s766 e roubou a pole position que já parecia garantida por Lewis Hamilton, com 1m37s386. O piloto inglês lamentou depois, ter abortado a volta que fazia ao mesmo tempo, porque não acreditava que o companheiro de equipe conseguisse superá-lo. Na corrida, porém, Rosberg não teve a mesma sorte. Com um problema na caixa de câmbio, foi obrigado a abandonar a corrida e permitir que Hamilton vencesse e reduzisse a diferença entre eles na liderança do campeonato para apenas 4 pontos: 165 a 161. A corrida teve uma interrupção de quase uma hora, por causa de um acidente com Kimi Raikkonen, antes da metade da primeira volta. Felipe Massa foi uma vítima involuntária das rodadas do piloto da Ferrari. Embora tenha evitado um choque frontal, que seria desastroso para os dois, bateu com a traseira na lateral do carro de Kimi e, devido aos danos na suspensão e carenagem, foi obrigado a abandonar a pista. A surpresa da prova foi a performance de Valtteri Bottas, da Williams, que largou da 14º posição e subiu ao segundo pódio da carreira, com o segundo lugar. Outra atração em Silverstone foi uma acirrada disputa pelo 5º lugar, entre Sebastian Vettel e Fernando Alonso, por mais de 10 voltas, encerrada com vantagem do piloto alemão. Hamilton completou a prova em 2h26s52s094, com vantagem de 30s135 sobre Bottas.

2015 – Lewis Hamilton venceu o GP da Inglaterra, em que um erro da Williams impediu que Felipe Massa terminasse na 3ª colocação e subisse ao pódio pela segunda vez consecutiva. O piloto brasileiro fez uma largada espetacular, liderou a corrida por 20 voltas, mas a demora na troca dos pneus, quando começou a chover, o fez perder a posição para Sebastian Vettel, da Ferrari. Hamilton correu as 52 voltas do percurso em 1h31m37s729 e Nico Rosberg completou a dobradinha da Mercedes, a 10s956 do companheiro e 15s487 à frente de Sebastian Vettel. Foi a 5ª vitória de Hamilton, em 9 corridas da atual temporada e a terceira seguida em Silverstone. Para comemorar e agradecer o apoio da torcida, na volta ao pódio, o inglês passou bem perto da assistência e deu alguns “zerinhos” diante da arquibancada. Hamilton, o pole position, fez, na 29ª, a volta mais rápida da corrida (1m37s093) e completou o seu 8º hat- trick (barba, cabelo e bigode). Fernando Alonso, que largou da 15ª posição, cruzou a linha de chegada em 10º, obtendo o primeiro ponto da McLaren no campeonato. Felipe Nasr, da Sauber, na ida para o grid, teve um problema no câmbio que a equipe não conseguiu reparar a tempo e ele não pode participar da corrida.

2016 –  Nico Rosberg foi punido por troca de mensagens pelo rádio e caiu do segundo para o terceiro lugar do Grande Prêmio da Inglaterra, disputado no circuito de Silverstone, no dia 10 de julho e vencido por Lewis Hamilton. Com esse rebaixamento, a diferença entre o líder do campeonato, Rosberg, e o vice-líder, Hamilton, caiu de 11 para apenas 1 ponto (168 a 167). MNico Rosberg foi punido com 10 segundos no seu tempo, porque, segundo os comissários da corrida, ele e a equipe exageraram na troca de mensagens pelo rádio. O comunicado diz que a equipe deu uma primeira informação permitida pelo regulamento, mas foi mais longe e deu informações não permitidas.Lewis Hamilton conquistou em Silverstone a 44ª vitória da carreira, a 4ª e a 3ª consecutiva em seu país.