Publicidade

Restrições

Considerada um dos maiores veículos da publicidade em todo o mundo, a Fórmula 1 mantém severa vigilância sobre tudo que é mostrado nos carros, equipamentos de pilotos e circuitos. A principal restrição se refere à propaganda de cigarros. Desde 2006, as equipes estavam proibidas de exibir publicidade de produtos de tabaco em quase todos os circuitos, a exceção de China, Bahrein e Mônaco. Em 2008, Mônaco e Bahrein também aderiram ao boicote e só a China mantém a permissão para publicidade de cigarros.

Até 2003, cinco equipes eram patrocinadas por fabricantes de cigarros: Ferrari/ Marlboro (Philip Morris), McLaren/West; Renault/Mild Seven, BAR/Luck Strike e Jordan/ Benson & Hedges e elas tiveram, naturalmente, de buscar quem pudesse substituir esses grandes patrocinadores e anunciantes, que investiam na F1 cerca de US$ 350 milhões ao ano.  A última delas a renunciar à publicidade de cigarros foi a Ferrari, que, desde 1968 exibia nos seus carros o logotipo da Philip Morris.

Por ironia, antes da proibição, o GP do Brasil de 2003 esteve ameaçado de cancelamento, por causa da propaganda de cigarro.  A FOM chegou a ameaçar com a retirada de Interlagos do calendário da F1, caso os carros não pudessem circular com propaganda dos patrocinadores. Para evitar a medida extrema, o governo brasileiro capitulou e editou uma medida provisória permitindo a propaganda de tabaco.

A propaganda de bebida também é proibida em vários paises, principalmente da Europa., Por isso a FOM tem procurado promover corridas onde as leis não sejam tão rígidas, como Turquia, Malásia e Cingapura, ou as equipes fazem contratos específicos, para GPs onde a publicidade de bebidas seja permitida. Em 2011, só a Force India mantinha entre seus patrocinadores fabricantes de bebidas, a escocesa White&Makay, produtora de uísque, e a Kingfisher, fábrica de cerveja do dono da escuderia, Vijay Mallya.

Além do cigarro e bebidas, alguns países que promovem GPs de Fórmula 1 fazem outros tipos de restrições:

Áustria: É proibido fazer propaganda política ou “ultrajante”. Os organizadores locais têm o direito de fazer outras restrições através de regulamento suplementar.

Austrália: É proibido fazer propaganda considerada “ofensiva” pelas autoridades locais. No geral, pode-se fazer publicidade de qualquer produto, exceto cigarros, em alguns estados australianos. A legislação também não interfere no “layout” dos números dos carros.

Alemanha: Proibida propaganda política, ofensiva, religiosa ou social. Todas as janelas de carros de turismo devem ser livres, sem anúncios. Uma área de 50 cm x 60 cm nas laterais deve ser reservada aos números.

França: Desde o dia 1º de janeiro de 1994 é proibido fazer propaganda de cigarros ou bebidas alcoólicas em território francês. O GP da França é o único que não permite a comemoração com champanhe no pódio..

Inglaterra: Proibido o uso de material ofensivo. Proibida a propaganda de cigarros se o evento tiver cobertura da televisão. Publicidade nas áreas transparentes não deve exceder 13 cm de altura. A publicidade não pode interferir nos números dos carros.

Itália: Proibida a propaganda política, religiosa ou ofensiva.

San Marino: Proibida a propaganda política, religiosa ou ofensiva. Espaço das placas de licença, janelas e números não ter publicidade.