Publicidade

Pneus: Importância

“ Pneumático – Aro de borracha com  que se revestem as rodas de veículos. (…)Pneu)” -(Novo Dicionário Aurélio)


A simples definição não reflete a importância dos pneus para um carro, principalmente os carros de corrida.

O conjunto formado pelo aro de metal e o seu revestimento de borracha é fundamental para o sucesso de um carro. Dele pode depender o sucesso ou o fracasso. Um carro ruim pode não melhorar seu rendimento com bons pneus, mas, certamente, um ótimo carro pode fracassar, se não tiver pneus adequados.

A escolha do pneu, conforme a pista, tempo e a temperatura, e do momento certo para a sua troca é decisiva para a classificação de um piloto.

Em toda a história da Formula 1 há numerosos exemplos da importância dos pneus na performance de um carro ou de um piloto.

Em 1978, a Tyrrel teve de abandonar o seu projeto de carro com seis rodas, lançado com relativo sucesso em 1976. Os fabricantes não conseguiram encontrar um composto de borracha adequado  ao sistema de direção e suspensão para os pneus com minúsculas duplas de rodas dianteiras.

Em 1986, Nigel Mansell perdeu o campeonato por causa dos pneus. O inglês seria campeão se vencesse o GP da Austrália, ou, se pelo menos, Prost ou Piquet não chegassem em primeiro. Na 62º das 82 voltas, Keke Rosberg era o líder, com quase 30 segundos de vantagem sobre Piquet e tudo levava a crer que ele venceria, garantindo o título a Prost. Mas nessa altura da prova, um dos seus pneus estourou e ele teve de parar para a troca. Logo depois, os pneus de Mansell também estouraram e Prost, que já havia trocado os seus, assumiu a liderança, ganhou a prova e o título.

Após a corrida, a Goodyear admitiu que houve um erro na avaliação da resistência dos pneus que estavam sendo usados pela primeira vez. Os técnicos da fábrica calculavam que os pneus resistissem às 82 voltas sem necessidade de troca, o que não aconteceu.

Em 2005, os problemas com os pneus da Michelin tumultuaram o GP dos Estados Unidos, em Indianápolis. Depois de um acidente com Ralf Schumacher , que, em treino do sábado, 17 de junho, bateu forte na curva 13, devido ao estouro do pneu esquerdo traseiro, todos as sete equipes equipadas com os pneus da fábrica francesa (BAR, McLaren, Red Bull, Renault, Toyota, Sauber e Williams) se recusaram a participar da prova. Apenas seis pilotos, da Ferrari, Jordan e Minardi (com pneus da Bridgestone) concorreram e a corrida foi vencida por Michael Schumacher. A causa do acidente teria sido a pressão maior do que a normal na curva 13, de alta velocidade, sobre as paredes laterais do pneu, que o faziam  curvar e sofrer desgaste em áreas anormais.