Publicidade

Mônaco

Monaco_circuitos

Organização

Nome oficial:

Circuit de Mônaco

Endereço:

Automobile Club de Monaco
23 Boulevard Albert 1er
BP 464  –  98000 Monaco
Tel: (377) 93152600
Fax: (377) 93258228

 Ficha Técnica 

Extensão:

 3.340 metros

Distância

260,520 km

Voltas:

 78

Curvas:

19

Sentido:

horário

Inauguração:

 1929

Primeiro GP de F-1

21 de maio de 1950,

vencido por Juan Manuel Fângio

Recorde da prova

2007

Fernando Alonso – McLaren

1h40m29s329

Pole recorde:

2011

Sebastian Vettel – Red Bull

1n13s556 – 163,467 km/h

Volta mais rápida:

2004

Michael Schumacher – Ferrari

1m14s439

  Vencedores

Data Vencedor Equipe Tempo

29 – 05 – 2016

Lewis Hamilton Mercedes

1h59m29s133

24 – 05 – 2015

Nico Rosberg Mercedes

1h49m18s420

25 – 05 – 2014

Nico Rosberg Mercedes

1h49m27s661

26 – 05 – 2013

Nico Rosberg Mercedes

2h17m52s506

25 – 05 – 2012

Mark Webber Reb Bull

1h46m06s557

29 – 05 – 2011

Sebastian Vettel Red Bull

2h09m38s574

16 – 05 – 2010

Mark Webber Red Bull

1h50m13s355

24 – 05 – 2009

Jenson Button Brawn

1h40m44s282

25 – 05 –  2008

Lewis Hamilton McLaren

2h00m42s742

27 – 05 – 2007

Fernando Alonso McLaren

1h40m29s329

28 – 05 – 2006

Fernando Alonso Renault

1h42m43s116

22 – 05 – 2005

Kimi Raikkonen McLaren

1h42m51s210

23 – 05 –2004

Jarno Trulli Renault

1h45m46s601

01 – 06 – 2003

Juan Pablo Montoya Williams

1h42m19s010

26 – 05 – 2002

David Coulthard McLaren

1h45m39s055

27 – 05 – 2001

Michael Schumacher Ferrari

1h47m22s561

04 – 06 – 2000

David Coulthard McLaren

1h49m28s213

16 – 05 –  1999

Michael Schumacher Ferrari

1h49m31s812

24 – 05 –  1998

Mika Hakkinen McLaren

1h51m23s595

11 – 05 –  1997

Michael Schumacher Ferrari

2h00m05s654

19 – 05 –  1996

Olivier Panis Ligier

2h00m45s629

28 – 05 –  1995

Michael Schumacher Benetton

1h53m11s258

15 – 05 –  1994

Michael Schumacher Benetton

1h49m55s372

23 – 05 –  1993

Ayrton Senna McLaren

1h52m10s947

31 – 05 –  1992

Ayrton Senna McLaren

1h50m59s372

12 – 05 –  1991

Ayrton Senna McLaren

1h53m02s334

27 – 05 –  1990

Ayrton Senna McLaren

1h52m46s982

07 – 05 –  1989

Ayrton Senna McLaren

1h53m33s251

15 – 05 –  1988

Alain Prost McLaren

1h57m17s077

31 – 05 –  1987

Ayrton Senna Lotus

1h57m54s085

11 – 05 –  1986

Alain Prost McLaren

1h55m04s060

19 – 05 –  1985

Alain Prost McLaren

1h51m58s034

03 – 06 –  1984

Alain Prost McLaren

1h01m07s740

15 – 05 –  1983

Keke Rosberg Williams

1h56m38s121

23 – 05 –  1982

Riccardo Patrese Brabham

1h54m11s259

31 – 05 –  1981

Gilles Villeneuve Ferrari

1h54m23s380

18 – 05 –  1980

Carlos Reutemann Williams

1h55m34s365

27 – 05 –  1979

Jody Scheckter Ferrari

1h55m22s480

07 – 05 –  1978

Patrick Depailler Tyrrell

1h55m14s660

22 – 05 –  1977

Jody Scheckter Wolf

1h57m52s770

30 – 05 –  1976

Niki Lauda Ferrari

1h59m51s470

11 – 05 –  1975

Niki Lauda Ferrari

2h01m21s310

26 – 05 –  1974

Ronnie Peterson Lotus

1h58m03s700

03 – 06 –  1973

Jackie Stewart Tyrrell

1h57m44s300

14 – 05 –  1972

Jean-Pierre Beltoise British Racing Motors

2h26m54s700

23 – 05 –  1971

Jackie Stewart Tyrrell

1h52m21s300

10 – 05 –  1970

Jochen Rindt Lotus

1h54m36s600

18 – 05 –  1969

Graham Hill Lotus

1h56m59s400

26 – 05 –  1968

Graham Hill Lotus

2h00m32s300

07 – 05 –  1967

Denny Hulme Brabham

2h34m34s300

22 – 05 –  1966

Jackie Stewart British Racing Motors

2h33m10s500

30 – 05 –  1965

Graham Hill British Racing Motors

2h37m39s600

10 – 05 –  1964

Graham Hill British Racing Motors

2h41m19s500

26 – 05 –  1963

Graham Hill British Racing Motors

2h41m49s700

03 – 06 –  1962

Bruce McLaren Cooper

2h46m29s700

14 – 05 –  1961

Stirling Moss Lotus

2h45m50s100

29 – 05 –  1960

Stirling Moss Lotus

2h53m45s500

10 – 05 –  1959

Jack Brabham Cooper

2h55m51s300

18 – 05 –  1958

Maurice Trintignant

2h52m27s900

19 – 05 –  1957

Juan Manuel Fangio Maserati

3h10m12s800

13 – 05 –  1956

Stirling Moss Maserati

3h00m32s900

22 – 05 –  1955

Maurice Trintignant Ferrari

2h58m09s700

21 – 05 –  1950

Juan Manuel Fangio Alfa Romeo

3h13m18s700

 Características

Mônaco é considerado um traçado anacrônico, que não combina com carros que andam a quase 300 km/h. Mas ninguém ousa sugerir sua retirada do calendário. Por ter uma média de velocidade muito baixa, cerca de 150 km/h, a pista acaba não sendo perigosa.

O problema é a absoluta falta de áreas de escape e a quase impossibilidade de se ultrapassar. O único ponto razoável é a freada para a chicane que fica no fim do túnel. No resto da pista, superar um adversário é tarefa para contorcionistas.

Das 19 curvas do circuito de Mônaco, 14 são conhecidas por nomes: : 01 – Saint. Devote; 02 – Beau Rivage; 03 – Massenet; 04 – Cassino; 05– Mirabeau Haute; 06 – Gran Hotel Lowes Harpin; 07 – Mirabeau Bas; 08 – Porto;  09 – Túnel; 12 – Tabacaria; 13 –  Louis Chiron;  14 – Piscina; 16 – Rascasse; 17 – Anthony Noghes. Há três chicanes nas  curvas 10/11; 13/14 e 15/16.

A Fórmula 1 toma conta de Mônaco, controlando as ruas e o cais do porto na semana do Grande Prêmio. Da noite para o dia, uma equipe de engenheiros cria a pista apertada e desafiadora, sem espaço para erro ou ultrapassagem.  O circuito começa numa reta à frente de um conjunto de piscinas; segue pelas ruas até uma curva na rua St Devote, sobe para o quarteirão do cassino; desce para a curva Mirabeau; entra por um grampo fechado em Lowes;  passa por um túnel, reconstruído em 1973, sob o Hotel Lowes; passa por duas chicanes e uma pequena reta diante do porto; contorna outra curva diante da tabacaria e um grampo, antes de atingir a reta de chegada.

Esse traçado é praticamente o mesmo no qual foi disputado o primeiro grande prêmio de automobilismo em Mônaco, em 1929.  Em 1973 foram feitas algumas alterações, como a reconstrução do túnel e o trecho da Tabacaria à Rascasse foi refeito para a criação de uma área de pit na seção da piscina. Em 1976, foram criadas chicanes na curva Saint Devote e na saída do grampo da Rascasse. Em 1986, o cais foi alargado para a instalação de uma nova chicane. Em 1997, a curvatura em S original do complexo das piscinas foi redesenhado e recebeu o nome de curva “Louis Chiron”. Em 2003, um complexo de garagens permanente foi construído ao longo do cais, do lado do mar; a pista entre a segunda perna da piscina e a Rascasse foi encurtada.em 10 metros e uma chicane foi introduzida  na saída da segunda curva da piscina.

Mônaco é o único GP que não tem pódio. Os pilotos recebem seus troféus e fazem a festa do champanhe num pequeno palco que fica sob o camarote da família real monegasca.

O GP é, também, o único que não tem treinos às sextas-feiras. As atividades começam na quinta-feira para que, no dia seguinte, os pilotos tirem folga e se recuperem das várias festas promovidas por patrocinadores. E como o circuito é de rua, qualquer um pode dar uma volta pela pista depois dos treinos e na sexta-feira, quando não há nenhuma movimentação dos carros de Fórmula 1. Nessa pista, também, a FIA estabeleceu o limite mais baixo de velocidade nos boxes porque quase não há espaço para o trabalho dos mecânicos na área dos pits.

Conforme números levantados por Reginaldo Leme, o GP de Mônaco movimenta um esquema que inclui:

  • 33 km de guard-rails com identificação do local de montagem de cada lâmina
  • 554 metros de barreiras de soft wall para proteger 16 curvas
  • 10 gruas / guindastes para içar carros acidentados
  • 120 bombeiros / 500 extintores
  • 650 comissários em 45 postos
  • 36 médicos reanimadoresm mais 20 dirigindo operação
  • 36 aparelhos desfibriladores
  • 13 ambulâncias / 2 helicópteros
  • 3 veículos de extração (quando tem que serrar um carro para retirar o piloto)

História

O GP de Mônaco tem uma história mais antiga do que a Fórmula 1. Ela começou em 1907, quando a Associação de Ciclismo Esportivo de Mônaco (Monaco Cyclism Sportif Association) se transformou na Associação de Ciclismo e Automobilismo Esportivo (Monaco Cyclism et Automobilisme Sportif Association) que, em 29 de março de 1925 teve o nome mudado para Automóvel Clube de Mônaco (Automobile Club du Mônaco).

Por iniciativa de Anthony Noghes, que dá nome à ultima curva do trajeto, a nova entidade promoveu a 14 e abril de 1929, no circuito basicamente igual ao de hoje,  o 1º GP de Mônaco, com a participação de  16 carros. A vitória coube a um franco-britânico desconhecido, identificado apenas como William, que chegou tarde para participar dos treinos oficiais, mas acabou surpreendendo e chegando em primeiro, numa Bugatti 35B, em 3 horas, 56 minuto e 11 segundos, com velocidade média de 80.194 km/h, nas 100 voltas. A primeira prova da Fórmula 1 foi disputada em 13 de maio de 1950, como parte do primeiro campeonato mundial da categoria. O vencedor foi Juan Manuel Fângio, da Argentina, depois de uma “carambolada” na primeira curva, que provocou o abandono de 10 carros.

O GP de Mônaco só voltou a ser disputado em 1955 e, a partir dai, nunca mais deixou de fazer parte do calendário da FIA.Apesar da pista improvisada e dos problemas técnicos que proporciona, o GP de Mônaco é, talvez, a prova mais esperada do campeonato, pela beleza da paisagem, pelo clima que cria, pelo glamour. Bernie Ecclestone admite: “Este lugar nos dá mais do que nos damos a ele”.

Ao falar de Mônaco, poucos se lembram de dois fatos lamentáveis ocorridos ali: a morte do italiano Lorenzo Bandini, que, em 1967, bateu na chicane e morreu entre as chamas do carro, e a batida, em 1994, no mesmo lugar, que provocou a encerramento prematuro da carreira do jovem austríaco Karl Wendlinger. Também foram quase esquecidas a escapada de Alberto Ascari, que acabou invadindo o porto, em 1955,  ou a vitória inesperada de Ricardo Patrese, em 1982. Depois de ter rodado na pista, ao cruzar a linha de chegada, Patrese pensou ter perdido a corrida e só depois soube que era o vencedor, devido ao abandono de Alain Prost, Didier Pironi e Andréa de Cesaris.

Ninguém esquece, porém, as cinco vitórias que deram a Graham Hill o título de “Mr. Mônaco” ou as seis que não valeram títulos, mas deixaram eternamente ligado ao GP de Mônaco o nome de Ayrton Senna.

Volta da FIA

Mônaco

Mônaco

Trechos Força G Marcha Velocidade

Meio da reta

6

171,275

Saint Devote

-2.5

3

84,135

Saída da Curva 2

Beau Rivage

6

171,275

Saída Cassino

-2.5

4

103,186

1° Setor

Entrada Mirabeau

19s8

Saída/Grampo/ Hotel

2.0

2

63,39

Entrada. Curva 8

Porto

3

125,78

Túnel

0.0

6

264,165

2° Setor

Saída do Túnel

18s5

Entrada da Nouvelle Chicane

6

175,282

Entrada Chicane 13/14

Chiron/Piscina

4.0

5

224,139

Saída Curva 16

Rascasse

4

170,106

Curva 17

Noghes

-2.5

3

108,67

Saída Curva 18

-1.0

3

117,73

Saída Curva 19

3

71,117

3º Setor/Chegada

17s7 – 1m14s0

Registros da FOM – Final da Reta – 0.81, 7, 269; 1/Devote – 1.52, 2, 111; Entrada Beau Rivage –  0.65, 6 237; 2 – Beau Rivage –  0.87, 7, 253;  Saída Beau Rivage – 1.15, 7, 269;  3/Massenet – 3.59, 4, 158;  4/Cassino – 3.48, 3, 126;  1º Setor/Entrada 5/Mirabeau – 2.0, 1:79;  6 – Grampo/Hotel – 2.42, 1, 47;  8/Porto – 1.49, 2, 81;  Saída do Túnel – 1.22, 7, 289; Entrada da chicane – 1.22, 7, 289;  12/Tabac – 3.31, 4, 161;  Entrada 13/Chiron – 3.65, 6, 202;  14/Piscina – 3.62, 6, 207;  Curva 16/Saída da Piscina – 1.10, 2, 95;  Curva 17 –  2.43, 4, 190;  Rascasse – 1.65, 1, 63; Noghes – 1.73, 1, 95.

 Volta de Mark Webber

Trecho Força G Marcha Velocidade
Curva 1

1,52

2

111

Curva 2

0.87

7

253

Curva 3

3.59

4

158

Curva 4

3.48

3

126

Curva 5

2.00

1

79

Curva 6

2,42

1

47

Curva 7

1.4

2

80

Curva 8

1.49

2

81

Curva 9

2.66

6

252

Curva 10

1.84

2

80

Curva 11

1.15

2

66

Curva 12

3.31

4

161

Curva 13

3.65

6

202

Curva 14

3.62

6

207

Curva 15

1.57

2

122

Curva 16

1.10

2

95

Curva 17

2,43

4

190

Curva 18

1.65

1

63

Curva 19

1.73

1

95

Volta de  Jenson Button

“Chego à primeira curva a 274 km/h, na última marcha. Ali, tenho que frear forte e baixar até 90 km/h, em segunda, para poder tomar bem a curva Ste Devote.

Na subida, chego a 270 km/h, na marcha alta, de novo, e baixo à terceira,  para passar a curva à esquerda a uns 140 km/h. Tenho de  manter essa marcha na Casino, mas reduzo a velocidade até os 120 km/h para fazer a difícil curva à direita.

Desço até Mirabeau a uns 210 km/h, em quarta, e logo breco para baixar à segunda, com 70 km/h e dobrar à direita. Em seguida, vem a curva Loews, a parte lenta do circuito, que tomo em primeira, a 45 km/h.

Nem bem a gente sai desta curva, põe em segunda e breca um pouco para tomar a curva seguinte, à direita, a uns 75 km/h. Saindo dali, acelero fundo e breco de novo para entrar no túnel.

No túnel vou fundo, mas não é fácil, pois ele é curvado. Saindo do túnel a quase  290 km/h, logo tenho de brecar forte para tomar a primeira parte da chicana a 78 km/h. Mantenho a primeira marcha e passo à segunda, a 60 km/h.

Logo vem uma reta curta, que atravesso a 225 km/h, em quarta, para chegar até a curva Tabac, à esquerda, que se toma a 142 km/h, em terceira. Subo à quarta, a 200 km/h,  para entrar na primeira chicane da piscina entre 180 e 190 km/h, em quarta. Na segunda chicane da piscina tenho que brecar de novo muito forte e baixar para 80 km/h para tomar a primeira parte a 80 km/h e a segunda a 90 km/h. As duas partes se fazem em segunda.

Chego à Rascasse a uns 185 km/h, em terceira, breco para tomar a esta difícil curva à esquerda e baixo a velocidade de novo a 45 km/h, em primeira, para passar o grampo.

Encontrar tração aqui é difícil, mas não é preciso aumentar a velocidade, pois a última curva também é lenta e se toma a 75 km/h, em segunda. A saída é complicada e tenho que sair bem dali para cruzar a linha a 260 km.

Volta de Jos Verstappen

“Mônaco é um circuito muito lento, estreito e sinuoso e também muito ondulado em algumas partes. Devido à natureza do circuito e pelo fato de ser uma pista de rua, é preciso concentração máxima, pois aqui não há lugar para enganos. É importante uma boa largada, pois ao contrário de outros circuitos, aqui é impossível ultrapassar. E até mais importante conseguir uma boa posição na classificação para ter alguma chance na corrida. A primeira curva é muito apertada, com um ângulo de 90 graus. É muito fácil tocar a barreira na saída da curva, se você não tomar cuidado, mas logo em seguida há uma longa reta em aclive, a Beaurivage, que é bastante rápida. A segunda, é uma curva de terceira marcha, feita em torno de 150 km/h mas nas primeiras voltas ela pode estar muito lisa. A pista melhora o tempo todo e eu tenho de pisar forte para alcançar meu limite e maximizar o potencial do carro. Temos de dirigir muito perto do alambrado mas eu não me importo em dirigir no meu limite. Algumas vezes, eu toco ligeiramente com a roda mas, felizmente, não tão forte, senão estou fora! É possível ser bem preciso em colocar o carro, se você estiver bem atento. No topo da colina está o quarteirão do Casino, com muita inclinação no canto que vai para a Mirabeau. Nós, então, brecamos para a famosa curva à direita, em declive, onde é muito fácil travar a roda dianteira, e usamos a primeira marcha em toda aquela parte. É a curva mais lenta do circuito mas é bom lembrar que num carro de Formula Um a primeira marcha pode subir até 150 km/h. Você atropela o meio fio na saída da curva e logo antes da entrada do túnel tem que correr muito perto da barreira. Depois do túnel, freio forte até a chicane, mas é fácil passar direto. Depois da chicane há uma reta curta, com todos os barcos à sua esquerda, uma curva à esquerda e outra chicane nas piscinas. A curva seguinte é tomada em quarta, e você tem que brecar forte, pois se exceder, entra direto no muro. O grampo da Rascasse esta perto do fim do circuito é aqui é fácil rodar. Então vem a entrada dos boxes à sua direita ou você entra na reta da largada, onde nos chegamos a 260 km/h. Não se pode treinar sempre neste circuito e assim é importante tantas voltas de treino quantas forem possível, para se acostumar e descobrir os seus limites. É um circuito espetacular, onde os espectadores podem ver tudo muito de perto.”

Momentos

1950 – O carro de Farina roda na pista e provoca um acidente que envolve nove outros concorrentes. Fangio, que estava na liderança, escapa e vence a corrida.

1955 – Num acidente inusitado, o Lancia de Alberto Ascari sai da pista e cai no mar. Além do banho inesperado, o piloto só teve o nariz fraturado. Mas quatro dias depois, em Monza, ele viria a sofrer o acidente que lhe tirou a vida.

1957 – Um acidente na entrada da “chicane” tira da corrida Moss, Collins e Hawthorn, e Fangio ganha tranqüilamente. Mas o herói da tarde é Jack Brabham, que cruza a linha de chegada empurrando seu Cooper, sob aplausos da torcida.

1967 – Lorenzo Baldini sofre acidente fatal durante o GP

1969 – Graham Hill confirma seu título de “Mister Mônaco”, conquistando a vitória pela quinta vez.

1984 –  A corrida é interrompida pelo diretor da prova, Jacky Ichx, devido a um temporal, quando Airton Senna, com  a Toleman, ameaçava a vitória de Alain Prost

1988 – Ayrton Senna inexplicavelmente bate no guard-rail quando tem 52 segundos de vantagem para Prost

 1992 –  Nas últimas três voltas, Senna e Mansell travam um duelo emocionante. Mansell tem problemas numa roda do seu carro, para no box e cede a primeira colocação a Ayrton Senna. Com esse resultado,  Senna iguala o recorde de Graham Hill, completando cinco vitórias em Mônaco, quatro delas consecutivas.

1996 – Só quatro carros cruzam a linha de chegada e Olivier Panis conquista sua primeira vitória  na F-1.O francês largou em 14º e venceu sem saber que havia vencido, depois de tantos abandonos

2000 – Apenas nove carros completam a prova. Depois de uma segunda largada, houve uma série de batidas na  Loews. Button e De la Rosa chocaram-se e a Arrows ficou atravessada na pista, impedindo a passagem de Zonta, Heidfeld, Villeneuve, Gene, Diniz e Mazzacane.
2004 – No início da corrida,  Takuma Sato, no BAR/Honda, passa em alta velocidade entre a Ferrari, de Schumacher, e a McLaren,  de Kimi Raikkonen, sob aplausos.  Nas 12 últimas voltas, Jarno Trulli e Jenson Button correm praticamente colados, mas Trulli acaba obtendo sua primeira vitória na F1. Button foi segundo e Rubens Barrichello, o terceiro. Fernando Alonso bateu no túnel, quando tentava ultrapassar Ralf Schumacher

2006 – Michael Schumacher .é acusado pelos adversários de parar deliberadamente o carro na penúltima curva, nos últimos segundos da classificação, prejudicando o tempo deles.

2007 – Hamilton assumiu a liderança por duas voltas, depois que Fernando Alonso, fez pit-stop, mas perdeu a posição e reclamou da equipe que o impediu de forçar o companheiro. Alonso, que fez.a pole, só deixou a liderança nessas duas voltas, fez a volta mais rápida e ganhou, com 4 segundo à frente de Hamilton.

2008 – Lewis Hamilton conquista sua primeira vitória em Mônaco, depois de, na 6ª volta, ter tocado com o pneu direito num muro, chegado ao boxe com a roda quase saindo Apesar e tudo isso, manteve-se entre os primeiros e acabou assumindo a liderança. Felipe Massa foi o pole position, mas rodou na largada, perdeu a posição para Robert Kubica e oir erros de estratégia da equipe na troca de pneus, teve de se contentar com o 3º lugar. Rubens Barrichello foi o 6] colocado e voltou a pontuar depois de jejum de 22 provas.

2009 – Jenson Button foi o pole e vencedor da corrida, tendo perdido a liderança por apenas uma volta (51ª), quando fez a única parada nos boxes. O piloto inglês completou o terceiro melhor início de temporada da historia da Fórmula 1, com 5 vitórias e um terceiro lugar, em 6 corridas. Antes dele, só Nigel Mansel, em 1992, e Michael Schumacher, em 1994, tinham conseguido esse feito, com 5 vitórias e um segundo lugar, também em seis corridas.

2010 – Mark Webber foi o primeiro piloto australiano a vencer em Mônaco, desde Jack Brabham, ganhador em 1959. A punição, coma perda de 20 segundos, aplicada a Michael Schumacher, por ter ultrapassado Alonso, com o carro de segurança, provocou grandes discussões, após a corrida. A Mercedes recorreu. A Fia manteve a decisão, mas admitiu que as regras sobre o caro de segurança não eram claras e precisariam ser mudadas.

2011 – O pole position Sebastian Vettel fez uma excelente largada e no final da primeira volta já estava 2s4 à frente de Jenson Button. Fernando Alonso, que aproveitou a má largada do australiano e assumiu o segundo lugar terminou a 1s138 do alemão e com mais de 2 segundos sobre Webber. Uma série de incidentes, envolvendo Hamilton, Sutil, Alguersuari e Petrov provocou o acionamento da bandeira vermelha na volta 72. Quase todos os pilotos aproveitaram para trocar pneus e fazer reparos nos carros, mas o tempo não foi suficiente para Hamilton recuperar o seu e ele chegou ao final praticamente se arrastando, em 9º lugar.

2012 – O circuito de Mônaco sofreu alterações para o GP de 2012, por causa do acidente sofrido por Sergio Pérez, no ano anterior, quando bateu na chicane Nouvelle. A pista foi rebaixada na entrada da chicane; a barreira em que Pérez bateu foi afastada por cerca de 15 metros e outras foram colocada nas curvas Sainte Devote e da Piscina; a saída da pit lane foi modificada e árvores foram removidas para facilitar a visibilidade dos pilotos. Com não acontece sempre, a corrida de 2012 aconteceu numa tarde de sol, com temperatura ambiente de 22 graus e de 35 na pista. Também como havia muito tempo não acontecia, Michael Schumacher fez a pole, mas não pode usufruir da posição. Por causa de batida em Bruno Senna, no GP anterior, na Espanha, perdeu 5 posições largou em 6º. Mark Webber, que herdou o primeiro lugar no grid, não desperdiçou a chance e ganhou a corrida.

2013 – Após conquistar três poles positions que não se confirmaram na corrida, finalmente Nico Rosberg conseguiu a primeira vitória da temporada, dominando de ponta a ponta o GP de Mônaco, no dia 26 de maio de 2013. Foi a sua segunda vitória na carreira e aconteceu exatamente 30 anos depois que seu pai, Keke Rosberg, foi o ganhador no mesmo circuito de Monte Carlo. O piloto da Mercedes fez uma corrida impecável, de paciência, impondo ritmo lento, poupando pneus e tirando proveito das várias entradas do safety car. E terminou à frente de Sebastian Vettel e de Mark Webber. Acorrida foi cheia de incidentes, acidentes e entradas do safety car na pista e durou mais de duas horas. O acidente mais grave aconteceu com o brasileiro Felipe Massa, no mesmo lugar onde ele batera na terceira sessão de treinos livres de sábado, a curva Saint Devote. A única diferença é que o primeiro foi causado por erro do piloto, mas o segundo à quebra da suspensão do carro. Sem poder participar da classificação, o brasileiro largou da penúltima posição do grid e durante a permanência na pista não avançou muito e, depois de 9 voltas, era apenas o 17º. Na 28ª das 78 voltas do percurso, Massa foi de encontro à barreira de proteção; cruzou a pista e se chocou contra o guard-rail. Apesar da violência da batida, o piloto saiu do carro, normalmente; visivelmente contrariado tirou e recolocou o volante, mas teve de ser atendido pela equipe médica e depois foi visto com um protetor no pescoço. Na 46ª volta, a corrida foi interrompida para que os fiscais tirassem da pista os detritos resultantes de um choque entre Pastor Maldonado e Max Chilton, depois de um erro do piloto da Marussia, que jogou o venezuelano para fora da curva da Tabacaria. A paralisação durou 25 minutos, durante os quais os pilotos chegaram a sair dos carros e muitos aproveitaram para um pit stop extra, com a troca de pneus no grid. Na relargada, Fernando Alonso teve de devolver a 6ª posição a Sergio Pérez, porque, antes da interrupção, tinha cortado a chicane para ultrapassar o mexicano.

2014 –  Nico Rosberg, da Mercedes, assumiu a liderança do campeonato da Fórmula 1 ao vencer, de ponta a ponta, o GP de Mônaco, com o tempo de 1h49m27s661, no dia 25 de maio de 2014. Foi a segunda vitória do piloto alemão no campeonato e segunda no circuito de rua de Monte Carlo, onde já tinha também feito a pole position e ganhado a corrida de 2013. Lewis Hamilton, também da Mercedes, com um problema de visão, devido à entrada de algo nos olhos, resistiu ao ataque de Daniel Ricciardo, da Red Bull, nas voltas finais, e chegou em segundo.  Depois de Ricciardo chegaram Fernando Alonso, Nico Hulkenberg e Jenson Button. O brasileiro Felipe Massa, que largou da 16ª posição, fez uma excelente corrida e cruzou a linha de chegada em 7º. Jules Bianchi garantiu à pequena Marussia os 2 primeiros pontos na temporada, o que pode significar à equipe benefícios proporcionados pela FIA da ordem de milhões de dólares. Bianchi chegou em 8º, mas por não ter cumprido punição na pista, foi rebaixado ao 9º lugar.

2015 – Um erro da equipe, que o chamou para o pit stop no momento errado, fez com que Lewis Hamilton entregasse a Nico Rosberg uma vitória que parecia certa no GP de Mônaco, no dia 24 de maio, na pista de Monte Carlo. O piloto inglês liderava a corrida com folga e tudo levava a crer que venceria tranquilamente, quando seus engenheiros, certos de que a vantagem lhe permitir a voltar na liderança, na volta 66, pediram que ele aproveitasse a presença do carro de segurança na pista e fizesse uma terceira parada, para colocação de pneus supermacios. A vantagem, contudo, não era o que eles imaginavam e, depois da parada, Hamilton voltou em terceiro lugar, atrás de Rosberg e Sebastian Vettel. O esforço do piloto inglês nas últimas oito voltas, na tentativa de, com pneus novos, recuperar a posição, foram inúteis e ele acabou mesmo atrás do companheiro de equipe e do rival da Ferrari. Nico Rosberg completou a corrida em 1h49m18s4290 e com a terceira vitória consecutiva em Mônaco igualou-se a Graham Hill, Alain Prost e Ayrton Senna, os únicos a conseguirem isso antes. Ainda na pista, quando pressentiu a vitória, Hamilton se revoltou com a equipe e, enquanto buscava alcançar Vettel e escapar da perseguição de Daniel Ricciardo, pediu que não falassem com ele. Depois, demorou a deixar o carro e andou lentamente até o local da entrega dos prêmios. E nas escadas do palácio do príncipe de Mônaco transformado em pódio, ele era o retrato da desilusão. De cara amarrada, cumprimentou rapidamente Rosberg (que também não foi muito efusivo) e a família do príncipe, mas não tomou nem jogou champagne em ninguém. Com a garrafa cheia, deixou o local também devagar e talvez tenha ido direto à garagem desabafar com a equipe.

2016 – A Red Bull fez um pit stop desastrado na 32ª da corrida e tirou de Daniel Ricciardo a chance de vencer o Grande Prêmio de Mônaco. Quando o piloto australiano que foi o pole position e liderava a prova parou para a sua segunda troca de pneus, a equipe não estava preparada e demorou demais e deu tempo a Lewis Hamilton de assumir o primeiro lugar. Com uma só parada e fazendo 47 voltas com os pneus ultramacios, que diziam não durar mais de 25, o piloto inglês resistiu à pressão de Ricciardo nas 46 voltas seguintes, cruzando a linha de chegada em primeiro lugar com o tempo de 1h59m29s133, a 7s252 do rival. Foi a 44ª vitória de Hamilton na carreira, a segunda em Mônaco (a 1ª foi em 2008) e a primeira na atual temporada. Sergio Perez, da Force India, depois de dois pit stops perfeitos, conquistou o seu 8º pódio, em 3º lugar, depois de resistir a forte pressão de Sebastian Vettel por mais de 40 voltas.

O circuito na visão de Nelson Piquet

“É um circuito terrível para qualquer piloto que não esteja em perfeitas condições físicas. São inúmeras curvas fechadas, muitas freadas fortes e acelerações. Mônaco faz a gente correr no limite do esforço físico. Em 87, quando cheguei em segundo, eu não estava bem. No fim da prova, mal conseguia erguer a taça de champagne. Por isso, quando termina a corrida só quero ir para a casa.”

Uma crônica nostálgica de Reginaldo Leme

 “A Montecarlo da época (anos 50) era outra. A quantidade e a altura dos prédios mudaram o panorama em torno do circuito. Mas só em torno. As ruas que compõem o circuito são exatamente as mesmas. Uma forte razão pra se percorrer essas ruas a pé, de preferência sozinho, e “entrar” um pouco nessa história. Acabei de fazer isso mais uma vez na vida, e sem me preocupar com o tempo da volta. Fiz até dois pit stops para um irresistível cafezinho. É um passeio cheio de lembranças das corridas que vi aqui. No túnel, Emerson disputou a vitória com Stewart na última volta em 73, e quase deu; na curva Tabac, Piquet perdeu uma corrida ganha, atrapalhado pelo retardatário Tambay, em 81; na saída da curva Mirabeau está aquele guard-rail que, em 88, recebeu o bico da McLaren de Senna.”