Espelho retrovisor

Em reunião em Paris, no dia 10 de outubro de 2018, o Conselho Mundial de Automobilismo aprovou novo regulamento sobre o espelho retorvidor, a entrar em vigor no campeonato de 2019. .

Durante a temporada de 2018, os pilotos reclamaram repetidamente que, sob certas condições, não podiam detectar um perseguidor pelo espelho retrovisor. Ou porque os espelhos tinham sido removidos, por questões aerodinâmicas, o que prejudicou a visão para a retaguarda. Ou por causa do rebaixamento, em 2017, da asa traseira para 80 cm de altura

Um exemplo disso, custou a Sebastian Vettel três lugares no grid do GP da Áustria. Ele dificultou Carlos Sainz, em sua volta rápida no Q2, porque não pode ver pelo espelho o Renault na subida, no final da reta de chegada. Essa foi a ocasião para a FIA reacender a discussão sobre a posição dos espelhos retrovisores. Da consulta às equipes, saiu um novo conjunto de regras, aprovado na reunião do Conselho Mundial da FIA em Paris.

A posição do espelho retrovisor é definida com muito mais precisão a partir de 2019. Até agora, o artigo 14.3. dos regulamentos técnicos tinha exatamente 3 subpontos e 9 linhas. Agora existem 7 parágrafos e 44 linhas. O tamanho do espelho permanece o mesmo: 15 centímetros de largura, 5 centímetros de altura. Mas a janela na qual eles podem ser instalados encolhe dramaticamente. Os engenheiros têm menos espaço para usar os espelhos como auxiliares aerodinâmicos.

Estas são as novas coordenadas para o centro geométrico do espelho:

  • 57,5 ​​cm a 70 cm à frente da chamada linha C-C. Isso designa a parede traseira do cockpit. Antes, o intervalo estava entre 55 e 75 centímetros antes da linha C-C.
  • entre 50 cm e 55 cm da linha central do veículo. Antes, era entre 25 e 50 centímetros.
  • de 64 cm a 68 cm acima do plano de referência. Antes não havia regra.

Conclusão: Os espelhos não podem ser montados muito para trás nem muito para frente. E eles estão ao nível dos olhos do motorista