Publicidade

DRS – Sistema de Redução e Arrasto

O DRS – Drag Reduction System ou Sistema de Redução de Arrasto – é um equipamento autorizado pela FIA para o campeonato da Fórmula 1, a partir de 2011, com o propósito de facilitar ultrapassagens, com a redução do arrasto aerodinâmico.


Na Ferrari 2013, o DRS é operado com os pés

Essa diminuição se dá com a abertura de uma aba superior vertical da asa traseira do carro, criando uma área de menor resistência ao ar.  Ao levantar a aba por 50 milímetros, o DRS reduz a pressão aerodinâmica e dá mais velocidade ao carro. Em alguns deles, o aumento pode ser de até 15 k/m. Em 2011, os carros da Mercedes ganhavam até 20k/m. Quando a aba volta à sua posição original, a 10 mm da asa, o carro recupera a carga aerodinâmica, para entrar na curva sem risco.

O uso do DRS deve obedecer a algumas regras estabelecidas pela FIA e pode ser acionado:

  • quando o carro está no máximo a 1 segundo do carro da frente.
  • em área de ultrapassagem fixada pela FIA, geralmente na reta mais longa da pista, com uma faixa branca indicando sua proximidade e seu início..
  • uma vez por volta, a partir da 3ª volta e duas voltas depois da saída do safety car
  • a qualquer momento, nos treinos livres e nas fases de classificação

O piloto que receber a informação de que, entre as linhas brancas que marcam o início do trecho de ultrapassagem, está a menos de um segundo do adversário à frente, receberá um sinal luminoso, autorizando-o a acionar o DRS.

Veja o DRS desativado:

KERS_01

Agora quando o piloto aciona o sistema:

KERS_02

Faz isso apertando um botão no volante ou movimentando uma alavanca, com a perna. Para desativar o sistema, o piloto aperta o mesmo botão ou pisa no freio. Em caso de avaria elétrica, as duas operações podem ser feitas acionando-se uma alavanca manual. Os carros da Mercedes, é usado um pedal, em vez de alavanca.

As melhores pistas para o uso do DRS são as de Spa, Suzuka e Silverstone. Em Spa-Francorchamps, no entanto, por questão de segurança, ele foi proibido na reta que antecede a Eau Rouge; muitos pilotos temiam que pudessem entrar na curva com o sistema acionado, o que seria perigoso.