Difusor, gerador de polêmica

O difusor é um equipamento aerodinâmico destinado a aumentar a downforce dos carros. A peça, feita em fibra de carbono e alumínio, localizada a 350 mm do eixo traseiro, é constituída de dois canais, um em cada lado do motor e da caixa de câmbio (à qual estão fixados), ocupando quase todos os espaços entre as rodas, e de uma parte central. Na sua parte dianteira, no centro do assoalho, um separador vertical distribui o ar para os dois lados e para debaixo do carro.

As formas e posições dos componentes do difusor são determinadas em testes no túnel de vento e merecem muito cuidado não só devido à sua localização numa área sensível do carro, mas também a necessidade de obediência ao regulamento sobre seu tamanho e altura do solo.

Como funciona um difusor?

Qual a função de um difusor?

A função do difusor é acelerar o ar absorvido por uma cadeia de túneis dos canais e direcioná-lo para a traseira do carro. A velocidade do ar nessa área, aumentada pela curvatura da porção final do assoalho, cria uma pressão negativa sob o carro e a pressão atmosférica sobre ele o empurra para baixo, aumentando sua aderência ao solo. Quanto maior a peça, maior a absorção do ar e, portanto, a downforce. Segundo os técnicos, o dispositivo gera mais de 50% de carga aerodinâmica, dando ao carro mais motricidade, capacidade de frenagem e velocidade nas curvas.

O regulamento técnico da FIA para 2009, nos parágrafos 1.21 e 1.30, definiam o tamanho dos difusores, que deveriam ter canais e a parte central da mesma altura e comprimento, dispostos linearmente, e especificava que eles deviam estar ligados ao fundo plano do carro, na linha do eixo traseiro. Porém, valendo-se de uma omissão do regulamento, em relação a áreas normalmente não usadas para colocação de difusores, algumas equipes criaram peças que, em tese, contrariariavam as normas, provocando polêmica e protestos das concorrentes.

A McLaren, Ferrari, Renault e BMW Sauber ativeram-se ao regulamento, criando difusores com canais e coluna central da mesma altura e comprimento e respeitando o limite de 175 mm de altura do solo.

A BGP, Williams e Toyota, porém, adotaram um equipamento maior, de “dois andares”, com os canais colocados sobre uma seção central em forma de U, de forma que atingiam a área normalmente não usada pelos difusores, ignorada pelo regulamento e, portanto, sem obrigatoriedade de obediência ao limite de 175 mm do solo.

Apesar dos protestos e recursos os equipamentos das três escuderias foram aprovados para a primeira corrida do ano, na Austrália, mas, no Regulamento para 2011, os difusores duplos foram proibidos, assim como o Duto Frontal, voltando-se aos simples, usados até 2008.

Difusor soprado