Publicidade

Baku

 

baku panoramica

Nome oficial

Baku City Circuit

Ficha Técnica

Pista

6,006 km

Curvas

20 (8 para a direita e 12 para a esquerda)

Retas

8 (dos boxes com 1,5 km)

Corrida

306,306 km

Voltas

51

Sentido

Anti-horário

Capacidade

30 mil pessoas

Vencedores

19-06-2016

Nico Rosberg

Mercedes

1h32m52s366

Características

 

Bakumapa2O Circuito da Cidade de Baku (Circuit City Baku ou Bakı Şəhər Halqası, na língua azeri) é uma pista de rua da cidade de Baku, capital do Azerbaijão, introduzida no calendário de 2016 da Fórmula 1, para a disputa do Grande Prêmio da Europa.

O circuito urbano é definido como tão estreito quanto o de Mônaco; com retas tão rápidas como as de Montreal e com quase tantas curvas quanto o de Cingapura. O traçado de 6.006 metros só é menor do que o de Spa-Francorchamps, na Bélgica (7.004) e, com 20 curvas, só perde para Cingapura (23) e Abu Dhabi (21). O pit lane, de 2,2 km, é duas vezes maior do que o de Monza. A maior característica do circuito, porém, é a largura da pista, que em alguns pontos é de 13 metros e entre as curvas 8 e 12, ao longo da Cidade Velha, é de apenas de 7,6 metros, apesar de o regulamento da FIA exigir uma mínimo de 12 metros.

A linha de chegada e partida em Baku está localizada na Praça Azadlik, um dos principais pontos turísticos da cidade, onde estão localizados também o paddock e as garagens das equipes. No final da enorme reta dos boxes, as velocidades devem chegar a 340 km/h e a velocidade média da corrida deverá ser de 211 km/h.  O alemão Herman Tilke, que desenhou os circuitos da Áustria, Malásia, Bahrein, China, Cingapura, Rússia, Valência, Abu Dhabi e dos Estados Unidos e é o responsável pelo traçado de Baku, diz que há retas com bastante espaço para ultrapassagens.

BakuMediaCenterInfoVid_2

O circuito enlaça o centro e a duas vistas mais pitorescas de Baku e na definição da rota para a corrida, os organizadores exigiram que fosse enfatizada a vista panorâmica da cidade.

Desde a largada, surge uma bela vista. De um lado, há a Casa do Governo, localizada atrás do paddock, e do outro a costa do Mar Cáspio, que se estende pela Baku Boulevard. Depois da curva de 90 graus, no final desse trecho, os pilotos vão correr por 300m pela rua com o nome do famoso poeta russo A. S. Pushkin.

Depois da segunda curva, eles vão passar por uma segunda reta ao lado da Khagani Street, antes de chegar a uma curva acentuada, a mil metros, Após a terceira curva, os carros devem virar à esquerda, para a Bulbul Avenue. Depois de seguir em linha reta por 240 m, terão de enfrentar outra curva de 90 graus, à direita. No lado esquerdo dessa pequena reta está o pitoresco Jardim Sahil. Em seguida, eles entram na rua Zarifa Aliyeva e negociam a passagem por outra pequena curva, antes de chegar nas 5 e 6, quando entram no trecho da “via dupla” do circuito, em frente à Neftchiler Avenue.

Esta parte de Baku se assemelha as outras cidades europeias à beira-mar, como Barcelona e Nice. Há uma série de lojas, restaurantes e cafés, bem como modernos centros comerciais e um belo passeio pelo litoral. Vários arquibancadas serão colocadas ao longo dessa parte do circuito.

Em seguida, os pilotos chegarão à Cidade Velha, a Icheri Sheher, e vão dirigir ao longo das muralhas da fortaleza ao lado da rua Aziz Aliyev. Os carros passarão por ruas estreitas, onde, entre as curvas 8 e 12, a largura é de 7.6 metros. A parte mais desafiadora da pista vem após a curva 8 e vai enfatizar alguns dos marcos arquitetônicos mais históricos da cidade. A pista se estreita significativamente e os pilotos terão de empregar toda sua habilidade e experiência para vencer esse trecho sem problemas.

A pista passa, então, por uma área protegida pela UNESCO, com as portas da Cidade Velha no lado esquerdo e edifícios residenciais à direita. Uma camada temporária de asfalto especial foi colocada sobre as ruas de pedras para permitir que se possa correr ali. Uma camada temporária semelhante também foi colocada na volta 15.

Da curva 12 até 15, os carros seguem por uma parte mais moderna da cidade, onde se podem ver vários edifícios projetados no estilo nacional. Nas curvas 13 e 14, de ângulo bastante fechado, terão de trabalhar bem os freios para não terem problema.

Após a curva 15, eles vão guiar ao lado da Academia Nacional de Ciências e, em seguida, em direção à Azerbaijão State Philharmonic Hall, que recebeu o nome do cantor Muslim Magomayev, nascido em Baku, em 1942 e falecido em 2008, que tinha nacionalidade soviética e era chamado de “Rei da Canção” e “Sinatra soviético”. A instalação chama-se, agora, Magomayev State Philharmonic Hall. Após a curva 15, há um trecho em declive acentuado, com bela vista panorâmica do Mar Cáspio, mas que desafia as habilidades dos pilotos mais uma vez. Uma vez ultrapassada a curva 16, os pilotos vão novamente acelerar em direção à Avenida Neftchiler e, num percurso de 2,2 km, passam pela estrutura defesa da cidade, a Torre Nova, na curva 18. Depois da 19, eles percorrem uma reta curta, contornam a curva 20 e entram na grande reta de 1.500 metros, da linha de largada/chegada.

Azad Rahimov, ministro da Juventude e Desporto do Azerbaijão, disse que fez um briefing “simples” a Tilke, pedindo “apenas” que ele criasse uma pista única, para ajudar o GP de Baku a se tornar rapidamente um dos mais emocionantes do calendário da F1, que agradasse tanto as equipes quanto os fãs.

“O mais importante, queríamos uma pista que mostrasse o melhor de Baku, a capital, e estou muito contente porque o circuito por onde vão passar as equipes da F1 alcançou exatamente esse objetivo.”

Tilke afirma ter criado um circuito desafiador, em termos de engenharia e design, no ambiente urbano muito atraente de Baku e sua grande combinação de história e estilo do século 21. O centro histórico da cidade, a bela avenida à beira-mar e a casa do governo impressionante se combinam para oferecer o cenário perfeito para uma nova pista espetacular, segundo o engenheiro.

“Circuitos de rua, obviamente apresentam uma série de desafios em termos de design, mas fomos capazes de incorporar algumas características únicas que irão proporcionar as equipes e fãs uma corrida fascinante. Haverá, por exemplo, um trecho de subida extremamente estreita no muro antigo da cidade que vai premiar precisão e coragem, e temos um percurso de aceleração de quase 2,2 km ao longo da avenida que vai ver os carros rodando a todo vapor em alta aceleração, algo que irá criar um espetáculo incrível para os fãs de corridas na pista e os espectadores em casa”, garante Tilk.

O piloto Fernando Alonso concorda com Rahimov e Tilke. Em declaração distribuída pela McLaren, dias antes da primeira corrida em Baku, confessou:

“O desenho do circuito é um impressionante híbrido entre o zumbido de um circuito urbano, com suas ruas estreitas e sua luta carro a carro, e uma pista mais tradicional, em que se alcançam altas velocidades e há boas opções de ultrapassagens. Já rodei nesta pista no simulador e há muitas coisas que fazem com que seja única, como o muro medieval, ao lado de um asfalto colocado recentemente, curvas em sentido contrário ao ponteiro do relógio, zonas de escape mínimas. Tudo parece indicar os ingredientes necessários para dar espetáculo e oferecer uma corrida emocionante”.

História

2016 –  Nico Rosberg, da Mercedes, com uma parada só e pneus macios, venceu de ponta a ponta o GP da Europa, que inaugurou o circuito de rua de Baku, no Azerbaijão, no dia 20 de junho de 2016. O piloto alemão completou o percurso de 51 voltas em 1h32m52s366, com 16s696 de vantagem sobre o segundo colocado, Sebastian Vettel, da Ferrari, e fez o hat trick, com a pole position, a vitória e a volta mais rápida de 1m46s485, na 48. Ao contrário do que se previa, principalmente depois das confusões nas provas de categorias inferiores, a corrida foi tranquila, sem incidentes e carro de segurança. Os abandonos de Fernando Alonso, Daniil Kvyat, Carlos Sainz e Pascal Wehrlein foram causados por problemas no carro, sem interferir no ritmo da corrida.

Baku

Baku é a capital e a maior cidade do Azerbaijão, da região do Mar Cáspio e do Cáucaso. Está localizada na costa sul da península de Absheron, 28 metros abaixo do nível do mar, e tem 3 milhões de habitantes. Fica no lado leste do Azerbaijão e está rodeada pelo mar Cáspio, o maior lago do mundo.

Talvez uma das características mais originais de Baku seja ser a primeira cidade europeia onde o sol nasce. A pitoresca cidade é construída sobre uma colina alta e forma um anfiteatro que desce para a Baku Bay. É muitas vezes comparada a San Francisco ou Nápoles.

A cidade é o centro científico, cultural e industrial do Azerbaijão e muitas grandes instituições nacionais têm sua sede lá. Baku também se tornou local de eventos internacionais, como o Festival Eurovisão da Canção de 2012 e os Jogos Europeus de 2915. Em 2020, vai ser sede da Euro de Futebol.

A capital do Azerbaijão é um importante destino turístico do Cáucaso, com a presença de várias cadeias internacionais de hotéis. Entre as suas atrações turísticas e locais populares tem o Fountains Square, a Praia das Mil e Uma Noites, a Praia Shikhov e as Rochas de Petróleo. Tem o mastro da Praça da Bandeira Nacional, que, com 162 metros, era o mais alto do mundo, até ser superado, em 3 cm, por outro de Dushanbe, do Tajiquistão.

Baku é famosa por seus ventos fortes e por isso chamada de “Cidade dos Ventos”, incluída entre as 48 mais caras do mundo.

Azerbaijão

O Azerbaijão é um país da Ásia Ocidental, com um território de 86.600 km² e população de cerca de 9.165 milhões de habitantes. Está localizado no Caucáso, na Eurásia, cruzamento do Leste Europeu e o Sudoeste Asiático, e tem fronteiras com a Armênia a oeste; a Rússia e a Geórgia ao norte; o Mar Cáspio a leste e Irã, ao sul. A língua oficial é o azeri, mas a língua russa também é bastante difundida, principalmente em Baku. A maioria dos habitantes do país, 93,4%, segue a religião muçulmana e o restante divide-se entre cristãos da igreja ortodoxa russa e da igreja apostólica armênia.

A formação do estado Azerbaijão ocorreu em 1135. Em 28 de maio de 1918, a República Democrática do Azerbaijão tornou-se primeira república democrática e secular no mundo muçulmano, fundada pelo Conselho Nacional do Azerbaijão, em Tills, após o colapso do Império Russo, que começou com aRevolução Russa de 1917. Nessa época tinha uma população de 2 milhões de pessoas e Ganja era a sua capital provisória, porque Baku estava sob controle bolchevique. A 28 de abril de 1920, o Azerbaijão integrou-se à União Soviética, como República Socialista Soviética do Azerbaijão e, em 30 de agosto de 1991, se declarou independente.

O Azerbaijão foi o primeiro país muçulmano a conceder às mulheres direitos políticos iguais aos dos homens. A nação tem umÍndice de Desenvolvimento Humano (IDH) comparável ao de vários países do Leste Europeu e a região também apresenta altos níveis de desenvolvimento econômico e de alfabetização, além de baixo nível de desemprego; . No entanto, a corrupção é bastante difundida, especialmente no serviço público.  O partido dominante, Partido do Novo |Azerbaijão, já foi acusado de autoritarismo e abuso de direitos humanos.

GP da Europa

O Grande Prêmio da Europa leva esse nome por que na maioria das vezes teve como locais circuitos que já tinham prova da Fórmula 1. Foi disputado inicialmente de 1983 a 1985, voltou em 1993 e se realizou pela última vez em 2012. Em 1998, foi corrido no circuito alemão de Nurburgring, mas com o nome de GP de Luxemburgo.

Os seus vencedores foram: Michael Schumacher (1994,1995, 2000, 2001,2004 e 2006); Fernando Alonso (2005,2007,2012); Rubens Barrichello (2002,2009), Sebastian Vettel (2010,2011); Nelson Piquet (1983); Alain Prost (1984); Nigel Mansell (11985); Ayrton Senna (1983); Jacques Villeneuve (1996); Mika Hakkinen (1987); Johnny Herbert (1989); Ralf Schumacher (2003); Felipe Massa (2008).

Os ganhadores, por ano, equipe e circuito:

 

Ano

Piloto

Equipe

Local

2012

Fernando Alonso Ferrari Valência

2011

Sebastian Vettel Red Bull-Renault Valência

2010

 Sebastian Vettel Red Bull-Renault Valência

2009

 Rubens Barrichello Brawn-Mercedes Valência

2008

 Felipe Massa Ferrari Valência

2007

 Fernando Alonso McLaren-Mercedes Nürburgring

2006

Michael Schumacher Ferrari Nürburgring

2005

 Fernando Alonso Renault Nürburgring

2004

 Michael Schumacher Ferrari Nürburgring

2003

Ralf Schumacher Williams-BMW Nürburgring

2002

 Rubens Barrichello Ferrari Nürburgring

2001

 Michael Schumacher Ferrari Nürburgring

2000

 Michael Schumacher Ferrari Nürburgring

1999

Johnny Herbert Stewart-Ford Nürburgring

1997

 Mika Häkkinen McLaren-Mercedes Jerez

1996

 Jacques Villeneuve Williams-Renault Nürburgring

1995

 Michael Schumacher Benetton-Renault Nürburgring

1994

 Michael Schumacher Benetton-Ford Jerez

1993

 Ayrton Senna McLaren-Ford Donington

1985

 Nigel Mansell Williams-Honda Brands Hatch

1984

 Alain Prost McLaren-TAG Nürburgring

1983

 Nelson Piquet Brabham-BMW Brands Hatch