Publicidade

Takuma Sato

Perfil

Nome Takuma Sato (Taku)
País Japão
Nascimento: 28 de janeiro de 1977
Local: Tóquio
Altura: 1,64
Peso: 59nkg
Residência Mônaco
Estado civil: Casado, com uma filha, nascida no dia 1º de outubro de 2008
Hobbies: Ciclismo e comer

Desempenho

Estréia na F1 03 de março de 2002, no GP da Austrália,
Equipes Jordan (02), BAR (02-05) e Super Aguri (06-08)
GPs: 87
Vitórias: 0
Pódios 1 (3º no GP dos EUA 2004)
Poles: 0
Pontos: 44
Volta mais rápida 0
Abandonos 7

Carreira

2008

Só disputou os 4 primeiros GPs do campeonato, devido à falência da Super Aguri

2007

17º no campeonato da F1, com 4 pontos, pela Super Aguri

2006

23º no campeonato da F1, pela Super Aguri, sem marcar ponto

2005

23º no campeonato da F1, com 1 ponto

2004

8º no campeonato da F1, com 34 pontos, pela BAR. Conquista o 1º  pódio com 3º lugar no GP dos EUA

2003

Começa o ano como piloto de testes e disputa o GP do Japão,  no lugar de Jacques Villeneuve, sendo 6º  colocado.

2002

Disputa o campeonato da F1 pela Jordan;  termina em 15º lugar, com 2 pontos

2001

Campeão da Fórmula 3 britânica, com 12 vitórias; piloto de testes da BAR

2000

3º na Fórmula 3 inglesa, com 4 vitórias

1999

6º no Campeonato Europeu da Fórmula Opel, com vitória na corrida de abertura, em Donington; transfere-se para a F3 inglesa; vence uma prova do festival de Macau

1998

Disputa o campeonato da Fórmula Vauxhall Júnior e passa à Fórmula Opel

1997

Campeão japonês de kart

História

Em 1996, Takuma Sato era apenas um ciclista de competição que sonhava transformar sua bicicleta numa poderosa máquina de corrida. Em busca de seu sonho, juntou todo o seu  dinheiro, comprou um kart e, em 1977, entrou na escola de corridas da Honda, em Suzuka.  No final do ano, dispensou uma bolsa para disputar o campeonato da Fórmula 3 japonesa do ano seguinte, preferindo ir para a Inglaterra, disputar campeonatos de fórmula britânicos.

Embora tenha chegado já com a temporada em andamento, participou de várias corridas da Fórmula Vauxhall Júnior, com a Diamond Racing, e no final do ano foi promovido à Fórmula Opel européia.

Em 1999, disputou a sua primeira temporada completa, sendo 6º colocado na Fórmula Opel. Participou também das últimas provas do ano do campeonato da classe B da Fórmula 3 britânica, e ainda ganhou a prova para AF200 do festival do GP de Macau. .

Em 2000, Sato se integrou à Carlin Motorsport  para disputar a classe A da F3 britânica . Venceu 5 corridas e conquistou o 3º lugar no campeonato. As suas performances começaram a ser notadas e, em dezembro, foi chamado para testes na Jordan e na BAR, que o contratou como piloto de testes para o anos seguinte.

Em 2001, enquanto fazia os testes para a BAR, Takuma Sato disputou o campeonato da Fórmula 3 inglesa, quebrando o recorde de vitórias. Foi o primeiro em 12 das 13 corridas. Venceu também a Marlboro Masters da F3, em Zandvoort, e a corrida internacional que antecedeu o GP da Grã Bretanha.

Em outubro, a Jaguar anunciou contratação dele para a disputa do campeonato da F1, de 2002  e Sato encerrou a carreira na F3 com vitória no GP de Macau, em novembro de 2001, depois de ser o primeiro nos dois treinos de classificação.

A estréia na F1 não foi nada animadora. Na primeira corrida, na Austrália, Sato bateu no seu companheiro de equipe, Giancarlo Fisichella, e ganhou fama de desastrado que o acompanharia pelo resto do campeonato. Essa imagem foi reforçada com a cena engraçada de Takuma correndo para pegar o carro reserva, em Montreal. Apesar da fama, Takuma não teve culpa no acidente que o tirou da corrida da Áustria. Foi Nick Heidfeld quem jogou seu carro contra o do japonês.

Depois de um ano de maus resultados e sete abandonos, o 5º lugar obtido em Suzuka não bastou para que Takuma continuasse na Jordan. No final da temporada de 2002 ele foi dispensado e voltou a ser piloto de testes da BAR.

O projeto da equipe de tornar Sato piloto titular em 2004 foi antecipado para o fim de 2003. Com a demissão de Jacques Villeneuve, Takuma Sato fez sua reestréia nas pistas no GP do Japão, em Suzuka, com um resultado excepcional, em se tratando dele. Largou na 13ª posição e terminou em 6º lugar.

Na temporada de 2004, Takuma Sato (ou simplesmente Taku, como é chamado pelos amigos) teve um desempenho  animador, que só não foi melhor devido à fragilidade do motor da Super  Aguri, principalmente nas primeiras 10 corridas. Em cinco dessas corridas (Malásia, Mônaco, Nurburgring, Canadá e França) não chegou ao final por quebrado motor. Na Malásia só apareceu em 15º e último,  entre os classificados, embora sem tempo, porque quando o motor quebrou, na 56ª volta, ele tinha completado maia de 90% do percurso. Em Nurburgring, no GP da Europa, foi o primeiro japonês a sair na primeira fila, ocupando a segundo aposição, atrás de Michael Schumacher. Depois de sua terceira parada nos boxes, na primeira curva, ao tentar recuperar a posição perdida para Rubens Barrichello, foi acertado pelo brasileiro e teve de ir para os boxes.  Ao voltar para a pista, o motor quebrou e ele teve de abandonar.

Nas outras corridas da primeira metade da temporada, Sato até teve bons resultados. Começou com um 9º lugar na Austrália. Caiu para 15º na Malásia, por ter rodada durante a classificação e largado na 20ª posição. Pulou para o 5º lugar no Bahrein, apesar de ter perdido tempo com a troca do nariz do carro, quebrado na passagem pela zebra. .Na Espanha, largou na 3ª posição e chegou em 5º.

Depois de três abandonos consecutivos, em Mônaco, Nurburgring e Canadá, finalmente, Takuma Sato conseguiu o melhor resultado de sua carreira, até então.  No GP dos Estados Unidos, chegou no 3º lugar, tornando-se o primeiro japonês a subir ao pódio, depois de Aguri Suzuki, em 1990, no GP do Japão, em Suzuka. Ele largou em 3º e perdeu uma posição para Fernando Alonso na largada e várias outras durante os pit stops. Depois, porém, no seu estilo agressivo, fez cinco ultrapassagens, em manobras arrojadas, mas arriscadas, que ajudaram a aumentar  a sua fama de piloto atabalhoado e imprevisível.

Nas oito corridas da segunda metade do campeonato, só em duas Takuma não terminou na zona de pontuação. ,Na Inglaterra, foi um  dos “to 10”, largando em 8º, mas acabou na 11ª colocação. Na Bélgica, envolveu-se num incidente com mais três carros e saiu da corrida logo na primeira curva. Nas demais corridas, foi 8º na Alemanha; 6º na Hungria, China e Brasil e 4º na Itália e no Brasil. Terminou o campeonato na 8ª colocação, com  34 pontos, enquanto seu companheiro de equipe, Jenson Button,  ocupava o 3º lugar, com 85 pontos.

 

Apesar da disparidade de desempenho entre os dois pilotos que usavam o mesmo motor Honda, provavelmente por imposição da fábrica japonesa e visando o mercado do seu país, Takuma Sato foi mantido pela BAR para a temporada de 2005. Arrependeu-se da decisão, tanto é que no final da temporada dispensou o piloto japonês e contratou o brasileiro Rubens Barrichello para o campeonato de 2006. Durante todo o calendário de 2005, Takuma Sato fez apenas um ponto, com o 8º lugar no GP da Hungria.

 

Além de não conseguir boas colocações, em grande parte pela má performance do motor Honda RA005E 3.0 V10, que equipava o seu 007, o piloto teve a má sorte de, juntamente com Jenson Button, ter sido desclassificado da corrida de San Marino e punido com a suspensão por dois GPs, porque o carro do piloto inglês estava com peso abaixo do limite. Além disso, Sato não completou quatro corridas; foi desclassificado em mais uma e não se classificou em outra.

Diante dessa performance, e quando se pensava que a carreira de Takuma Sato na Fórmula 1 estava encerrada. Foi uma surpresa a sua contratação pela Super Aguri. Certamente, mais uma vez, deve ter havido influência da Honda, que fornecia à nova equipe japonês ao seu motor RA806E.

Na  temporada de 2006, Takuma Sato conseguiu se superar e foi ainda pior do que no ano anterior. Não só não conseguiu marcar nenhum ponto como se envolveu em várias trapalhadas.  Em 2007, Takuma Sato teve apenas dois bons momentos durante toda a temporada. O primeiro foi na Espanha, onde foi o 8º colocado, dando o primeiro ponto à Super Aguri.  O outro foi no Canadá, quando largou na 11ª posição; logo no início ultrapassou Kimi Raikkonen, Ralf Schumacher e Fernando Alonso, caiu para o 11º lugar, por um erro no pit stop e.nas 15 últimas voltas recuperou 5 posições, para garantir um surpreendente 6º lugar. Esses foram os únicos 4 pontos que ele obteve em toda a temporada, terminando o campeonato no 17º lugar.

O campeonato de 2008 acabou logo para Takuma Sato. Depois dos quatro primeiros GPs (Austrália, Malásia, Bahrein e Espanha),  a Super Aguri faliu e ele ficou sem carro para terminar a temporada. No fim do ano, porém, voltou a ter esperança de continuar na Fórmula 1, com  convite da Toro Rosso para testes em Barcelona.