Stirling Moss

Nome

Stirling Craufurd Moss

Nascimento

16 de setembro de 1929

Local

West Kensigtion – Londres

Equipes

Mercedes-Benz, Maseratti, Vanwall, Rob Walker, Lotus

Estreia

GP da Suíça de 1951

1ª vitória

GP da Inglaterra de 1955

Última vitória

GP da Alemanha de 1961

Última corrida

GP dos Estados Unidos e 1961

Largadas

66

Pontos

185

Vitória

16

Pódios

24

Poles

16

Voltas+rápidas

19

4ªs lugares

3

6ºs lugares

2

Não qualificado

25

Acidentes

7

Stirling Moss nasceu na Inglaterra, em 17 de setembro de  1929 e custou a decidir-se pelo automobilismo. Inicialmente pilotava carros Austin, Morgan, MG e BMW. Ao se sentir mais seguro adquiriu um Cooper JAP de F3, apresentando-se para participar do Circuito de Garda, na Itália, em 1949. Moss teve ótimo resultado classificando-se em 3º . lugar, atrás das Ferraris, de Villoresi e Tadini.

Pilotos de sua geração avançavam rapidamente, enquanto Moss não se atirava. De 50 a 54 classificou-se apenas em 2º . lugar nas 24 Horas de Le Mans. Seus carros não eram potentes e nem competitivos. Ainda em 54, venceu as 12 Horas de Sebring, pilotando um OSCA. Nesse mesmo ano, participou da F1 com um Maserati, já demonstrando potencialidade. No GP da Itália, somente no final é que foi ultrapassado por Fangio. Foi quando a Mercedes o contratou para 2º . piloto.

Na Mille Miglia de 55, pelo Mundial de Marcas, ficou atrás de Fangio e classificou-se em 2º . lugar. Nas provas de Marcas,  Moss sai-se melhor, vencendo o Tourist Trophy e a Targa Florio. No final da temporada, foi vice-campeão mundial da F1.

Em 56, a Mercedes saiu das competições; Moss foi para a Maserati e Fangio para a Ferrari. No final do ano, na F1, pela quarta vez Fangio foi o campeão e Moss o vice. No mesmo ano, Moss venceu os 1000 Quilometros de Buenos Aires e os 1000 Quilometros de Nurburgring,  pelo Mundial de Marcas.

Em 57, Moss passou a pilotar o Vanwall, com novos conceitos de construção e aerodinâmica. Fangio ocupou o primeiro lugar da F1, pela 5º. vez e Moss classificou-se em 2º . pela terceira vez. No Mundial de Marcas, venceu apenas a prova da Suécia.

Moss começou muito bem a temporada de 58 e, com a saída de Fangio das pistas era o favorito. Mas acabou perdendo o título pela diferença de um ponto para Mike Hawthorn. Pela 4ª  vez ele se tornou vice-campeão da  F1.

No ano seguinte, com o Cooper-Climax , venceu os GPs de Portugal e da Itália, mas no final da temporada classificou-se em terceiro lugar. No Mundial de Marcas continuou a competir pela Astor Martin, vencendo as provas de Nurburgring e Tourist Trophy.

Pela segunda vez, em 1960, Moss venceu o GP de Mônaco, que marcou a primeira vitória da Lotus num GP válido pelo Campeonato de F1. No GP seguinte, o da Holanda, era mais uma vez o favorito. Mas durante a disputa, uma pedra projetada pela Cooper de Brabham despedaçou um dos pneus do Lotus e Moss teve que parar para trocá-lo. Furioso, bateu várias vezes o recorde da pista mas terminou em quarto lugar .

No GP da Bélgica, Moss sofreu um acidente, quebrando as duas pernas e o nariz, o que o fez ficar em convalescença até o GP de Portugal. Retornou e ainda venceu o GP dos EUA, conseguindo classificar-se novamente em terceiro lugar. No Mundial de Marcas, o piloto inglês obteve a 4ª . vitória em Nurburgring, com a Maserati. No ano seguinte, pela terceira vez, ocupou o 3º . lugar na F1.

Em abril de 62, em Goodwood, seu carro saiu da pista a 170 km/h e foi de encontro a uma encosta de terra. O piloto perdeu temporariamente a memória e abandonou definitivamente as corridas.

Nas suas 11 temporadas na Fórmula 1, Moss particpou de 66 Grandes Prêmios, obtendo 16 vitórias ci co segundos, 3 terceiros, três quartos, dois quintos e um sexto lugares. Fez 16 poles e 19 voltas mais rápidas e somou 186,64 pontos.