Publicidade

Sebastien Buemi

Perfil

Nome

Sébastien Buemi

País

Suíça

Nascimento:

31 de outubro de 1988

Local

Aigle

Altura:

1,76

Peso:

63 kg

Residência:

Manama (Bahrein)

Estado civil:

solteiro

Preferências:

Hobbies:

Música, tênis, futebol e ciclismo

Web site:

Desempenho na GP2

Estréia

2008

Equipe

Trust Team Arden

Largadas

Ásia – 9 (10)

Europa – 19 (20)

Vitórias:

Ásia – 1

Europa – 2

Pódios

Ásia – 5

Europa – 5

Pontos:

Ásia – 37

Europa – 50

Desempenho na F1

Estreia

GP da Austrália

18/03/2009

Última corrida

GP do Brasil

24/11/2011

Corridas

55

Títulos

0

Vitórias

0

Pódios

0

Poles

0

Voltas + rápidas

0

Pontos

29

Carreira

Ano Categoria Equipe Corridas Vitórias Poles Voltas Pódios Pontos Posição
2011 Fórmula 1 Toro Rosso

19

15

15º

2010 Fórmula 1 Toro Rosso

19

8

16º

2009 Fórmula 1 Toro Rosso

17

6

16º

2008 Fórmula 1 Red Bull

Piloto de testes

GP2 Red Bull

19

2

5

50

GP2 Asia Arden

10

1

1

5

37

2007 GP de Macau Raikkonen

1

11º

GP2 ART GP

11

3

6

21º

F2 Euroséries ASL

20

3

2

4

13

95

2006/07 A1 GP 12

1

50

2006 GP de Macau Carlin

1

Renault Euro Motopark

6

1

1

33

11º

F2 Renault

8

2

1

1

6

172

F3 Masters ASL

1

1

F3 Euroséries

20

1

6

3

31

12º

2005 F3 Espanha Engineering

1

N/C

F. BMW Jr. ADAC 

1

1

F.BMW

20

7

7

12

16

282

2004 F BMW Kaufmann

20

2

2

10

188

2003 Campeão do Aberto da Itália de kart; 4º do Campeonato Europeu em Lyon
2002 Campeão suíço júnior e europeu júnior e vice-campeão do Aberto da Itália de kart
2001 Vice-campeão suíço júnior
2000 Campeão suíço de Supermini de kart
1999 Campão suíço de mini kart
1998  Campeão suíço de mini kart
1997 Estreia no campeonato suíço de kart
1994 Começa a correr de kart

História

Sébastien Buemi tem uma carreira meteórica no automobilismo. Somente quatro anos depois de começar a correr em monoposto, chega à categoria principal, sendo o 22º piloto suíço a entrar para a Fórmula 1 e o primeiro depois de Jean-Denis Déletraz, que disputou três GPs em 1995. É também o primeiro piloto oriundo do programa de jovens pilotos da Red Bull, co-irmã da Toro Rosso, pela qual disputa o campeonato de 2009.

Buemi, que nasceu em Aigle, a 31 de outubro de 1988, começou a correr na garagem de casa, com pouco mais de cinco anos, com um kart ganhado pai como presente de Natal,  ao lado da prima Natacha Gachnang, que viria a ser a primeira mulher confirmada para o campeonato da GP 2 de 2009.  Aos 7 anos começou a competir nos campeonatos oficiais de kart da Suíça, primeiro na categoria min, depois na Super-Mini, Júnior e principal. Foi campeão suíço da mini em 1998 e 1999; campeão suíço da Super-mini, em 2000; vice-campeão júniorde  2001;  campeão suíço e europeu júnior em 2002; campeão do Aberto da Itália e 4º no campeonato europeu de 2003.

Em 2004,  passou para a Fórmula BMW ADAC Júnior, a única que aceita pilotos a partir dos 15 anos de idade, e na primeira temporada foi o 3º colocado. Em março e abril de 2005, fez uma série de testes em Hockenheim, Spa-Francorchamps, Oscherleben, Lausitzring e Nuerburging, nos quais foi sempre 1º ou 2º. No dia 16 de abril de 2005 disputou sua primeira corrida oficial da Fórmula BMW ADAC, em Hockenheim,  obtendo a segunda colocação. Em seguida, com 5 vitórias; 4 segundos; 3 terceiros e 2 quintos lugares, e 7 poles position, foi vice-campeão da categoria. Em dezembro desse ano, entre os dias 12 e 16,  disputou a final mundial no Bahrein, sendo segundo colocado.

Em 2006, Sébastien Buemi ingressou na Fórmula 3, disputando a Eurosérie pela Mueke Motorsport, com carro Renault e motor Mercedes. Em provas intercaladas, disputou também a Fórmula Renault 2.0 NEC. Na Fórmula 3, foi o 11º colocado, com 1 vitória, 1 segundo e 2 terceiros lugares e cinco voltas mais rápidas.  Na Fórmula Renault, foi 7º colocado, com 3 vitórias e 3 segudnos ougares, em 11 corridas. Ainda em 2006, Buemi foi 3º coloado no Masters de Zandvoort, na Holanda;  disputou, pela Suíça, 2 etapas da A1 GP, sendo 10º e 8º, em Zandvoort, e 8º e 10º em Brno., na República Checa, e, pela equipe Carlin,  foi 4º colocado no GP de Macau da Fórmula 3.

No início de 2007, Sebastien Buemi disputou três etapas da A1 GP, pela Suíça. Em 21 de janeiro, na Nova Zlerância, foi 5º na prova de velocidade (spint) e 4º na prova principal. No dia 4 abril, em Sidney, na Austráia, foi 4º e 7º, respetivamente e a 15 de abril, em Shangai, foi 4º e 9º. Terminou a competição em 8º na classificação geral. Na Fórmula 3, em 20 corridas, de abril a outubro, Buemi  conseguiu 3 vitórias, 5 segundos lugares, 5 terceiros, e 2 poles, conquistando o vice-campeonato. Durante a temporada de 2007, Buemi ainda substituiu Michael Ammermulller, da ART Grand Prix, no GP de Mônaco, da GP2, largando na 4ª posição e chegando em 7º.  No GP de Macau, da Fórmula 3, foi 11º colocado.

No dia 18 de setembro de 2007, Buenmi fez testes em Jerez de la Frontera, com o RB3 da Red Bull, só ficando atrás de Timo Glock e Vitantonio Liuzzi e obtendo a Super Licença da FIA.

Em 2008,  depois de ser confirmado como piloto de testes pela Red Bull, no dia 18 de janeiro, Sèbastian Buemi fez o vestibular para a Fórmula 1. Transferiu-se para a equipe Trust Team Arden Internacional, para disputar a GP2, categoria de acesso à fórmula principal do automobilismo mundial.

A GP2 tem duas séries. Uma é a GP2 Asia, com 5 etapas, num total de 10 GPs, disputada de circuitos asiáticos, de janeiro a abril. A outra é a GP2 Euroséries, com 20 corridas, disputadas em circuitos europeus. Duas etapas asiáticas servem como preliminares dos GPs da Malásia e do Bahrein, da Fórmula 1. A GP2 Euroséries coincide com os GPs europeus.

Em cada etapa das duas séries, na sexta-feira há uma sessão de treinos livres  e outra de classificação, de 30 minuitos cada uma. O treino de classificação define o grid para a corrida de sábado, com 180 quilômetros. Na corrida de sábado, considerada a prova longa,  os pilotos são obrigados a um pit  stop, durante o qual  pelo menos dois pneus devem ser trocados. No domingo, há uma prova rápida de 120 quilômetros, com a inversão no grid dos oito primeiro colocados: o 8º passa a ser o 1º e o 1º passa a ser o 8º.

Na GP2 da Ásia, em 10 provas, em cinco etapas, disputadas entre 26 de janeiro e 13 de abril, Buemi não largou para a prova de sábado e não terminou a de domingo nos Emirados Árabes; venceu no sábado e foi 7º no domingo na Indonésia; não terminou as duas provas  da Malásia; foi segundo nas quatro provas seguintes, no Bahrein e nos Emirados Árabes. Terminou o campeonato em segundo lugar, 1 vitória, 5 pódios e 37 pontos.

Na série europeia da GP2, iniciada a 26 de abril, em Barcelona e encerrada em setembro, em Monza, Buemi venceu a prova de sábado, em Magny Cours, na França, e a de domingo de Budapeste, na Hungria. Em Barcelona, foi 7º e 2º; em Istambul,  6º e 3º; em Mõnaco, na completou  a corrida de sábado e foi 11º no domingo; em Magny Cours, não largou no sábado; em Silverstone foi 4º no sábado e abandonou a prova de domingo; em Hockenhein, não completou a prova de sábado e foi 8º no dia seguintye; em Budapste foi 7º e 1º; em Valência, foi 7º no sábado e não terminou a corrida seguinte; em Francorchamps, foi  5º e 4º e em Monza, 3º e 7º. Terminou o campeonato em 6º lugar, com duas vitórias, cinco pódios e 50 pontos. O campeão foi Giogio Pantano, com  75 pontos, e o vice-campeão Bruno Senna, com 64. O brasileiro Luca Di Grassi foi o terceiro, com 63 pontos.

Em 9 de janeiro de 2009,  principalmente pelos excelentes testes que fez no final de 2008 em Jerez de la Frontera,  a Toro Rosso anunciou  a contratação de Sébastian Buemi para a temporada que começaria em 29 de março, confirmando informação que já circulava desde de setembro do ano anterior. Depois do anúncio, Buemi admitiu esperar uma temporada difícil, mas afirmou estar preparado para enfrentar as pressões: “A pressão faz parte do jogo e a enfrentei no kart, na Fórmula 3, na Fórmula BMW e na GP2. Eu me preparei a vida toda para estar na Fórmula 1, e quando se chega até aqui, tudo o que passou fica para trás”.

Ele começou bem o campeonato, no GP da Austrália. Por pouco não chegou a Q2, mas, saindo da 13ª posição do grid, imprimiu um bom ritmo à corrida e aproveitando-se de erros ou desistências, chegou em 8º, que se transformou em 7º, com a desclassificação de Lewis Hamilton. Foi o 58º piloto na história da F1  a marcar ponto na estreia. Depois de  má jornada na Malásia, onde saiu em último e foi o 16º no final, voltou a pontuar na China, saindo da 10ª posição e chegando em 8º. Nos  12 GPs seguintes não teve a mesma sorte: foi 17º no Bahrein; abandonou, na Espanha e Mônaco; foi 15º, na Turquia; 18º, na Inglaterra; 16º, na Hungria e na Alemanha; abandonou em Valência; foi 12º na Bélgica; 13º, na Itália; abandonou em Singapura e no Japão.

Buemi só voltou a pontuar no Brasil, com o 7º lugar, depois de chegar pela segunda vez à Q3, obtendo a 6ª posição, e  em Abu Dhabi, onde foi o 10º no grid e chegou em 8º. Terminou o campeonato em 16º lugar, com 6 pontos, e garantiu a renovação do contrato com Toro Rosso para a temporada de 2010.

Na nova temporada, Buemi obteve resultados no geral melhores do que na anterior, mas só em 4 GPs esteve na zona de pontuação: foi 10º, em Mônaco e No Japão; 8º, na Inglaterra, e 9º, no GP da Europa, em Valência. Nas outras corridas, foi 11º, na Malásia e Itália; 12º, na Hungria, Alemanha e Bélgica; 13º, no Brasil; 14º, em Singapura; 15º, em Abu Dhabi e 16º, no Bahrein. Não completou as provas da Austrália, China, Espanha, Alemanha e Coreia.

Na China, sofreu um acidente em que só por muita sorte não se feriu ou feriu alguém, No primeiro treino livre, a suspensão do seu carro quebrou, quando ele freou, a 300 km/h,  na curva 14, e as duas rodas da frente e uma delas voou em direção à assistência, atingindo, de raspão, um cinegrafista.  O carro continuou em frente, deslizando pela barreira de proteção e batendo a asa dianteira. No Candá, Buemi teve não só a satisfação de, pela primeira vez liderar uma volta da F1, a 14ª, por ser o último a fazer o primeiro pit, mas também por ter ultrapassado na pista o supercampeão Michael Schumacher e terminar na 8ª colocação.

Buemi terminou o campeonato, de novo, em 16º lugar, com 8 pontos, três a mais do que seu companheiro de equipe, Jaime Alguersuari.

Na temporada de 2011,  Buemi teve um desempenho um pouco melhor, pontuando em 7 das 19 corridas: Austrália e Hungria (8º);  Turquia e Coreia (9º), Mônaco,  Canadá e Itália(10º). Não completou 5 provas (Inglaterra, Bélgica, Japão, Índia e Abu Dhabi) e nas demais colocou-se no grupo intermediário:  Singapura e Brasil (12º), Malásia (13º), China e Espanha (14º) e Alemanha (15º). Totalizou 15 pontos e foi o 15º colocado na classificação final, uma posição atrás do companheiro de equipe, o espanhol Jaime Alguersuari, que foi o 14º, com 26 pontos.