Pascal Wehrlein

Perfil

 

Nome Pascal Wehrlein
País Alemanha
Nascimento 18 de outubro de 1994
Local Sigmaringen
Altura 1,75 m
Peso 61 kg
Estado civil solteiro
Residência Worndorf
Esportes Futebol, tênis de mesa,snowboard
Twitter @pascalwehrlein
Site http://www.pascal-wehrlein.de/

Carreira

Fórmula 1

 

 Ano Equipe Corridas Vitórias Poles Voltas Pódios Pontos Posição
2017 Sauber

16

5

18 º

2016 Manor

21

 1

19º

Outras categorias

 

 Ano Categoria Equipe Corridas Vitórias Poles Voltas Pódios Pontos Posição
2015 Fórmula 1 Force IndiaMercedes

Piloto de testes

DTM HWA

18

2

0

1

5

169

2014 Fórmula 1 Mercedes

Piloto de testes

DTM HWA

10

1

1

0

1

46

2013 DTM Müke

10

0

0

1

0

3

22º

Fórmula 3

3

1

2

2

3

49

14º

2012 F3 –Macau Müke

1

0

0

0

0

n/a

F3 – Masters

1

0

0

0

0

n/a

F3 – Europa

24

1

1

1

11

226

2011 ADAC Masters ADAC

24

8

7

4

13

331

2010

20

1

1

1

4

147

 

História

 Pascal Wehrlein nasceu no dia 18 de outubro de 1994, em Sigmaringa, no distrito de Sigmaringen, na Alemanha, tem duas nacionalidades, alemã e mauricia, por ser filho de pai alemão e de mãe natural das Ilhas Mauricio, mas corre sob a bandeira alemã.

Ele começou a correr de kart, em 2003, e correu apenas na Alemanha a maior parte da carreira e progrediu na categoria júnior da KF2 até a ADAC Kart Masters, sendo o 5º colocado em 2009.

Em 2010, ele estreou na Fórmula ADAC Masters, com a equipe ADAC Berlin-Brandenburg, também conhecida como Müke Motorsport. Terminou o campeonato no 6º lugar, com uma vitória em Sachsenring e três pódios. No ano seguinte, continuou na categoria e obteve 7 vitórias, para conquistar o título de campeão. Em 2012, Wehrlein subiu para a Fórmula 3 Europeia, ainda com a Müke e foi o segundo colocado, atrás só de Daniel Juncadella. Ganhou uma vez e subiu ao pódio seis vezes, num grid talentoso,  que incluía Carlos Sainz Jr, da Toro Rosso. Em 2013, voltou a disputar a F3, obteve a pole position na abertura, em Monza e, com uma vitória e três pódios, foi o segundo colocado na temporada. Ainda 2013, ao 18 anos, começou a disputar o DTM (Campeonato de Turismo Master, da Alemanha) e terminou no 22º lugar, com apenas três pontos, mas com as duas primeiras voltas mais rápidas da careira. Nas três temporadas na DTM, foi um dos principais pilotos do grid, apesar da pouca idade.

Em 2014, Wehrlein se transferiu para a HWA, uma subsidiária da Mercedes, com participação de Toto Wolff, que tem duas equipes no DTM. Como o piloto mais jovem na história da categoria, obteve uma pole e uma vitória, colocando-se em 8º lugar, com 46 pontos. Além da vitória em Lausitz, seu segundo melhor resultado foi um 5º lugar em Norisring.

Em 2015, participou das 18 corridas da DTM e, diante da inconsistência das demais equipes e pilotos, conquistou o título com facilidade, só deixando de pontuar em três corridas e foi campeão com 5 pódios, uma volta mais rápida e duas vitórias. Foi o primeiro piloto a vencer o campeonato sem obter nenhuma pole position durante toda a temporada, mas o mais jovem campeão da categoria em todos os tempos. Desde a sua estreia nas corridas, com a idade de 16 anos, Wehrlein nunca passou um ano sem ganhar pelo menos uma vez.

Em setembro de 2014, ele foi anunciado como piloto reserva da Mercedes na Fórmula e em 2015 participou dos testes em Barcelona, dirigindo pela Force India e pela Mercedes. Em fevereiro de 2016 foi contratado pela Manor, que o acolheu em troca do acesso ao túnel de vento da Mercedes.

A primeira experiência de Pascal Wehrlein na Fórmula 1 aconteceu em 2014, depois de um trabalho intenso do simulador da Mercedes e, em seguida, andando 500 quilômetros num carro da F1 de dois anos antes, em um teste privado. Mas o passo definitivo para a nova categoria, ele deu quando dirigiu para a Mercedes, em Abu Dhabi, nos testes de fim da temporada desse ano. Contra Max Verstappen e Daniel Ricciardo, foi o mais rápido nos dois dias de treino, com seis décimos de vantagem sobre o resto do campo.

Em 2015: Wehrlein dirigiu durante seis dias, dividindo seu tempo entre a Mercedes e a Force India. Ele impressionou, novamente, não só porque se aproximou dos tempos de Nico Rosberg e Nico Hulkenberg, mas também pela consistência e ausência de erro.

Em fevereiro de 2016, foi anunciado que Wehrlein faria sua estreia na F1 com a Manor Racing, que, em troca de acolher o jovem piloto, iria receber acesso ao túnel de vento da Mercedes.

Com o MRT05, com motor da Mercedes, o alemão conseguiu grandes velocidades em retas e passou para a Q2 em seis ocasiões (Austrália, Bahrein, Áustria, Bélgica, Itália e Abu Dhabi). Na Áustria, a 9ª corrida da temporada, na qual foi o 12º do grid, ele foi 10º colocado e conquistou o primeiro ponto da temporada e o segundo dos 7 anos da Manor. Nas outras provas, Wehrlein esteve sempre no último pelotão e por 5 vezes teve de abandonar a pista antes do final.

Pascal Wehrlein, com o ponto conquistado, foi o 19º classificado entre os pilotos e chegou a ser cogitado pela Force India, que preferiu contratar Esteban Ocon, o 20º colocado, que não marcou nenhum ponto, mas foi melhor do que ele nas 8 corridas que disputou.