Publicidade

Narain Karthikeyan

Nome Kumar Ram Narain Karthikeyan
País India
Nascimento 14 de janeiro de 1977
Local Chennai (ex-Madras)
Estado civil Casado com Pavarna
Residência Coimbatore – India
Altura 1,64
Peso 64 kg
Site ww.narainracing.com
Twitter @narainracing

Carreira

Ano Equipe Competição Corridas Vitórias Poles Pódios Pontos Posição
2012 HRT Fórmula 1

20

0

24º

2011 HRT Fórmula 1

10

0

26º

2010 PSV Superliga: 1 vitória

288

16º

Starbeast Nascar Camping: 9 de 25 corridas

963

30º

2009 Kolles Série Le Mans

11

19º

2008/09 India Mundial A1 GP(2º colocado no GP da Inglaterra)

19

12º

2008/07 India Mundial A1 GP(1º no GP da China e GP da Inglaterra)

61

10º

2007 Williams

Piloto de testes

India Mundial A1 GP

13

16º

2006 Williams

Piloto de testes

2005 Jordan Fórmula 1

5

18º

2004 Motorsport Série Mundial Nissan: 2 vitórias, 4 pódios, 2 poles

100

Verergra

Corrida da FIA GT

2003  Minardi

Teste na F1

Carlin GP de Macau:

N/C

Carlin Série Mundial Nissan: 4 pódios

121

2002 Carlin GP de Macau

N/C

TATA Série Mundial Nissan (Telefônica):1 vitória, 1 pole

51

2001 Jaguar/Jordan

Testes da Fórmula 1

Impul Fórmula Nippon

2

14º

Carlin Super Prêmio da Coreia

2000
Stewart GP de Macau: pole e  volta mais rápida

13º

Stewart Formula 3 inglesa: 4 pódios

100

Carlin Formula 3 francesa: 2 corridas; 1 vitória, 1 pódio
Carlin Super Prêmio da Coreia: 1 vitória, 1 pole
  

1999

Stewart GP de Macau

13º

Stewart Formula 3 inglesa: 2 vitórias, 2 poles e 2 pódios

104

Stewart F3 – GP Madras

Carlin Copa da Europa da F3

N/C

Stewart Super Prêmio da Coreia

N/C

1998 Carlin Fórmula 3 inglesa

44

12º

  GP de Macau

11º

1997 Nemesis Fórmula Vauxhall: 1 vitória, 2 pódios

43

1996 Meritus Fórmula Ásia : 14 corridas; 10 vitórias; 12 pódios,  12 poles

1995

Fórmula Ásia: 4 corridas; 2º lugar em Shah Alam, na Malásia

1994

Formula Ford inglesa

1993

Formula Maruti/India – Vauxhall inglesa

1992

Frequenta Escola de Corridas Elf Winfield e vence corrida de estreia da Fórmula Renault

História

Depois de uma temporada discreta em 2005, correndo pela Jordan, quando foi o 18º colocado no campeonato, com apenas 5 pontos, e dois anos (2006 e 2007) como piloto de testes da Williams, Narain Karthikeyan voltou à Fórmula 1 em 2011, defendendo a Hispania Racing Team (HRT). A volta se deu principalmente por causa da criação do GP da India e pelo fato de ser ele o único piloto indiano de nome internacional e com experiência na categoria. Nesse retorno, o desempenho não foi melhor do que a primeira participação e ele acabou no 26º lugar, entre 28 concorrentes, sem marcar nenhum ponto. Até ai, os resultados mais expressivos do piloto indiano eram duas vitórias na Fórmula 3, na Inglaterra e na China.

Apesar do mau começo. Narain manteve a esperança de se destacar na F1, dizendo que tem ritmo, aptidão e vontade de vencer.

Kumar Ram Narain Karthikeyan nasceu no dia 14 de janeiro de 1977, em Chennai (ex- Madras), capital do estado de Tamil Nadu, no extremo sul da India. Pertence a uma família ilustre da India, conhecida pela sua participação em educação, negócios empresariais e filantropia. Seu pai, Shri G.R. Karthikeyan, que foi dirigente de pelo menos oito instituições dessas áreas, é um ex-campeão de rali, tendo vencido o Rali do Sul da India por 7 vezes.

Acompanhando a carreira do pai, desde cedo Narain se interessou pelo esporte motorizado e aos 15 anos foi mandado para a Elf-Winfield School, na França, onde iniciou a sua preparação para ser um piloto profissional. Já primeiro ano deu mostra do seu talento, tornando-se semifinalista do torneio entre pilotos da escola, em caro da Fórmula Renault. No ano seguinte, voltou á India para disputar a temporada da Formula Maruti e mais tarde foi à Inglaterra, onde competiu na Fórmula Vauxhall Júnior.

Em 1994, ainda na Inglaterra, Narain correu na Formula Ford Zetec e obteve o pódio numa corrida preliminar do GP da Portugal, em Estoril. Em seguida, disputou e ganhou a série de inverno da Fórmula Ford inglesa, tornando-se o primeiro indiano a ganhar um campeonato na Europa.

Em 1995, disputou 4 corridas do campeonato da Fórmula Ásia, conquistando o 2º lugar na corrida de Shah Alam, na Malásia, e no ano seguinte foi também o primeiro indiano e o primeiro asiático a vencer a o campeonato da Fórmula Ásia Internacional.

De volta à Inglaterra, em 1997, Narain, correndo pela Nemesis Motorsport, disputou a Formula Vauxhall, obtendo a pole e a vitória em Donington Park e terminando em 6º lugar na classificação final. Em 1998, ele fez sua estreia na Fórmula 3 inglesa, pela Carlin Motorsport, participando de 10 corridas, com dois 3ºs lugares nas duas últimas corridas, em Spa- Francorchamps e Silverstone, e terminando o campeonato na 12ª posição.

O piloto indiano teve um ano movimentado em 1999. Foi o 6º colocado na Fórmula 3 inglesa, com 104 pontos, com duas vitórias em Brands Hatch e 5 pódios. Correu o GP de Macau, onde foi 6º no grid e terminou também em 6º lugar. Foi 3º no GP de Madras e não conseguiu se classificar na Copa da Europa da F3.

E agenda de Narain continuou movimentada em 2000. Disputou o campeonato da Fórmula 3 inglesa, onde foi o 4º colocado, com 100 pontos e 4 pódios. Fez a pole na primeira e a volta mais rápida na segunda das duas baterias do GP de Macau, mas não conseguiu mais do que o 13º lugar porque bateu na 6ª volta da primeira rodada e estava mal colocado no grid da segunda. No mesmo ano, ainda ganhou o Super Prix da Coreia, corrida internacional de F3 em Spa-Francorchamps e uma das duas corridas que disputou pela Fórmula 3 francesa. Em resumo, durante a temporada, Narain disputou 17 corridas, com 2 vitórias, 6 pódios, 2 poles e 1 volta mais rápida.

A partir de 2001, Narain reduziu o ritmo da carreira, passando a buscar caminhos para chegar ao seu objetivo principal, a Fórmula 1. Ele começou esse ano na Fórmula 3000 japonesa, correndo pela Impul, equipe nipônica de uma montadora de automóveis e terminou o campeonato, disputado entre março e novembro, em 14º lugar, com apenas 2 pontos, resultado de dois 6ºs lugares obtidos em Suzuka, na primeira e na última das 10 corridas. Em 14 de junho sentou pela primeira vez num carro da F1, em teste pela Jaguar, em Silverstone. Pela boa impressão causada nessa primeira experiência, foi chamado para um novo teste pela Jordan, em setembro, ainda em Silverstone e outro, a 5 de outubro, em Mugello, na Itália, quando ficou a apenas meio segundo do tempo do piloto oficial da equipe, Jean Alesi. No Super Prix da Coreia, da F3, foi apenas o 9º colocado, pelos dois 12º lugares que obteve nas duas baterias.

Em 2002, o piloto indiano só participou da etapa de classificação do GP de Macau e do campeonato da Série Mundial Telefônica, novo nome da série Nissan.  Das 18 corridas da competição, disputada de maio a dezembro, Karthikeyan, correndo pela equipe indiana Tata RC Motorsport, participou de 9, totalizando 51 pontos, que lhe valeram a 9º colocação na classificação final. Seus melhores resultados foram um 3º lugar, em Albacete, na Espanha, e dois 4ºs lugares, em Curitiba, onde foi pole position, e em Interlagos. O campeão da categoria foi o brasileiro Ricardo Zonta.

Em 2003, Narain competiu na Superfund World Séries, da Fórmula Nissan, e nas 18 corridas das 9 etapas, somou 121 pontos, ficando em 4º lugar na classificação final. Seus melhores resultados foram um 2º lugar, em Valência; três 3ºs lugares, dois em Monza e um em Magny-Cours, e três 4º lugares.  O indiano disputou também em 2003, o campeonato Telefônica World Séries, da Fórmula Super Nissan V6, sagrando-se vice-campeão, com 131 pontos. No GP de Macau, Narain era o 17º do grid, mas não largou. A performance na temporada propiciou a Narain um novo teste na F1, pela Minardi, no dia 14 de dezembro, no circuito e Valellunga, perto de Roma. A equipe lhe ofereceu a oportunidade de uma corrida oficial no campeonato seguinte, mas, por falta de patrocínio, ele não pode aceitar a oferta. Durante o ano, Narain casou com Pavarna, filha de um rico industrial indiano.

Em 2004, correndo pela Tata RC Motorsport. Narain só participou da temporada da Fórmula Nissan e de uma prova de Gran Turismo da FIA. Na Nissan, venceu duas corridas, em Magny-Cours e Valência; fez um 2º lugar, também em Valência e um 3º, no circuito de Zolder. Com 100 pontos, foi o sexto colocado no campeonato, cujo vencedor foi Heikki Kovalainen. Na FIA GT, correu pela escuderia norte-americana Veregra, com um carro Chrysler e tendo como companheiros Anthony Beltoise e o sheik de Dubai Maktoum Hasher Maktoum al Maktoum (que não se perca pelo nome), os 500 km de Dubai. O trio só completou 78 das 88 voltas, ficando na 19ª colocação.

Em 2005, Narain Karthikeyan chegou, afinal, aonde queria, à Fórmula 1. No dia 1º de fevereiro, Narain anunciou a assinatura de um contrato preliminar com a Jordan, para correr ao lado do português Tiago Monteiro. No dia 10 de fevereiro, depois do teste de suficiência de 300 km, em Silverstone, o primeiro piloto indiano a entrar para a principal categoria do automobilismo mundial, obteve a Superlicença e foi confirmado como piloto oficial da equipe inglesa.

Na sua primeira corrida, no GP da Austrália, Narain classificou-se na 12ª posição do grid, mas já no final da primeira volta estava na 18ª, terminando em 15º, duas voltas atrás do vencedor, Giancarlo Fisichella. Das sete corridas seguintes, ele só completou quatro, sempre entre o 11º e o 16º lugares. Os seus primeiros pontos foram obtido no GP dos Estados Unidos, em Indianápolis, no dia 19 de junho, beneficiado pela ausência das equipes que usavam pneus Bridgestone, que se recusaram a correr por falta de segurança na pista. O indiano terminou em 4º, atrás do companheiro Tiago Monteiro, o 3º colocado. No restante do campeonato, esteve sempre no pelotão intermediário, entre o 11º e o 16º lugares e sua melhor performance foi no GP do Japão, onde manteve o melhor tempo durante grande parte da fase de classificação, mas acabou sendo o 11º no grid. Na última prova do campeonato, o GP da China, foi o 15º no grid, a 2s, 627 da pole position, porém na 15ª volta foi de encontro ao muro e saiu da pista. Terminou o campeonato só com os 5 pontos conquistados nos Estados Unidos, em 18º lugar, duas posições atrás de Tiago Monteiro, que somou 7 pontos.

No final de 2005, Narain informou que não continuaria da equipe (que passou a se chamar Midland), por não poder pagar a taxa de 1,7 milhão de dólares que lhe foi exigida. Ainda em 2005, Narain fez teste para correr as 500 milhas de Indianápolis pela Red Bull Cheever Racing, mas , por 500 mil dólares, mas as duas partes não chegaram a acordo. No dia 8 de dezembro, ele fez teste na Williams, na Espanha, ficando em 5º lugar, bem à frente do segundo piloto da equipe, Nico Rosberg, que ficou em 9º.

Em 27 de janeiro de 2006, a Williams o confirmou como quarto piloto, ao lado de Alexander Wurz.

A partir de janeiro de 2007, Narain passou a disputar a segunda fase do campeonato da A1 GP, representando a India, com mais três companheiros, na equipe Arena Motorsport, terminando a temporada em 16º lugar, com 13 pontos. Em setembro, dispensado pela Williams, que perdeu o patrocínio da empresa indiana Tata, sua financiadora, Narain voltou a disputar apenas o campeonato da A1 GP. A competição foi até maio de 2008, e ele foi o 10º colocado, tendo vencido uma bateria da China e outra em Brands Hatch, na Inglaterra, onde obteve a pole position. Em 2008, fracassadas as negociações para correr pela Super Aguri, continuou na A1 GP e na temporada 2008/09, nas 12 provas disputadas, fez 19 pontos, ficando no 19º lugar. Na última etapa do campeonato, em Brands Hatch, Narain saiu da 7ª posição e terminou em 2º lugar no Sprint. Na Feature, em que era o 10º do grid, foi tirado da pista pelo caro da China ainda na primeira curva da primeira volta.

Em meados de março, Narain fez testes na Kolles Le Mans Team, equipe de Colin Kolles, ex-dirigente da Force India. Aprovado, partir de abril, paralelamente às duas últimas provas da A1 GP. Karthikeyan passou a disputar o campeonato da Le Mans Séries, com provas de 100 km na Catalunha, na Espanha; Spa-Francorchamps, na Bélgica; Algarves, em Portugal; Nurburgring, na Alemanha, e Silverstone, na Inglaterra. Tendo como companheiro Christian Albers, e com carro Audi R10 turbo, disputou 4 das 5 provas do calendário, totalizou 11 pontos, ficando em 19º lugar na LMP 1, categoria destinada aos protótipos.

No dia 14 de junho, depois de bons desempenhos nos treinos e na etapa de classificação, Karthikeyan tinha sido escalado para a abertura das 24 horas de Le Mans. Todavia, pouco antes da largada deslocou o ombro numa queda e foi proibido pelos médicos de correr.

Em março, Karthikeyan atravessou o Atlântico e foi competir na NASCAR, nos Estados Unidos. No dia 27, estreou na nova categoria e, correndo com carro Chevrolet, obteve o 13º lugar na Kroger 250, do Camping World Truck Séries. Na sexta corrida pela categoria, em Nashville, ele sofreu grave acidente, mas ainda conseguiu ser o 17º na classificação geral. Ao todo, Narain fez 9 das 25 corridas do campeonato, somou 963 pontos e ficou na 30º colocação na classificação geral. E numa eleição entre os fãs da foi eleito o piloto mais popular da NASCAR, o primeiro estrangeiro a receber essa distinção.

Ainda em 2010, em intervalos da NASCAR, Narain disputou o campeonato da Superliga Formula, categoria de monopostos representando equipes de futebol de todo o mundo. Com as cores do PSV, da Holanda, Karthikeyan participou de seis das sete primeiras etapas, venceu uma bateria, na Inglaterra, e, com 288 pontos, a sua equipe foi a 16ª no campeonato.

Sem nenhuma outra justificativa plausível, a não ser o apoio financeiro do grupo financeiro indiano TATA e a introdução do GP da India no calendário, de modo até surpreendente, Narain Karthikeyan voltou à Fórmula 1 em 2011, pela Hispania Racing Team. Ele mesmo reconheceu que seria a realização de um sonho poder correr diante dos seus patrícios, no GP da India, em outubro.

Mas a realidade, certamente, não foi a que sonhava. A sua volta, também por causa da fragilidade da equipe, foi decepcionante. No primeiro GP, na Austrália, ele sequer conseguiu se classificar para a corrida. Na segunda, na Malásia, depois de largar da 24ª posição, a última do grid, foi obrigado a abandonar logo na 8ª volta, por problemas mecânicos. Nas cinco corridas seguintes os resultados não foram melhores: 21º , na China; 21º, na Turquia e na Espanha; 17º, em Mônaco e no Canadá, e 24º, no GP da Europa, em Valência. Diante dessa performance, a Hispania decidiu substituí-lo, a 30 de junho, por Daniel Ricciardo, com a garantia de que voltaria a correr no GP da India e participaria dos treinos de sexta-feira na Alemanha, Singapura, Japão e Coreia.

Conforme o acertado, no dia 23 de outubro ele substituiu Vitantonio Liuzzi no GP da India e o desempenho não foi diferente daquele do início do campeonato. Perdeu cinco posições no grid, por atrapalhar Michael Schumacher na volta de classificação e teve de largar do 24º e último posto. Na corrida, a despeito de algumas avarias no carro, logo na primeira volta, conseguiu terminar à frente de Daniel Ricciardo, antepenúltimo colocado. Nas duas últimas corridas do campeonato, Narain devolveu o lugar a Liuzzi e, por isso, não foi sem alguma surpresa que, no dia 3 de fevereiro, a Fórmula 1 recebeu a noticia de que Narain Karthikeyan seria o piloto oficial da Hispania, tendo como companheiro o espanhol Pedro de la Rosa. A vaga teria custado 8 milhões de euros ao grupo TATA.

Em 2012, Karthikeyan continuou correndo pela Hispania, mas, como no anterior, sem nenhum destaque. Das 20 provas do calendário, não se classificou para o GP da Austrália, na abertura do campeonato,; não completou sete provas e nas restantes, a melhor colocação foi o 15º lugar, em Mônaco. Nas demais provas, esteve sempre entre o 18º e o 23º lugares. NO GP da Malásia, chegou a estar na zona de pontuação, mas uma colisão com Jenson Button o mandou de novo ao fim do pelotão. E, como se não bastasse, ainda se chocou com Sebastian Vettel e foi punido com acréscimo de 20 segundo em seu tempo. Em Abu Dhabi, envolveu-se num acidente grave com Nico Rosberg, mas nenhum dos dois se feriu. No GP dos Estados Unidos, Karthikeyan foi acusado por Sebastian Vettel de ter a atrapalhado a corrida dele, impedindo-o de passar pro Lewis Hamilton, que venceu a corrida, seguido do piloto alemão.

No final do campeonato, com a saída da Hispania, Narain Karthikeyan ficou sem lugar na Fórmula 1.