Publicidade

Jolyon Palmer

Perfil

Nome Jolyon Carlyle Palmer
País Inglaterra
Nascimento: 20 de janeiro de 1991
Local Horsham, Inglaterra
Pais Jonathan Palmer
Altura: 1,83 m
Peso:  78 kgs
Estado civil: solteiro
Residência Horsham
Hobbies: Futebol e tênis
Comida Gazpacho

Carreira

Ano

Categoria

Equipe

Corridas

Vitórias

Poles

Voltas

Pódios

Pontos

Posição

2017

Fórmula 1 Renault 16

8

17º

2016

Fórmula 1 Renault

20

1

18º

2015

Fórmula 1 Lotus

piloto reserva

2014

GP2 DAMS

22

4

3

7

12

276

Fórmula 1 Force India

piloto de teste

2013

GP2 Carlin

22

2

1

2

3

119

2012

GP2 iSport International

24

1

0

0

3

78

2011

GP2

Arden International

18

0

0

0

0

0

GP2 Asia

4

0

0

0

0

0

GP2 Final Barwa Addax

2

0

0

0

1

9

Fórmula 2 Palmer Sport

2

0

0

0

0

0

2010

Fórmula 2 MotorSport Vision

18

5

5

3

10

242

2009

Fórmula Palmer Audi Palmer Sport

8

1

3

2

2

70

Fórmula 2 MotorSport Vision

16

0

0

0

0

3

2008

Fórmula Palmer Audi

20

1

3

3

11

338

Fórmula Palmer Audi

6

0

0

0

3

89

Fórmula Palmer Audi

3

0

0

0

1

36

2007

Fórmula Palmer Audi

15

2

2

4

187

T Cars Palmer Sport Junior

2

2

1

2

0

24

2006

T Cars

Palmer Sport Junior

20

0

1

4

92

6

4

3

4

5

61

2005

T Cars

6

92

História

Jolyon Carlyle Palmer, nascido no dia 20 de janeiro de 1991 em Horsham, no Reino Unido, é um piloto britânico, atualmente correndo pela Renault e campeão da GP2 em 2014. Palmer é filho do ex piloto de F1 e dono de um circuito de corridas na Inglaterra, Jonathan Palmer. Jolyon foi educado na Cranleigh School e na Universidade de Nottingham. Foi piloto e teste da Lotus em 2015, e substituiu Romain Grosjean na temporada de 2016, após a compra da Lotus pela Renault. Palmer foi oficialmente anunciado como piloto da Renault Sport F1 Team, no lançamento em Paris, no dia 3 de fevereiro, ao lado de Kevin Magnussen.

Iniciando nos karts MiniMax em 2004, Jolyon Palmer progrediu rapidamente na carreira, correndo no Troféu de Outono do T-Cars Britânico em 2005. Apesar de inexperiente, o piloto mostrou ritmo no início, e obteve o 5º lugar final.

Palmer passou para o campeonato principal do T-Cars em 2006, onde correu contra o seu rival na Fórmula 2 em 2009, Alex Brundle. Ao longo da temporada, obteve uma pole e quatro pódios, acabando o campeonato em 5º lugar. Regressou ao Troféu de Outono do T-Cars, com 4 vitórias e a título do campeonato.

No início de 2007, Jolyon Palmer participou de duas corridas no campeonato principal do T-Cars, ganhando ambas. Então, começou a competir em monopostos no campeonato Fórmula Palmer Audi. Demonstrou rapidamente o seu ritmo, sendo 4º na segunda corrida em Silverstone, antes de se tornar o mais jovem piloto na história da FPA’s a ganhar uma corrida, no circuito de Brands Hatch Indy. Apesar de correr só um terço das corridas em 2007, o britânico foi décimo na classificação final, tendo mais uma vitória e quatro pódios.

Jolyon Palmer participou novamente da Fórmula Palmer Audi em 2008, onde obteve nove classificações nos cinco primeiros nas primeiras nove corridas. Esta série incluiu uma rodada tripla excelente em Spa-Francorchamps, onde venceu uma corrida e terminou as outras duas no segundo lugar. Na 10ª rodada não acabou, mas a seguir obteve três classificações seguidas no segundo lugar, na rodada dupla no circuito de Brands Hatch GP e em Snetterton. Numa incrível temporada, Jolyon Palmer deixou escapar a vitória na final da rodada e acabou no 3º lugar.

Em 2009, Palmer passou a disputar a Fórmula 2 e teve como melhor resultado o 6º lugar em Ímola. Em 2010, ganhou a corrida de abertura, em Silverstone, na primeira vitória de um piloto inglês na categoria, desde que seu pai ganhou em Mugelo, em 1983. Em seguida, foi 5º colocado em Marrakesh, venceu e recuperou a liderança em Monza, mas terminou a temporada em segundo, atrás do também britânico Dean Stoneman. Em 2011, ele deixou a F2, depois de não conseguir largar nas duas primeiras corridas, em Nurburgring, e fez estreia na GP2, pela equipe Arden, mas só conseguiu a primeira vitória no ano seguinte, pela ISport, em Mônaco. Em 2013 correu pela Carlin, ao lado do brasileiro Felipe Nasr, sendo o 7º colocado, mas em 2014, com a DAMS, ganhou 4 corridas, obteve quatro 2ºs e três 3ºs lugares e foi campeão com três etapas de antecedência.

Em 4 de dezembro de 2014, Palmer foi anunciado como o vencedor do Prêmio dos Jornalistas de Automobilismo como Piloto do Ano, que inclui entre os vencedores anteriores Juan Manuel Fangio, Jim Clark e Michael Schumacher. Ele também foi nomeado para o Prêmio Autosport para Piloto de Competição do Ano, mas foi derrotado pelo campeão Lewis Hamilton. Recebeu, porém, o Troféu Fairfield do Clube de Pilotos Britânicos, concedido a um membro do clube pelo excelente desempenho ao longo do ano.

Antes dessas premiações, depois de seu sucesso na GP2, no dia 19 de novembro, foi anunciado que Palmer dirigiria para a Force India, nos testes de pós-temporada, no dia 25. Ao mesmo tempo, ele foi convidado para participar da Corrida dos Campeões, em Barbados, sendo derrotado por Tom Kristensen, Pascal Wehrlein e Ryan-Hunter Reay, vencedor das 500 Milhas de Indianápolis. Ao lado de Pascal Wehrlein também correu a Copa das Nações.

Em 20 de janeiro de 2015 foi anunciado que Palmer tinha assinado contrato como piloto de testes e reserva com a Lotus, que já tinha Pastor Maldonado, campeão de 2010, e Romain Grosjean, campeão de 2011, e, pela primeira vez juntava três campeões da GP2 numa mesma equipe.

Palmer fez sua estreia no com o E23 Hybrid, no segundo dia de testes da pré-temporada em Barcelona e, depois disso, participou da programação da Lotus na China, no Bahrein. No dia 11 de junho, foi anunciado que dirigiria no primeiro treino livre do resto da temporada europeia, num total de 5 Grandes Prêmios. .

Em 23 de outubro de 2015, foi anunciado que Palmer seria promovido a piloto titular da Renault Sport F1, em 2016, tornando-se o primeiro piloto ex-campeão da Fórmula 2 a progredir para equipe de Fórmula 1. Ele foi acompanhado pelo ex-piloto da McLaren, Kevin Magnussen, no retorno da Renault como um construtor, depois de ter comprado a Lotus F1 Team. Na estreia, no Grande Prêmio da Austrália, Palmer superou Magnussen com a 13ª posição no grid, e depois de um bom começo, terminou a corrida na 11ª posição à frente de seu companheiro de equipe, que foi 14º.

 Um problema de carro prejudicou suas corridas no Bahrein e na China, mas no Grande Prêmio da Rússia terminou num compensador 13º, depois de ser 18º no grid. Ele repetiu o resultado no Grande Prêmio da Espanha, chegando à frente de Magnussen, abandonou em Mônaco e no Canadá antes de terminar o Grande Prêmio da Europa, em Baku, no Azerbaijão, em 15º. Nas demais corridas, Palmer teve mais três abandonos e, após se colocar entre os últimos do campo, surpreendeu ao obter o primeiro ponto dele e da Renault, com o 10º lugar na Malásia, 14 segundos atrás da McLaren de Jenson Button e três segundos à frente de Carlos Sainz da Toro Rosso. Em 9 de novembro de 2016 foi anunciado que Palmer tinha estendido seu contrato com a Renault para 2017.