Publicidade

Jim Clark

 

 

Nome

James (Jim) Clark Jr.

Nacionalidade

Escocês

Nascimento

4/03/1936

Local

Kilmany, Fife – Escócia

Morte

7/04/1968 –  Hockenheimring -Alemanha

Carreira

1960-1968

Equipes

Lotus

Largadas

72 (em 73 corridas)

1ª corrida

GP da Holanda de 1960

1ª vitória

GP da Bélgica de 1962

Última vitória

GP da África do Sul de 1968

Última corrida

GP da África do Sul de 1968

Títulos

1963-1965

Pontos

255

Vitórias

25

Pódios

32

Poles

33

Voltas+rápidas

26

2ºs lugares

1

3ºs lugares

6

4ºs lugares

4

5ºs lugares

3

6ºs lugares

1

1ª fila

48

Voltas na liderança

2039

Km na liderança

10189

Jim Clark, campeão mundial da Fórmula 1 em 1963 e 1965, vencedor das 500 milhas de Indianápolis em 1965, o “Escocês Voador”, representou um marco na história da principal categoria do automobilismo esportivo mundial, Venceu 25 dos 72 Grandes Prêmios que disputou, sempre na equipe Lotus e foi por muito tempo recordista de vitórias.

Jim Clark nasceu em Kinkcaldy, Fifeshore, em 4 de março de 1936. De família escocesa com propriedades rurais, era um homem sossegado, sem grandes exageros ou caprichos, porém, adorava uísque e se deliciava com boas comidas.

Começou a correr em 1956, com um Sunbeam, posteriormente correu com DKW e depois com um Porsche 1600.  Sua primeira vitória da F1 ocorreu em 1962, em Spa-Francorchamps (Bélgica), pilotando a Lotus 25. Nessa mesma temporada, venceu os GPs da Inglaterra e dos Estados Unidos. Faltando uma vitória para se tornar campeão, no GP da África do Sul, Clark foi obrigado a parar devido a um vazamento de óleo, dando o primeiro lugar a Graham Hill.

1953 foi o ano de Jim Clark. Venceu 7 das 10 corridas válidas pelo Mundial (África do Sul, Holanda, França, Bélgica, Inglaterra, Itália e México),obtendo um segundo e terceiro lugares em duas outras (Alemanha e Estados Unidos). Obteve também o segundo lugar nas 500 milhas de Indianápolis.

O ano seguinte não foi dos melhores para Jim. Venceu os GPs da Holanda, Bélgica e Inglaterra, mas perdeu o campeonato para John Surtees, da Ferrari. No fim desse ano recebeu a Ordem do Império Britânico.

Em 1965, a estrela do “Escocês Voador” voltaria a brilhar, dessa vez ainda mais forte. Começou o campeonato vencendo o GP da África do Sul; participou de diversas competições fora do Campeonato Mundial de Pilotos, conquistando 19 vitórias de janeiro a abril, além de quebrar um tabu em Indianápolis: foi o primeiro europeu, depois de muito, a ganhar as 500 milhas.

De volta à Fórmula 1, venceu os GPs da Bélgica, França, Inglaterra, Holanda e finalmente o GP da Alemanha, sua sexta vitória consecutiva, que lhe valeu o segundo título de campeão mundial.

A temporada seguinte foi marcada por diversas dificuldades com o carro, que o impediram de completar várias corridas. Sua única vitória nesse ano foi no GP dos Estados Unidos.

Com a Lotus Mk 49, com motor Ford-Cosworth, de 380cv, Jim Clark disputou a temporada de 1967, vencendo os GPs da Holanda, Inglaterra, Estados Unidos e México e, obtendo o terceiro lugar em Monza, terminou o Mundial em 3º lugar, atrás de Jack Brabham e Dennis Hulme.No GP do México, igualou o recorde de Juan Manuel Fangio, de 24 vitórias em GPs válidos pelo Mundial, recorde superado no ano seguinte com a vitória no GP da África do Sul, em Kyalami.

A carreira e a vida desse brilhante piloto seriam interrompidas em 7 de abril de 1968, em uma corrida de Fórmula 2 no autódromo de Hockenheim, na Alemanha. Pilotando a Lotus 48B a mais de 200 km/h, derrapou no asfalto molhado, iniciando um cavalo de pau que o jogou fora da pista, arrebentando a cerca de proteção e chocando a Lotus contra uma árvore. Jim Clark teve morte instantânea.

De 1960 a 1968, Jim Clark participou de nove temporadas da Fórmula1, disputando 72 corridas, das quais venceu 25, e conquistou duas mundiais.  Foi um recordista, com 33 poles e 28 voltas mais rápidas, totalizando 274 pontos durante toda a carreira.