Publicidade

Jan Magnussen

Nome

Jan Ellegaard Mgnussen

Nacionalidade

Dinamarquês

Nascimento

4 de julho de 1973

Local

Roskilde

Carreira

199, 1997-1998

Equipes

McLaren, Stewart

Largadas

25

1ª corrida

GP do Pacífico de 1995

Última corrida

GP do Canadá de 1998

Pontos

1

6ºs lugares

1

 

Jan Magnussen, uma das grandes apostas da McLaren, nos anos 1990, não concretizadas, é pai de Kevin Magnussen, contratado pela mesma equipe em 2014.

Aos 21 anos, Jan foi contratado como piloto de testes da equipe de Ron Dennis, após um desempenho assustador na Fórmula 3 inglesa, na temporada de 1994: 14 vitórias em 18 corridas, quebrando um recorde da categoria, que pertencia a Ayrton Senna, desde 1983.

Magnussen nasceu no dia 4 de julho de 1973, tem 1,70 m e 58 kgs. Ao entrar para a F1, mal saído da adolescência, dizia que não trocava um bom Big Mac por jantar requintado em restaurante nenhum do mundo. E sua bebida predileta era Coca Cola, mesmo.

Começou a correr de kart  em 1984, na Dinamarca, e foi campeão nacional em 1985, na categoria Minipop. Em 1986, repetiu o título. Em 1987, com 14 anos, tornou-se campeão mundial na categoria Júnior, em torneio homologado pela FIA. Ganhou o GP de kart da Austrália, em 1988 e chegou ao tri mundial da categoria Júnior em 1989 e 1990. Em 1990, conquistou os títulos dinamarquês e escandinavo nos carrinhos.

Estava na hora, portanto, de subir para os carros de verdade, em 1991, ainda disputando os campeonatos da Dinamarca e da Escandinávia de kart, fez seu primeiro teste num Ford 1660. Inscreveu-se no campeonato inglês da categoria, em 1992, venceu 7 corridas e terminou a temporada  em 3º lugar. Também ganhou o festival da F-Ford de Brands Hatch, um torneio de muito prestigio na Inglaterra.

Em 1993, Magnussen passou para a F-Opel e foi 4º colocado no campeonato europeu. Jackie Stewart, o legendário “escocês voador” percebeu que o moleque era rápido e o indicou para a escuderia do filho Paul, na F3 inglesa. Foram só duas corridas, o bastante para que a equipe o contratasse para todo o campeonato de 1994, que ele acabou vencendo, com a impressionante taxa de 77.8% de vitórias em 18 corridas.

Sua primeira aparição num GP aconteceu em Aida , no Japão, em 22 de outubro de 1995. Ele substituiu Mika Hakkinen, que se recuperava de uma operação de apêndice.  Não pontuou, mas também não decepcionou. Terminou em 10º, numa prova em que 17 carros chegaram ao final. Depois, contente da vida, por não ter feito nenhuma bobagem, voltou ao banco de reservas.

A McLaren e a Mercedes não queriam queimar o garoto. Equipe e fábrica acreditavam que ele seria a grande atração do final século e pretendiam lhe dar um carro muito bom, para evitar que uma sequencia de maus resultados abreviasse um futuro que previam brilhante.
Mas o jovem piloto acabou sendo uma decepção. Não conseguiu conquistar um lugar de titular na McLaren e, depois de correr na Cart e no campeonato internacional de turismo de 1996, voltou a Stewart, onde também não correspondeu às expectativas.

Em 1997, Jan completou só 5 das 17 corridas e melhor colocação foi um 7º lugar (que ainda não contava ponto) em Mônaco. Em 1998, não completou 4 das primeiras 6 corridas e, depois da 7ª, o GP do Canadá, justamente quando tinha conseguido seu primeiro ponto, foi substituído por Jos Verstappen para o resto da temporada.

A partir de 1999, Magnussen voltou a participar da CART e campeonatos de turismo, com algumas vitórias e ganhando os campeonatos da Dinamarca de 2008 e 2012. Em 2014, foi 2º colocado da categoria GTE Pro nas 24 horas de Le Mans.