Fritz D’Orey

Frederico José Carlos Themudo d’Orey, conhecido como Fritz d’Orey, ao contrário do que o nome possa sugerir, era filho de imigrantes portugueses. Nasceu em São Paulo no dia 25 de março de 1938, e estudou no colégio São Luis e na Wharton School of the University of Pensylvania, nos Estados Unidos.

. Desde cedo, começou a freqüentar o autódromo de Interlagos como entusiástico assistente de corridas. E não demorou muito para o torcedor se tornar piloto. Em sua primeira prova, as 15 Voltas de Interlagos para Estreantes, correu com um Porsche que pertencera ao legendário piloto alemão Von Stuck e venceu. As vitórias foram se acumulando na curta carreira de D1Orey.

Numa delas, o Grande Prêmio Giovanni Gronchi, Fritz d’Orey bateu o recorde de Interlagos, fechando a volta em 3m42s5, com uma Ferrari Siderato. Nessa mesma prova, o argentino José Froilan Gonzalez, que já ostentava o titulo de vice-campeão mundial da Fórmula 1 fez sua melhor volta em 3m47,4 a. Por causa dessa e de outras façanhas, Fritz D’Orey acabou caindo nas graças de Juan Manuel Fangio.

Foi pelas mãos de Fangio que disputou sua primeira corrida, o GP da Argentina, em 1959. Liderou a prova até quase o final. Quando faltavam seis voltas, a Ferrari quebrou.  Sua atuação, porém, o levou a correr na Europa. Ao lado de pilotos argentinos e uruguaios, Fritz integrou a Escuderia Norte-Sul, liderada pelo pentacampeão Juan Manuel Fangio.

A estréia foi uma oitava colocação no GP da França, na cidade de Reims, pilotando uma Maserati. No total, D’Orey disputou 20 provas no exterior, três delas pelo campeonato mundial da Fórmula 1, nas quais não conseguiu pontuação,

Seus melhores resultados foram um primeiro lugar no GP de Messina, na Itália; uma vitória no GP de Cadur, na França, na Fórmula Júnior; um sexto lugar na classificação geral e primeiro na categoria grã-turismo até 3.000 cc, mas 12 horas de Sebring, nos Estados Unidos, e o recorde da volta nos Mil Quilômetros de Monza.

Fritz d’Orey integrou ainda a equipe Ferrari, correndo com um carro n. 14. O 11 era do americano Phill Hill e o 12 do alemão Von Trips, que no Mundial de  Fórmula 1 de 1961 seriam, respectivamente, campeão e vice-campeão. E foi pilotando a Ferrari que Fritz D’Orey disputou a  última corrida de sua careira. Em junho de 1960, durante as 24 Horas de Le Mans, a Ferrari do brasileiro saiu da pista a 270 km por hora, bateu num árvore e se dividiu em duas partes. Com graves ferimentos (fratura do crânio, inclusive), Fritz d’Orey permaneceu durante oito meses entre a vida e a morte. Consegui se recuperar, mas nunca mais correu. Em 2008, vivia no Rio de Janeiro, aposentado, depois de ter-se dedicado ao comércio.