Publicidade

Carlos Reutemann

Estreia

GP da Argentina de 1972

1ª vitória

GP da África do Sul de 1974

Última vitória

GP da Bélgica de 1981

Última corrida

GP do Brasil de 1982

Corridas

146

Pontos

298

Vitórias

12

Pódios

45

Poles

6

Voltas+rápidas

4

2ºs lugares

13

3º lugares

20

4ºs lugares

11

5ºs  lugares

3

6ºs lugares

7

1ª fila

22

Voltas em 1º

648

Km em 1º

3309

Acidentes

13

Carlos Alberto Reutemann nasceu em Nélson, pequena localidade na Província de Santa Fé, na Argentina, no dia 12 de abril de 1942. Dono de uma memória prodigiosa, porém com fama de mau humorado, começou a dirigir no Citroen do pai mas seu aprendizado de de automobilismo se iniciou nas montanhas, quando seu amigo Américo Grossi, representante da Fiat em sua cidade, entregou-lhe um carro para provas.

Após essa experiência, Reutemann passou para as provas de Turismo Melhorada, (carros nacionais com preparação).

Depois de campeão argentino de Turismo, em 1968, voltou a se destacar na Fórmula 2 de seu país, de onde saiu para a Europa. Em 1970, apoiado pelo Governo argentino, assinava seu primeiro contrato com a Brabham. Na segunda temporada foi vice-campeão de F 2.

Sua primeira corrida na Fórmula 1, foi em 1971,  com um velho McLaren alugado, num Grande Prêmio de Buenos Aires, que não contava pontos. Conseguiu o terceiro lugar e foi sua única experiência fora da Brabham.

Para Reutemann, o drama também foi superar o sonho argentino, atender uma torcida argentina exigente, que só se completaria caso ele repetisse o velho Fangio: “Tivemos El Chuego, agora temos El Lole”.

Bernie Ecclestone, que controlava a Brabham, ofereceu-lhe imediatamente um contrato para a F 1. Contrato em que Reutemann, com o considerável patrocínio da YPF – empresa argentina de petróleo — pagava praticamente metade das despesas da equipe.

O nome de Reutemann esteve ligado ao da Brabham por oito anos, uma experiência que começou quando a sigla do carro era BT28, seguindo-se os BT32, 38, 40, 42 e 44, encerrando a trajetória no BT45/2.

Em 1973, Reutemann ganhou na Alemanha e obteve vários bons resultados. Em 74, depois da África do Sul, Reutemann venceu também os GPs da Áustria e dos Estados Unidos;

Em 1981, ganhou o GP da África do Sul, porém sendo a corrida organizada pela FOCA, sem o aval da FISA, não contou pontos para o Campeonato Mundial de Pilotos e Construtores.

Nos treinos da Bélgica, em maio de 81, 336° GP da história da F1 , Reutemann atropelou o mecânico da equipe Osella, Giovanni Amadeu, italiano, 25 anos. O corredor dos boxes era estreito demais; em consequencia do acidente o mecânico perdeu a vida. Reutemann venceu o GP em Zolder, bastante abalado, com um profundo trauma; uma vitória amarga após o acidente.

Em novembro de 1981, após 144 Grandes Prêmios, Reutemann comunicou seu procurador pelo telefone de sua casa na praia de Cap-Ferrat (entre Nice e Mônaco) sua decisão de abandonar as pistas.

Reutemann particopou da Fórmula 1 de 1972 a 1981 na F – 1., integrando as equipes da Brabham 72/76; Ferrari 77/78; Lotus 79 e Williams 80/81. Participou de 144 Gps, obtendo 12 vitórias, 12 segundos, 20 terceiros, 11 quartos e 03 quintos lugares e totalizando 300 pontos.

As 12 vitórias:

1974 – África do Sul, Áustria e EUA-Leste

1975 – Alemanha

1977 – Brasil

1978 – Brasil, EUA-Oeste, Inglaterra e EUA-Leste

1980 – Mônaco

1981 – Brasil e Bélgica