Anthony Davidson

Perfil

Nascimento 18 de abril de 1979
Local Hemel Hempstead, Hertfordshire, Inglaterra
Residência Northamptonshite, Inglaterra
Peso 56 kg
Altura 1,65
Estado civil Casado
Estréia na F1 GP da Hungria, 2002
Largadas 20
Pontos 0
Melhor posição 11ª, nos GPs da Espanha, Canada e EUA, em 2007
Website www.anthonydavidson.com

Carreira

2008 Super Aguri – carro 19
2007 Super Aguri – carro 23
2006 Honda – 3º piloto
2005 Bar/Honda.- piloto de teste
2004 Bar/Honda.- piloto de teste
2003 Bar/Honda.- piloto de teste
2002 Br/Honda –  piloto de teste
2001 Bar/Honda – piloto de teste; Campeão da Fórmula 3. Vencedor do GP de Pau da F3 com pole e volta mais rápida. Vencedor do GP de Spa da F3. 2º no GP da Inglaterra de F3. Vencedor do Malrboro Máster da F3, em Zandvoort
2000 Campeão inglês da Formula Ford. Vencedor do Festival Mundial da Fórmula Ford. Piloto jovem do ano da revista Autosport
1999 Campeão inglês da Fórmula Ford. Campeão do Aberto de Kart da Itália
1998 Terceiro no Campeonato Norte-americano de Kart
1997 Vice-campeão do Campeonato de Kart da Oceania
1996 Vice-campeão do Campeonato Europeu de Kart
1995 Campeão inglês júnior de kart
1994 Campeão inglês júnior de kart

História

Anthony Denis Davidson começou correndo de kart aos 8 anos de idade, ao lado de Jenson Button, e já aos 13 participou de competições da categoria. Depois de recordes tanto nacional quanto internacional, até 1999, passou, em 2000, para a Fórmula Ford e, em 2001, para Fórmula 3 inglesa. Ainda durante este último campeonato, começou a carreira na Fórmula 1, como piloto de teste da equipe BAR. Em 2002, fez sua estréia em corridas, disputando os GPs da Hungria e da Bélgica pela Minardi, substituindo Alex Yoong, mas, apesar do bom desempenho, não recebeu nenhum convite para integrar uma equipe em 2003. Nesse ano, continuou como piloto de teste da Bar/Honda e participou das 12 horas de Sebring (ficou em 2º lugar); das 24 horas de Le Mans (não terminou) e da Pequena Le Mans (foi 2º), pela Velogx Podrive Ferrari. Em 2005, ainda piloto de teste da Bar/Honda, função que exercia desde 2001, correu o GP da Malásia, substituindo Takuma Sato.

Em 2006, Davidson passou a terceiro piloto da Honda e, com 1min21s353 foi o mais rápido da segunda sessão de treinos da sexta-feira para o GP de Bahrein, o primeiro da temporada. Ficou quatro décimos à frente do heptacampeão Michael Schumacher, que fez 1min31s751 com sua Ferrari, e do austríaco Alexander Wurz, piloto de testes da Williams, com 1min31s764. Mas só no fim da temporada, no dia 15 de novembro, a Super Aguri anunciou a sua contratação para formar a dupla com Takuma Sato na temporada de 2007. Para não perder a oportunidade de chegar à categoria principal do automobilismo, Davidson aceitou a proposta de 180 mil dólares, praticamente a metade do que ganhava como terceiro piloto da Bar/Honda. Em entrevista, ele sempre deixou claro que seu foco era a F1 e só pensaria em alternativas se a Honda não lhe desse espaço. Como a Honda não deu, ele preferiu  agarrar a primeira chance que surgiu.

Davidson casou-se no dia 11 de agosto de 2006, com a empresária Carrie Bond e vive em Northamptonshire, a 80 quilômetros de Londres, cidade onde está o circuito de Silverstone e nasceu Lady Di. Tem como hobby a música, eletrônica (não larga do seu Playstation e viagens. Mesmo fora dos testes e das corridas não descuida do preparo físico. Com seu personal trainer, faz mountain bike, ciclismo e ginástica, principalmente para preparar os músculos do pescoço para resistir à Força G das curvas da F1. Nas horas vagas, faz longas caminhadas com seu cachorro “Rambo”.

Tido como inteligente, articulado e com personalidade brilhante, Davidson não tem boa impressão do Brasil. Numa entrevista à revista inglesa “PA Sport”, traduzida pelo Globoesporte.com, falando de circuitos, declarou:

“O do Brasil é terrível. O traçado não é bom, cheio de ondulações, o asfalto é uma porcaria. Os banheiros são uma porcaria, o paddock também é uma porcaria. E quando você deixa o autódromo, sente medo de perder sua vida. Tenho medo daquele lugar”.