06/05/16

Engenheiros de Verstappen foram demitidos

scuderia toro rossoA Toro Rosso aproveitou o salto do jovem Max Verstappen para a Red Bull, para fazer uma “limpa” na equipe, depois de que, no último GP da Rússia, surgiram sérias discussões dentro do boxe. Franz Tost, o principal responsável pela equipe, decidiu cortar relações e demitir Xevi Pujolar e Olivier Helving, engenheiro de pista e engenheiro de dados do piloto holandês, respectivamente. Esperava-se que os dois acompanhassem Max Verstappen, mas o holandês herdará a equipe de engenharia de Kvyat, incluindo o engenheiro de pista Gianpiero Lambiase.
Em sua conta no Twitter, Pujolar confirmou seu adeus:
“Realmente, aproveitei muito e me sinto orgulhoso do trabalho que fiz com a Toro Rosso. Agora é hora de se preparar para o próximo caminho. Obrigado, Faenza”.
Pujolar está nos esportes a motor desde 1995, passando do kart à Nissan World Series e à Fórmula 3000. Estreou na F1 em 2002, com Eddie Irvine, na Jaguar, e logo foi contratado pela Williams, onde trabalhou com Juan Pablo Montoya, Ralf Schumacher, Mark Webber e Alex Wurz, antes de se candidatar ao projeto espanhol da Hispânia, em 2009. Voltou à Williams para trabalhar com Pastor Maldonado, antes de ser contratado pela Toro Rosso em 2014.
No Twitter, Verstappen também se despediu de forma afetuosa de seu engenheiro de pista: “Fizemos um grande trabalho juntos, companheiro. Vai voltar mais forte que nunca”.
Rumores sugerem que ele se desentendeu com a Toro Rosso quando Helmut Marko admitiu que a tensão entre as garagens de Verstappen e Sainz Jr. estava saindo do controle.
“Havia algum tumulto entre Verstappen e Sainz. Desse jeito, estávamos resolvendo múltiplos problemas”, disse Marko ao jornal holandês De Telegraaf, explicando a decisão de promover Verstappen e pegar Daniil Kvyat de volta para a Toro Rosso.
O piloto holandês admitiu que estava surpreso como qualquer pessoa por sua promoção adiantada à Red Bull e diz que nunca pensou em ir para outra equipe. Acredita-se que o holandês assinou um acordo para pilotar para a equipe sênior em 2017 e as notícias dessa semana são vistas como um caminho para a Red Bull garantir seu contrato a longo prazo em meio aos interesses da Mercedes e da Ferrari.