12/03/19

Pirelli prevê corrida de apenas uma parada

A Pirelli lembra que a estratégia de para a única foi a vencedora no ano passado, em Melbourne, e dependendo da degradação dos pneus nos treinos livres, poderá ser adotada também neste ano. A fornecedora de pneus diz haver uma grande probabilidade de um safety car, o que afetará a estratégia e é uma das razões pelas quais a pole position não é tão crucial na Austrália quanto em outras corridas. O piloto da pole position venceu apenas uma vez nos últimos cinco anos…
A fábrica lembra também que, sendo um circuito de rua, a pista é particularmente verde e escorregadia no início do fim de semana, com solavancos aumentando a falta de aderência. Não há muitas curvas longas, o que significa que nem sempre é fácil levar os pneus até a temperatura ideal. Boa tração é fundamental para um tempo rápido, a fim de obter uma boa saída das curvas para as muitas retas curtas que caracterizam a pista.
O tempo é muitas vezes uma mistura, ajudando a tornar Melbourne uma das corridas mais imprevisíveis do ano. As previsões até agora sugerem que o tempo será nublado, mas seco.
Mário Isola, diretor de automobilismo da Pirelli revela que os compostos duros, médios e macios, C2, C3 e C4, deste ano selecionados para o GP da Austrália, são aproximadamente equivalentes aos compostos médios e ultramacios de 2018.
“Isso deve permitir que os motoristas acelerem com força desde o início até o final de cada etapa. Depois de um teste muito produtivo em Barcelona, nos sentimos satisfeitos que a faixa de pneus de 2019 atenda nossos objetivos de combinar desempenho com durabilidade. É claro que ainda há vários aspectos – como a degradação ao longo de um período – que só serão revelados após a prática livre na Austrália. Uma outra consideração importante na Austrália será ver como as novas regras aero funcionam e se isso leva a mais ultrapassagens – o que é difícil de estabelecer durante os testes ”, comenta Isola.