07/03/19

Paddy Lowe solicita afastamento da Williams

O diretor de tecnologia da Williams, Paddy Lowe, que já trabalhou com sucesso na McLaren e na Mercedes, pediu afastamento por motivos pessoais, segundo anunciou a equipe. Não está claro se o desligamento foi realmente voluntário ou se o engenheiro de 56 anos foi forçado a fazê-lo.
A separação de um dos engenheiros mais bem pagos da F1 aparentemente não será tão fácil. Lowe não apenas ocupa o cargo de Chief Technology Officer, mas também é acionista e membro do conselho da Williams. No paddock de Barcelona circularam rumores de que seria muito caro para Williams dispensa-lo por causa da alta indenização.
Lowe vinha sofrendo recentemente uma pressão crescente. A série de falhas da última temporada foi atribuída a ele, que lidera o departamento de desenvolvimento desde o início de 2017. O atraso na conclusão do atual FW42 também causou nas últimas semanas mais manchetes negativas.
Robert Kubica e George Russell só puderam começar a treinar dois dias e meio após o início dos testes. A chefe da equipe, Claire Williams, chamou esse período de uma grande decepção.
“É embaraçoso não colocar o carro na pista a tempo, enquanto todas as outras equipes o fizeram.”
No decorrer dos testes, a Williams também recebeu uma carta da FIA, em que os árbitros solicitaram melhorias nos espelhos externos e na suspensão dianteira do carro. Se não fizer as mudanças, a equipe pode ser desqualificada no início da temporada em Melbourne.
Alguns membros até duvidam que a equipe chegue a Melbourne com dois carros completos e peças de reposição suficientes. O perigo de uma dispensa de largada na abertura da temporada, no entanto, foi vigorosamente negado pela liderança da equipe.
Robert Kubica disse que testou apenas 20% de tudo que deveria ter verificado antes de ir para a Austrália, uma declaração que revelou o desconforto interno da equipe.