20/02/19

Fittipaldi comemora um dia muito produtivo

O brasileiro Pietro Fittipaldi retornou à pista nesta manhã em Barcelona, depois de ser pego de surpresa no fim da tarde da última terça-feira para assumir o carro da Haas após Kevin Magnussen ter um problema em seu assento, o piloto teve um dia melhor nesta quarta, segundo relara o Motorspot.com. .
Após fazer apenas 13 voltas na terça, ele conseguiu mais 48 voltas hoje apesar de ocasionar uma bandeira vermelha, por ser obrigado a parar seu carro devido a um problema elétrico.
“Foi bom, foi um dia muito produtivo, O carro estava muito confiável, consegui fazer toda a programação que queríamos, o que foi bom. Dei muitas voltas, fizemos algumas mudanças, algumas melhorias, e consegui um pouco mais de quilometragem, o que em um carro de Fórmula 1 é muito importante. Então, no geral, foi um dia muito bom. A única coisa foi que tivemos um problema elétrico pequeno que nos fez parar na pista apenas por precaução. Voltamos para a garagem, fizemos uma mudança rápida e já retornamos. Não foi nada muito grande, o que é bom.”
Falando sobre como tem estado ao lado dos pilotos oficiais da equipe, Kevin Magnussen e Romain Grosjean, Fittipaldi enalteceu o trabalho em equipe executado até aqui.
“Estamos dando um feedback bem parecido, o que é bom. Obviamente se eu fizer perguntas, Romain e Kevin ajudam muito. Já fiz perguntas sobre degradação de pneus e como eles administram isso, o que pode me ajudar. É um ambiente muito aberto, porque estamos aqui com o mesmo objetivo que é tentar fazer o carro da Haas o mais veloz possível. Estamos tendo sensações parecidas com o carro, o equilíbrio não está mudando muito. Sabemos as áreas que temos que trabalhar e vamos continuar fazendo isso. Mas áreas que queremos trabalhar eu não posso dizer, são secretas”, riu.
Por fim, Pietro falou um pouco sobre como foi andar junto da Mercedes de Valtteri Bottas durante algumas voltas nesta manhã.
“Fiquei algumas voltas atrás de Bottas hoje, decidimos isso porque estávamos fazendo um longo stint. Fiquei atrás dele para ver como o carro se comportava no ar sujo, como o equilíbrio mudava. Foi bom ter essa sensação e dar esses dados para a equipe. Acho que vou andar amanhã cedo novamente, se nada mudar e dividir o carro com o Kevin depois que Romain andar nesta tarde.”
Em declarações relatadas pelo site Grande Prêmio, Pietro fala do seu trabalho na Haas.
“Como piloto de testes, eu sei que a maior parte do trabalho que eu vou fazer na equipe é como piloto de simulador, mas também vai ser testando o carro, que é algo importante para mim. Para desenvolver também o programa de simulador da equipe, que ajuda muito. Você pode ter mais o feeling do carro, fazer o simulador mais perto possível do carro real, mas é também uma grande oportunidade poder testar e ajudar o time a desenvolver o carro. São muitas coisas que eles querem testar e isso é tudo muito bom”, destacou.

O site lembra que a abordagem de Pietro em 2019 é diferente da de 2018. Na ocasião, o brasileiro trabalhou em diversos fronts, com acordos para disputar Indy, Mundial de Endurance e Super Formula. A maior parte do projeto se frustrou quando ele sofreu um acidente grave no fim de semana das 6 Horas de Spa-Francorchamps, tendo fraturas nas duas pernas e precisando de meses para recuperar a melhor forma física.

“No começo do ano eu estava muito feliz porque ia competir em várias categorias, correndo muito. Acho que ia fazer uns 15 finais de semana, algo assim, e ia ser uma boa experiência para mim. Normalmente, quando vou guiar um carro novo, eu me adapto muito rápido e para mim não seria problema pular de um carro para outro. Você reage e se acostuma rápido, depois de três ou quatro voltas. Eu ia fazer quase o campeonato todo da Super Formula, mas aí teve o acidente em Spa e fiquei fora da maioria das corridas”, lamentou Fittipaldi. .