20/05/19

FIA vai padronizar o sistema de combustível

A FIA continua a pensar na nova regulamentação técnica da Fórmula 1, que será introduzida em 2021 e, nas últimas horas, lançou licitação para padronizar os principais elementos que compõem o sistema de combustível. O prazo para a apresentação de propostas para esses concursos é 15 de junho e a escolha do vencedor será feita a partir do mês seguinte.
Antes, a entidade já havia lançado outras licitações ao longo das últimas semanas para caixas de câmbio, rodas, sistemas de freios e materiais de fricção. Todas as licitações cobrirão as temporadas de 2021 a 2024, no entanto, a FIA acredita que os prazos podem ser estendidos até a temporada de 2025 e os fornecedores interessados poderão apresentar duas ofertas distintas.
A FIA está levando em consideração não apenas o aspecto relacionado à redução de custos, mas também o controle sobre o uso de combustível pelas equipes. Obviamente, o trabalho de monitoramento será muito mais simples se as equipes usarem os mesmos componentes.
Ao apresentar o mais recente concurso, a FIA admitiu:
“O objetivo do fornecimento único é manter os níveis atuais de desempenho do sistema de combustível de um motor a um custo menor para todas as equipes, eliminando a obrigação de projetar e fornecer seu próprio sistema de fornecimento para outras equipes. Os componentes podem ser usados em todas as temporadas, eliminando assim a necessidade de desenvolvimentos contínuos e custosos para melhorar o desempenho. O controle instantâneo do fluxo de combustível é essencial para garantir que todas as equipes consumam gasolina dentro do período de tempo e ter componentes comuns no sistema de combustível ajudará a tornar os controles da FIA mais eficazes.”
A FIA elaborou uma lista dos componentes para os quais o concurso foi aberto:
– bomba de combustível principal
– o amortecedor, se necessário
– bomba de gasolina de alta pressão
– os tubos entre a bomba de combustível principal e o acoplador na saída do tanque
– os tubos entre o acoplador na saída do tanque e a bomba de alta pressão.
Como acontece com os outros concursos da F1, a FIA compromete-se a fechar um acordo exclusivo apenas se o fornecedor provar que pode garantir um sistema eficaz e se haverá poupanças óbvias para as equipes.