01/05/19

FIA muda regras de embreagem na largada

FIA introduziu várias mudanças no controle de embreagem nas regras técnicas de 2020, publicadas ontem, para complicar o procedimento de largada para os pilotos e darem mais emoção ao show.
Além de obrigar os pilotos a ativarem a embreagem manualmente, o FIA irá monitorar, usando sinais de embreagem da unidade de controlo do motor, a fim de limitar qualquer vantagem a ser obtida através de um mapa do motor, de acordo com a portal dos EUA Motorsport.com.
No caso em que uma equipe querer usar duas pás de embreagem no volante, a forma, o mapeamento e operação dos dois devem ser iguais, como descrito na secção F do artigo 9.2.1 da regulamentação técnica para a temporada 2020.
“Para garantir que os sinais usados pela unidade de controle do motor da FIA representam as ações do piloto, cada competidor deve demonstrar que a porcentagem do came calculada pela unidade de controle do motor não varia mais do que 5% do motor”.
Essa medida tem o objetivo de fazer com que as saídas dependam mais do piloto e menos da tecnologia, como resultado do que muitos reclamam que pilotar uma Fórmula 1 não é tão difícil quanto era antes.
A FIA também agiu para acabar com o uso de óleo como combustível. As regras especificam que deve haver apenas um tanque de combustível auxiliar dentro do carro. Não pode haver mais de 2,5 litros de combustível no tanque auxiliar e na conexão com o motor.
A quantidade de combustível que pode estar fora da célula de sobrevivência também foi reduzida de dois litros para 0,25 litros, para evitar qualquer tipo de truque nesta área ou a mistura de óleo com combustível.
Finalmente, a FIA anunciou mudanças nos espelhos retrovisores, que serão colocados em caixas menores para reduzir a vantagem aerodinâmica que pode ser obtida graças a eles. Estes serão posicionados mais para dentro para melhorar a visibilidade, devem aproximar 30 milímetros da célula de sobrevivência e ser 40 milímetros abaixo.
A FIA descartou o acréscimo de uma Q4 ao formato de qualificação para a temporada de 2020. A proposta não reuniu apoio suficiente, por isso não aparece nas regras da próxima campanha, publicada ontem pela FIA.
A proposta descartada contemplava a adição de uma quarta fase à classificação. Isso consistia em eliminar quatro pilotos em cada um dos três primeiros estágios da classificação, deixando apenas oito em uma intensa luta final de dez minutos pela pole position.
A qualificação continua com este ano:
“Durante os primeiros 18 minutos da sessão, Q1, todos os carros estão autorizados a estar na pista e no final deste tempo, proibir os cinco carros mais lentos continuar a participar na sessão. Depois de um hiato de sete minutos, começam os 15 minutos de Q2 e os 15 carros restantes terão permissão para sair na pista. No final deste tempo, os cinco carros mais lentos são proibidos de continuar a participar na sessão. Depois de um intervalo de oito minutos, a sessão será encerrada com uma Q3 de 12 minutos em que os dez carros restantes serão permitidos na pista “