10/05/19

Ferrari não quer exceder a troca de motor

A Ferrari pretende evitar as penalidades por ultrapassar os limites na troca de unidades de potência de Sebastian Vettel e Charles Leclerc, depois de ter recorrido a um segundo equipamento antes do planejado, diz Mattia Binotto, diretor da equipe.
Cada piloto é permitido três motores para o campeonato de 21 corridas, ou seja, cada unidade geralmente precisa cobrir sete corridas, mas Binotto enfatiza que “não é o plano” da equipe usar mais de três motores por piloto. “A introdução antecipada não significa que ainda não podemos usar P1 em algumas corridas, isso pode ser uma opção”, explicou ele. “Mas não esperamos ter quatro motores por temporada por piloto.”
A equipe originalmente pretendia estrear sua nova especificação de motor no GP do Canadá em quatro semanas. Binotto disse que sua introdução, e outras melhorias, foram antecipadas em resposta à sua fraca exibição no Grande Prêmio da Austrália.
“Obviamente, quando você está planejando uma mudança em sua agenda ou planejamento, você precisa fazer isso algumas semanas atrás. Não é algo que decidimos na semana passada. Tendo começado a temporada em Melbourne, reconhecemos que, de alguma forma, podemos estar atrasados em nosso desempenho em comparação com nossos concorrentes. Tentamos simplesmente empurrar todos os principais itens em que já estávamos planejando desenvolvimentos e estávamos simplesmente procurando oportunidades e antecipando alguns dos problemas. Nós já fizemos isso com um pacote aerodinâmico em Baku que foi de alguma forma apresentado mais cedo. Nós fizemos isso aqui também para a unidade de energia. Você simplesmente consegue isso tentando, às vezes, atalhar ou intensificar a atividade.
A Ferrari e a Leclerc estão em seu segundo de três motores, o segundo de dois conjuntos de controle eletrônico, e os MGU-H, MGU-K, turbocompressor e bateria originais.