23/04/19

Equipes usarão pneus diferentes em Baku

Como na última etapa, na China, a Pirelli leva para Baku o C2 como o pneu duro; o C3 como o pneu médio e o C4 como o pneu macio. E as três equipes principais escolheram compostos diferentes para a pista do Azerbaijão. A Red Bull selecionou a maioria dos conjuntos de pneus macios, seguida pela Mercedes, enquanto a Ferrari escolheu os pneus menos macios de qualquer equipe.
No seu informe de antes da corrida, a Pirelli lembra que Baku é o circuito de rua mais longo e mais rápido do calendário de Fórmula 1, graças a algumas longas retas que formam a maioria da pista de 6.003 quilômetros: a segunda mais longa, depois de Spa. As velocidades são altas, a pista é estreita – e essa combinação causou alguns incidentes no passado, diz o comunicado da fábrica italiana.
Baku é conhecida como a “cidade dos ventos” – que tem um efeito sobre a aerodinâmica. No passado, as temperaturas da pista eram muito altas, mas o tempo estava bom. As longas retas têm o efeito de resfriar os pneus dianteiros em particular – um pouco como a China – o que pode causar um risco de travamento dianteiro.
No ano passado, a corrida foi vencida com uma estratégia de duas paradas, mas isso foi influenciado por dois carros de segurança. De fato, o safety car esteve nas últimas duas das três corridas do Azerbaijão realizadas até o momento, portanto todas as estratégias precisam ser flexíveis.
Como é sempre o caso em um circuito de rua, a superfície tende a ser ‘verde’ e escorregadia no começo do fim de semana, e a aderência é afetada por características como linhas brancas e mudanças na superfície. A degradação é geralmente baixa na superfície lisa. .
Outro fator que afeta os níveis de aderência é o fato de existirem manchas de luz e sombras ao longo do circuito, que é no centro e cercado por prédios altos. Isso significa que a temperatura da pista pode variar de diferentes partes do circuito.
Mario Isola, o chefe de automobilismo da Pirelli comenta:
“O principal desafio em Baku é equilibrar os eixos dianteiro e traseiro, mantendo os pneus dianteiros e traseiros na faixa de operação correta. É uma pista bastante variada, com uma reta muito longa de dois quilômetros e também algumas curvas mais técnicas. A frequência do safety car também costuma causar dor de cabeça – ou talvez uma oportunidade – para os estrategistas. Os pneus que nomeamos do meio da nossa gama devem estar bem adaptados às exigências mistas de Baku, mas é sempre uma das corridas mais difíceis do ano a prever. Este é frequentemente o caso de um circuito de rua, mas Baku é o circuito de rua menos convencional do calendário, com as altas velocidades de uma pista convencional bem como uma volta muito longa.