13/01/19

Ao carro da Ferrari só falta o nome oficial

Segundo a revista Autosprint, na Ferrari, falta só o nome oficial para o carro de 2019, que será apresentado no dia 15 de fevereiro. O modelo, por enquanto só conhecido pelo código de “670”, já está tomando forma e vazaram rumores que permitem delinear contornos em algumas áreas já definidas em detalhes. Não se espera uma reviravolta dos conceitos básicos do projeto SF71H, mas provavelmente será uma profunda evolução. Parece, diz revista, que o novo carro terá características únicas e refinadas, na área aerodinâmica, mas também em outros aspectos. As laterais serão recuados cerca de 5-6cm e caracterizados por uma parte posterior afunilada, mais acentuada, mas acima de tudo seguirão um desenvolvimento volumétrico diferente. Na prática, graças ao reposicionamento de pacotes radiantes, com uma inclinação diferente em relação aos do SF71H, o perfil externo do corpo deve aparecer bastante rudimentar, reduzindo o corte vertical, na retaguarda. Seria o resultado de evolução contínua e do conceito de miniaturização dos lados dos dois modelos anteriores, ainda mais crucial neste ano para os fluxos que volta em direção ao eixo traseiro. Este processo evolutivo ocorreu nos últimos dois anos, graças a uma eficiência cada vez maior do sistema de refrigeração.
Já o site http://www.newsf1.it/ informa que o W10 terá uma configuração neutra, seguindo os conceitos do carro anterior da Mercedes, favorecida pelas novas regras das asas dianteiras, que exaltarão os ativos neutros.
Paul Filisetti “La Gazzetta dello Sport” mostrou que, como o Mercedes usa uma inclinação de 1,2 graus de ângulo de ataque do fundo, será menos afetada pela simplificação das asas, que se tornará mais ampla e desprovida de aerofólios. O novo W10 manterá o ritmo do carro inalterado mesmo se for adotado um chassi um pouco mais longo do que o antigo. A suspensão traseira será modificada e refinada, após o remake total que ocorreu na segunda parte da última temporada. As laterais são colocadas mais atrás, enquanto uma espécie de revolução afetará a unidade de potência.
A Mercedes decidiu refazer completamente a unidade. Parece haver uma grande melhoria da parte híbrida, com uma fase melhorada de potência máxima e menos tempos de carga. Os círculos perfurados na parte traseira serão mantidos, uma solução que está sendo copiada pela Red Bull e não pela Ferrari.
O W10 terá a difícil tarefa de igualar o recorde de seis títulos consecutivos de construtores obtidos pela Ferrari entre 1999 e 2004.