20/02/19

Afinal, o FW42 da Williams vai para a pista

Com dois dias de atraso em relação às outras equipes, afinal, a Williams mandou à pista o FW42, seu novo carro para a temporada de 2019.
Os mecânicos trabalharam a manhã toda no carro novo e a espera finalmente chegou ao fim. George Russell, às 13 e 27 do Brasil, foi empurrado para fora da garagem com seu novo carro. A rodada de instalação ocorreu sem grandes dramas. Na primeira passagem pelos de 4.655 metros da pista, Russell rodou em um ritmo bastante moderado.
Na análise da revista Auto Motor und Sport, tecnicamente, à primeira vista, não nada muito novo no FW42. Não há muito o que descobrir no nariz com o S-slot e a “asa do cabo” embaixo da extremidade dianteira. A asa dianteira parece relativamente simples. Como a Mercedes e a Red Bull, a Williams tem uma versão com relativamente menos downforce.
Apenas a suspensão dianteira, com os triângulos superiores montados, vale a pena olhar mais de perto. As tomadas de ar nos suportes das rodas baixaram. Os novos espelhos retrovisores, que se projetam longe da borda do cockpit, são os prescritos pelos regulamentos. As caixas dos espelhos estão abertas como na Red Bull, e desviam o fluxo de ar para a parte traseira.
A aleta do capô, que cai para trás, ganhou uma extensão quadrada na altura do número inicial, como na McLaren. A asa traseira é projetada convencionalmente,sem grandes fendas e franjas.
A nova pintura é provavelmente a maior mudança no carro. Mas os fãs precisam se acostumar com o novo visual. As primeiras análises nas redes foram devastadoras. O novo design da Williams dificilmente poderia inspirar um fã. As listas azul-vermelho-branco da Martini foram substituídas pelos logotipos do fabricante de telefone móvel e especialista em Wi-Fi RoKit, que, como patrocinador principal, contribuirá no futuro com uma grande parte do orçamento da equipe. Os logotipos do novo parceiro podem ser encontrados com destaque no capô, nos defletores e na asa traseira. Outro novo parceiro é a empresa polonesa de petróleo mineral PKN Orlen, que se associou à Williams graças a Robert Kubica.