02/05/19

A perda de tempo não foi culpa de Hamilton

Lewis Hamilton não foi o culpado pelo tempo perdido no final do período do Virtual Safety Car no Grande Prêmio do Azerbaijão, como ele próprio havia admitido. “Eu perdi dois segundos e meio, ou seja, lá o que for, sob o VSC. Isso foi minha culpa e algo em que vou trabalhar.”, disse ele após a corrida de domingo.
No entanto, o diretor de estratégia de automobilismo da Mercedes, James Vowles, explicou que a perda de tempo se deveu em parte ao tempo do período do VSC e sua necessidade de fazer alterações nas configurações do motor.
“Pedimos a Lewis para fazer uma série de mudanças, o que é normal, para colocar o carro em um modo mais” performático”. Mas a cada mudança, ele perdeu de vista o que era o tempo do delta. O outro fator que contribuiu para isso foi que, se você estiver em uma linha reta e o VSC acabar, tudo o que você precisa fazer é acelerar e seguir em frente. Mas Lewis não estava, ele estava em uma zona de frenagem para um VSC, uma das situações mais difíceis, porque é muito difícil modular onde você está no delta e se preparar para o reinício do VSC. Uma combinação de tudo isso significa que Lewis não cometeu um erro”, esclareceu o engenheiro.
Após a corrida, Hamilton pediu para modificar a maneira de mostrar as informações em seu painel e a Mercedes vai agir para que o problema do Azerbaijão não se repita na Espanha.
“De nossa parte, podemos trabalhar para melhorar o que aparece no painel e nós vamos fazer isso. Conforme a posição onde você está quando há um carro de segurança não se pode fazer qualquer coisa, é sempre a mesma, é uma loteria”, disse Vowles no vídeo que Mercedes publicou após o Grande Prémio do Azerbaijão.