26/04/19

A Mercedes volta a usar a asa serrilhada

A  Mercedes volta a usar no Azerbaijão a asa traseira serrilhada, solução aerodinâmica usada em 2016m quando Nico Rosberg foi campeão mundial. Fotografia do técnico Giorgio Piola, publicada pelo site motorsport.com e imagens divulgadas pela FIA durante a transmissão do treino desta sexta-feira, mostram pequenas serrilhas no bordo de fuga do spoiler traseiro do W10.
O Motorsport.com lembra ser um conceito que a Mercedes experimentou pela primeira vez em 2015, antes de desenvolvê-lo ainda mais para a temporada seguinte, após adaptações, cujos benefícios.
Ao fazer a asa trabalhar mais, as serrilhas permitem um ângulo de ataque mais íngreme antes da separação do fluxo de ar. Ao mesmo tempo, a extensão da superfície parece melhorada, reduzindo o arrasto. Além disso, sempre no comentário do site, o design serrilhado ajuda a ‘reenergizar’ o fluxo de ar, fazendo com que a asa tenha um desempenho mais consistente quando o DRS (sistema de redução arrasto) é ativado.
Eles também podem ajudar a redirecionar o fluxo de ar mais rapidamente quando o DRS é fechado, algo que é muito importante em uma pista como Baku, que alterna retas longas com curvas muito fechadas. No GP do Azerbaijão do ano passado, a Mercedes colocou uma fita serrilhada na asa traseira durante os treinos para testar o efeito que teria na pista. A equipe acabou não utilizando a solução. No entanto, parece que os resultados de seus testes em 2019 foram positivos o suficiente para que se comprometam com um projeto personalizado desta vez. A Mercedes também reduziu sua asa T para apenas um único elemento, diminuindo ainda mais o arrasto, conclui o relato do Motorsport.com.
O site Automotor und Sport diz que, na Ferrari, os engenheiros foram além das mudanças habituais na corrida de Baku. Os carros também foram alterados na parte inferior da carroçaria e nos deflectores. E essas foram as primeiras grandes atualizações do SF90 nesta temporada.

Uma mudança com um passado triste pode ser vista em Haas, registra o Automotor und Sport. No nariz do carro da equipe norte-americana há três vezes a letra “A”, emoldurada por um coração, com a inscrição “In Loving Memory”. É uma homenagem aos três filhos do dinamarquês Anders Holch Povlsen, mortos nos ataques terroristas no Sri Lanka. Povlsen é o dono da cadeia de moda “Jack & Jones”, um patrocinador privado de Kevin Magnussen