20/04/19

Vettel diz que se considera no melhor momento da carreira

Sebastian Vettel acredita que esteja no seu melhor momento como piloto, apesar das críticas, não vê uma retirada da Fórmula 1 a curto prazo.
O alemão explicou que se sente no topo do seu nível de direção, mas é autocrítico e muito ambicioso ao estabelecer metas.
“Neste momento, sinto que estou no meu melhor nível, sinto que sei o que estou fazendo e sou muito autocrítico, sou ambicioso e tenho grandes expectativas”, disse ele à TV ESPN.
O tricampeão mundial reconheceu que não pensa em sua aposentadoria da categoria no curto prazo. Seu contrato com a Ferrari expira no final da campanha de 2020.
“Não é uma opção se aposentar amanhã. Estou muito feliz quando estou dirigindo, é verdade que há um contrato, mas isso é um pedaço de papel, vamos ver o que acontece”, explicou.

Apesar de sua experiência no esporte, o alemão ainda gosta de tempo que fica atrás do volante do carro.
“Eu amo dirigir, a sensação de velocidade e gosto de lutar contra esses caras admitiu.
O ex-técnico da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, deu a entender que Vettel poderia deixar as corridas para passar mais tempo com sua família. O piloto brincou com a possibilidade de passar mais tempo que o britânico na categoria.
“Eu não vou estar na Fórmula 1 tanto tempo quanto ele, com certeza, mas espero estar tão magro e em forma como ele é quando crescer”, brincou.
Mas, em entrevista ao “The Times” no mês passado, Vettel lançou dúvidas sobre seu futuro na F1 a longo prazo por causa das grandes mudanças planejadas para 2021, acrescentando que o campeonato é agora “mais um show e um negócio do que um esporte”.
Depois de perder o campeonato no ano passado, em uma luta direta contra Lewis Hamilton, Vettel está atualmente em quarto na classificação após um início de ano misto com apenas um pódio em três corridas.
A Ferrari mostrou grande promessa em testes de pré-temporada, mas não cumpriu esse potencial em corridas e tem sido criticada por uma série de ordens de equipe que favoreceram Vettel sobre seu companheiro de equipe emergente, Charles Leclerc.
As críticas provocaram violenta reação da Vettel contra a imprensa, especialmente a italiana. Na opinião dele, a mídia distorce a informação objetiva.
“Não é verdade, é apenas um jornalismo pobre, do meu ponto de vista. No entanto, eu não sou um jornalista para julgar, então você não deve tomar minha opinião pessoalmente. Eu sou um pouco contra o modo como todos vocês trabalham, porque você fica com partes das respostas aqui e ali e você dá a abordagem errada”, reclamou.
Quando perguntado se na China pediu à equipe para que o deixasse passar para evitar prejudicar o ritmo carreira, respondeu:
“No momento em que estava acontecendo, eu sabia que teria que enfrentar essas questões. Eu não tenho certeza se eu quero responder, porque eu sou um pouco contra a maneira de trabalhar de todos vocês, porque você ficar com porções das respostas aqui e ali e você dá a abordagem errada. Portanto, se você me perguntar novamente em meia hora no paddock, talvez eu dê uma resposta direta, não para escrever ou gravar, essa parece ser a maneira pela qual, talvez nem todos vocês, mas alguns de vocês, trabalham. Percebi que eu estava mais rápido no carro, eles me perguntaram se eu poderia ir mais rápido e eu respondi que eu pensava assim “, acrescentou.
Ele alegou que é “frustrante” constantemente a receber perguntas sobre o número 1 e número 2 na Ferrari: “é um incômodo responder às mesmas perguntas repetidas vezes”.
“A prioridade sempre será a equipe. Esse tipo de coisa nunca é agradável, mas é um pouco do tipo “aquele que semeia, colhe”.