17/11/19

Verstappen passa por Hamilton para vencer o GP do Brasil

Graças aos pneus mais novos, contra os já desgastados do rival, Max Verstappen ultrapassou Lewis Hamilton ao faltarem 11 voltas para final, recuperou a liderança e ganhou o Grande Prêmio do Brasil 2019. Foi a 8ª vitória dos três anos da carreira do piloto holandês da Red Bull, que completou as 71 voltas de Interlagos em 1h33m14s678.

Pierre Gasly, da Toro Rosso, foi o segundo colocado, conquistando o primeiro pódio da carreira. Hamilton cruzou a linha em terceiro, mas foi considerado culpado por um choque que tirou da pista Alexander Albon, da Red Bull, que era o segundo colocado, e, punido com 5 segundos no tempo final, perdeu o lugar no pódio para o espanhol Carlos Sainz, da McLaren, que havia largado da última posição.

Além do surpreendente segundo lugar da Gasly e das alternâncias de posições entre Verstappen e Hamilton, tanto na pista quanto nos boxes, a corrida foi marcada por um choque entre Sebastian Vettel e Charles Leclerc, que tirou da pista os dois pilotos da Ferrari. Outro destaque da melhor corrida da temporada da F1 foi a atuação do espanhol Carlos Sainz, que largou a última posição e cruzou a linha de chegada no 4º lugar e acabou no pódio. A volta mais rápida foi de Valtteri Bottas, na 43ª, com 1m10s698.

A prova de Interlagos se desenvolveu com tempo bom, temperatura ambiente de 20 graus e da pista entre 48 e 47. Os dez primeiros colocados largaram com pneus macios e a maioria dos demais preferiu os médios.

Verstappen fez uma boa largada, puxou o carro para dentro e, sem nenhuma ameaça na freada, manteve a pole com tranquilidade. Mas o mesmo não aconteceu com Sebastian Vettel, segundo do grid, que freou cedo demais e ainda na primeira curva foi ultrapassado por fora por Lewis Hamilton. Valtteri Bottas, 4º no grid, também foi superado por Alexander Albon. Charles Leclerc, que saiu da 14ª posição, logo na saída passou por três adversários e chegou ao 10º lugar. Na volta 5 ele já era 8º e na 7 pulou para o 7º lugar. Nas primeiras voltas Sainz também subia de posição, pulando do 20º para o 15º lugar.

Na volta 8, na curva 4, Ricciardo jogou Magnussen para fora da pista e os dois puderam continuar na pista, mas o australiano teve que trocar pneus e foi punido com um stop&go, o que ajudou Sainz a pular para 13º.

Hamilton fez sua primeira parada na volta 21, colocando de novo pneus macios, indicando que faria um segundo pit stop, para colocar um segundo composto, como exige o regulamento. Verstappen parou na volta seguinte, também colocando ainda pneus macios, indicando, igualmente, uma segunda parada. O holandês, atrapalhado por Kubica na saída da pit lane, voltou em 5º, depois de Vettel, Bottas, Albon e Hamilton, mas na volta 23, passou por Hamilton e Albon, ocupando a 3ª posição.

Vettel passou na volta 26 e colocou pneus médios, apontando para uma parada só, e Bottas fez seu primeiro pit na volta 27, colocando pneus duros. Na volta 30, os primeiros colocados eram Verstappen, Hamilton, Vettel, Bottas, Albion e Leclerc. A essa altura, Hamilton rinha dúvidas sobre o comportamento do carro e perguntava à equipe se tinha algum problema de motor, porque estava difícil seguir o ritmo de Verstappen. E também achava que tinham errado na troca de pneus e o melhor teria sido usar os médios. Ele fez essa troca na volta 44, voltando em 3º, e Verstappen fez o mesmo na 45, ganhando a 2ª posição nos boxes.

Um dos momentos mais atraentes da corrida aconteceu entre as voltas 46 e 48, com intensa disputa entre Bottas e Leclerc. Mesmo com asa aberta várias vezes, o piloto da Mercedes não conseguiu ultrapassar o rival, cujo carro era bem mais rápido nas retas.

A corrida começou a ser decidida na volta 52, quando o motor de Bottas fumou e ele teve de parar ao lado da pista provocando a entrada do safety car. Verstappen parou para trocar pneus, mas Hamilton continuou na pista, para assumir a liderança. O carro de segurança saiu na volta 59 e na 60, com pneus de apenas 6 voltas lentas, Verstappen aproveitou o vácuo e ultrapassou Hamilton, com compostos já desgastados por 15 voltas. Albon também passou por Vettel, para ser 3º.

Na volta 67 aconteceu o desastre que alijou os dois carros da Ferrari da corrida. Leclerc passou por Vettel na curva e quando os dois se emparelharem na saída da curva 1, numa zona de DRS, o alemão mudou de trajetória e tocou no pneu traseiro de Leclerc, provocando o abandono de ambos.

Hamilton aproveitou a nova entrada do safety car para fazer um novo pit stop, voltando em 4º, atrás de Verstappen, Albon e Gasly. Na saída da segurança, na volta 69, Hamilton passou por Gasly, mas em seguida chocou-se com Albon, tirando o tailandês da corrida, perdendo a segunda posição para o piloto da Toro Rosso. O inglês foi considerado culpado pelo incidente e perdeu para Carlos Sainz o terceiro lugar no pódio.