05/04/19

Ultrapassagens podem crescer 50% em algumas corridas

O chefe técnico de automobilismo da FIA, Nikolas Tombazis, afirma que as simulações mostram que, graças às mudanças aerodinâmicas, pode haver um aumento de 50% nas ultrapassagens em algumas corridas nesta temporada.
Como se sabe, asas, placas laterais e dutos de freio foram simplificados para facilitar a perseguição ao carro à frente e aumentar o efeito do sistema de redução de arrasto. Na abertura do campeonato, na Austrália, os efeitos não foram muito evidentes, em função das características do circuito de Albert Park. O último fim de semana no Bahrein, em um circuito mais convencional, onde uma terceira zona do DRS também foi adicionada, mostrou que as modificações têm impacto.
A FIA se sente otimista com os dados que tem e espera mais corridas emocionantes para este ano.
“Nós não esperamos um grande delta na Austrália, porque é uma pista difícil de ultrapassar de qualquer maneira. Algumas simulações mostraram um aumento de 10% nas ultrapassagens. Em outras corridas, as mesmas simulações mostram um aumento de, possivelmente, 50%”, revela Nikolas Tombazis na revista Auto da FIA.
“Essa é a informação que temos agora, mas ficará mais clara ao longo da temporada. Não esperávamos milagres na Austrália, mas no geral esperamos um passo na direção certa por causa da aerodinâmica”, ele insistiu.
Embora acredite que tenham aproveitado ao máximo as decisões para esta temporada, Tombazis admite que as coisas poderiam ter sido melhoradas. Ele considera 2019 como um ano de aprendizado, para se ir mais com mais segurança em direção à revolução de 2021.
“Aumentar a asa traseira foi uma aposta segura e uma solução para uma situação que estava ficando pior. Depois de ver os carros no teste e algumas soluções, há certamente algumas coisas que teríamos feito de forma diferente, mas isso sempre acontece. Em geral, estou satisfeito com a direção que seguimos com a aerodinâmica, não acho que tenhamos chegado ao ponto final e que possamos nos sentar e dizer ‘OK, está tudo bem’. De qualquer forma, eu acho que se não tivéssemos passado por esse processo, estaríamos em uma situação pior. Para o que estamos tentando realizar, 2019 tem sido um exercício muito útil. Se a temporada vai ser empolgante, vai depender da competividade dos times”, afirmou Tombazis.