07/04/19

Senna teve encontro com a Ferrari 4 dias antes de morrer

Em declarações o podcast da FIA “Beyond the Grid”, Luca di Montezemolo, ex-presidente da Ferrari, revelou que num encontro secreto, 4 dias antes de sua morte, Ayrton Senna manifestou seu desejo de ser campeão pela escuderia italiana.
Montezemolo diz ter jantado com Senna, na Itália, na quarta-feira, quatro dias antes do domingo que chocou o mundo do automobilismo.
“Eu o convidei para jantar na minha casa em Bologna, na quarta-feira. Minha casa ficava cerca de 30, 40 minutos de Ímola. Nós nos encontramos às 19h e depois dirigimos para Ímola. Eu disse: ‘Quero achar uma forma de ter você no fim da temporada’. Ele disse: ‘Eu assinei com a Williams, mas se tivesse a oportunidade preferiria a Ferrari'”.
Senna tinha contrato com a Williams por pelo menos dois anos, mas segundo Montezemolo, considerou mudar de rumo no meio do caminho. “Ele disse que consideraria, se tivesse opções dentro da legalidade, de se juntar a nós após 1995”.
Montezemolo lembrou o sonho de Senna:
“Ele me disse: ‘Eu quero encerrar minha carreira na Ferrari e ser campeão mundial na Ferrari'”.
Montezemolo ainda disse que em 1993 queria que Jean Todt levasse Senna, sem se entender com a McLaren, após mais um vice da Ferrari. Mas Gerhard Berger já havia sido contratado para a escuderia ao lado de Jean Alesi.
Envolvido na direção da Fiat e colaborando na organização da Copa do Mundo de futebol da Itália, Luca diz ter passado algum tempo longe da Ferrari. Após seu retorno, percebeu que era hora de reconstruir a equipe para voltar ao topo, onde não estava desde 1979, em termos de campeonatos de pilotos, e desde 1983 de construtores.
Ele disse que Jean Todt não tinha experiência na F1, mas conseguiu gerenciar equipes de corrida e vencer, tanto em rali, com a Citroën, quanto em protótipos esportivos com a Peugeot, com quem também teve uma longa carreira. Di Montezemolo agradeceu muito a Todt por tudo que deu à Ferrari e por sua lealdade e mencionou que tinham um relacionamento pessoal fantástico.

Sobre Schumacher Montezemolo declarou:
“Michael veio para a equipe na hora certa. Foi minha decisão, Todt não estava em condições de tomar essa decisão, mas ele compartilhou imediatamente.”
Michael foi crucial no sucesso da Ferrari, de acordo com Luca, e sem ele não teriam conseguido o que conseguiram. Ele também admitiu que Schumacher tinha um “pouco mais que um superpiloto”.