02/02/19

Sem ajuda do governo, GP do México 2020 está ameaçado

O Grande Prêmio do México corre sério risco de desaparecer do calendário da Fórmula 1 a partir de 2020, porque o novo governo vai deixar de apoiar economicamente o evento. Embora a edição deste ano não corra perigo, a de 2020 poderá ser cancelada depois da decisão do novo governo de Andrés Manuel López Obrador de transferir os recursos para a Tren Maya, linha ferroviária que correrá pelo Peninsula de Yucatan.
O site soymotor.com registra que, apesar de ter conseguido o prêmio de “melhor evento do ano” da F1 pelo 4º ano consecutivo e das corridas espetaculares no Autódromo Hermanos Rodrigues, não será fácil aos os mexicanos continuarem na principal categoria do automobilismo.
Depois da eleições do ano passado, a mudança de governo foi um duro golpe para os amantes da F1. A prefeita da Cidade do México, Claudia Sheibaum Prado informa que o Grande Prêmio custa 400 milhões de pesos, cerca de 18,28 milhões de euros, e eles não estão dispostos a desembolsar essa quantia depois de 2019.
“Temos negociado coma OCESA para ver se se pode baixar essa quantia ou se há outras alternativas, e a partir disso será adotada a decisão de continuarmos com a F1 a partir de 2020 ou se isso será muito oneroso para a cidade”, afirmou a prefeita ao jornal El Sol de México.
“O Governo Federal já não prevê esse recurso para 2020, porque está destinando maior parte do fundo para a construção do Tren Maya. Para a Cidade do México é muito dispendioso pagar 400 milhões de pesos para a realização da F1”, conclui Claudia Sheibaum.
O México retornou ao calendário da F1 em 2015, depois de estar ausente por 21 anos. De 1986 a 1992 foi realizado na pista do Hermano Rodrigues, enquanto o Magdelena Mixhuca foi a primeira casa do GP do México de 1963 a 1970.
O Autódromo Hermanos Rodriguez é um dos cinco circuitos que não têm contrato para além da temporada de 2019, junto com o Circuito de Barcelona- (Espanha), Silverstone (Grã-Bretanha), Hockenheim (Alemanha) e Monza (Itália), outras pistas que ameaçam deixar o calendário da F1.