22/01/19

Pirelli quer desenvolver já em 2019 os pneus para 2021

A Pirelli quer começar a desenvolver os pneus de 2021 na segunda metade da temporada de 2019 e já está em conversas com equipes para ter carros que repliquem os novos modelos.
A mudança de regulamento prevista para 2021 prevê carros da F1 com menos apoio aerodinâmico para incentivar as ultrapassagens. Também terão talas mais largas, passando das 13 polegadas atuais para 18, para dar um aspecto mais agressivo ao monoposto.
Mário Isola, representante da Pirelli na F1, diz que tais mudanças afetarão tanto a energia dos pneus como sua interação com o asfalto e integração ao carro.

“Queremos desenvolver os pneus de 2020, que será o último ano de borrachas de 13 polegadas e começar a desenvolver o pneumático de 18 polegadas na segunda metade de 2019. Esse é nosso plano para esta temporada”, explicou em encontro coma imprensa, na sede central da Pirelli, em Milão.
Iso ressalta que serão precisos carros modificados para o processo de desenvolvimento, pois o aumento da tala obrigará a mudança da suspensão. É uma situação similar à de 2016, quando foram preparados monopostos específicos para isso.
“Estamos trabalhando duro para ter algo. Gostaríamos de fazer alguma sessão de provas com um carro híbrido e os pneus de 18 polegadas, depois das férias de inverno. Sei que é um desafio, mas estamos trabalhando com esse calendário. Não definimos nada ainda. Estamos discutindo com a FIA e com as equipes. Por enquanto, não há nenhum plano, mas é algo que definiremos logo”, explica Isola.
O italiano confessa que o pneu de 2021 é o maior desafio da Pirelli na F1.
“O primeiro desafio foi o pneu largo de 2017, porque em 2016 nos obrigaram a desenvolver uns pneus para carros que seriam cinco segundos mais rápidos. Somos gratos às três equipes, Mercedes, Ferrari e Red Bull, que nos deram carros para fazer esses testes. Em 2021 teremos que administrar pneus de18 polegadas e sem mantas térmicas. Será um duplo impacto no produto”, completou.
Isola informou também que os cinco pneus da Pirelli para 2019 poderão ser identificados ao simples olhar nos treinos da pré-temporada, em Barcelona. A fábrica italiana introduzirá uma escala de cores extraordinária, para que os fãs saibam a todo momento que composto está na pista. Não haverá um nome fixo por composto, que dependerá da escolha para cada corrida. O mais conservador será o “duro’, De cor branca; o intermediário será o “médio”, amarelo, e os mais rápido será o “macio”, vermelho.
O pneu mais duro será o C1 (C de composto), reconhecido pelo logo da Pirelli e o emblema de P Zero em branco. O C2 também será branco, mas terá o contorno circular das últimas temporadas. O C3 será amarelo e o C4, vermelho. O mais rápido, o C5, também será vermelho, mas sem o contorno circular.
“Tínhamos ideia de usar as mesmas cores de 2018, mas isso geraria mais confusão. Em Barcelona será possível identificar todos os pneus com esse sistema. A FOM e a Liberty nos disseram que poderia haver uma certa confusão na hora de identificar as rodas de cada carro e se decidiu simplificar dessa maneira para melhor compreensão através da televisão”, explica Isola.

“Os compostos tendem a ser um pouco mais duros do que no ano passado e as equipes terão de evitar uma segunda parada, pois podem não se recuperar na pista. Com base nas corridas de uma única parada de 2018 e com os 5 quilos a mais de combustível, os pilotos não terão problemas para cobrir o percurso da corrida com dois compostos”, garante Isola.
Os pneus para chuva extrema continuarão azuis e os intermediários, verdes.
“Melhoramos os dois tipos, com maior período de uso e com maior facilidade para que o piloto note quando começa a perder aderência. As corridas com muita chuva continuarão limitadas, pois não dependem só da capacidade de evacuar a água dos pneus, como da falta de visibilidade, devido o spray dos carros”, conclui Isola.