18/05/19

Petrobras terá de pagar multa para rescindir com McLaren

A Petrobrás poderá ter de pagar uma pesada multa para rescindir o contrato com a McLaren, como pretende o governo brasileiro. A empresa tem um acordo de cinco anos com a equipe inglesa da Fórmula 1 e o rompimento desse compromisso menos de 18 meses depois de sua assinatura acarretará a cobrança de indenização por quebra de contrato.
A intenção de romper o contrato foi confirmada na sexta-feira à noite, no Twitter pelo presidente do país, Jair Bolsonaro.
“Em 2018 a Petrobrás assinou contrato de publicidade de R$ 782 milhões com a McLaren, válido por 5 anos. No momento, a empresa, por decisão do meu Governo, busca uma maneira de rescindir o contrato. Boa noite a todos! ”, escreveu.
Antes, o ministro brasileiro Osmar Terra já havia declarado que o que o negócio não vale o dinheiro da Petrobrás. “Não faz o menor sentido, é um absurdo, não vale a pena ter o pequeno nome no capacete”, disse o ministro da Cidadania do Brasil.
Procurada pela reportagem do Motorsport.com, a McLaren afirmou que “tais questões são comercialmente confidenciais e, portanto, não podem ser comentadas.”
No início de 2018, McLaren e Petrobras anunciaram acordo de patrocínio e parceria tecnológica. A marca da Petrobras apareceu pela primeira vez no carro como parte do acordo em 2018.
A McLaren passou a usar alguns dos lubrificantes da Petrobras para 2019 e, no início deste ano, indicou que os outros produtos da empresa estariam disponíveis em breve para uso em sua MCL34, da Renault.
Recentemente, foi anunciado pelo governo federal o Plano de Resiliência, com cortes de patrocínio a eventos esportivos e culturais. Uma das mudanças foi o fim da parceria da Petrobras com a Seletiva de Kart, que levava o nome dela havia 20 anos.