13/02/19

W10 da Mercedes muda pouco; continua Flecha de Prata

A Mercedes apresentou hoje, pela internet, seu carro para a temporada de 2019 da Fórmula 1, o AMG F1 W10. Apesar dos repetidos ‘teasers’ de uma possível mudança de decoração, o layout é muito parecido com o dos anos anteriores e mantém o prateado tradicional, embora mais leve que o dos anos anteriores, com a parte traseira em um tom verde escuro. O número inicial no capô é levemente escovado e uma chuva de estrelas pequenas pode ser vista no cofre do motor. Imediatamente depois de publicadas as primeiras imagens, o carro foi para a pista, em Silverstone para os 100 km do ‘dia das filmagens’, ou o shakedown, feito por Valtteri Bottas.
Em contraste com os anos anteriores, nenhum jornalista ou fotógrafo externo esteve presente na apresentação do Mercedes AMG F1 W10. O material de imagens que o departamento de relações públicas distribuiu para a mídia foi pré-selecionado. Por isso, não se pode descartar que o novo Silver Arrow tenha algum truque especial a bordo. Só mais tarde eles tiraram fotos reais de ação, quando Valtteri Bottas completou o shakedown em Silverstone. Claro, essas imagens foram cuidadosamente selecionadas para não revelar muitos segredos.
Novamente, o departamento de aerodinâmica de Brackley cria uma tendência, com uma frente que faz com que se pareça com os outros monopostos de uma época passada. Na primeira vista lateral, se nota um carro extremamente limpo na zona intermediária, embora seja uma imagem em 3D que não será a final. A impressão é que o monoposto também recebeu um trabalho de compactação na área da tampa do motor, com um corpo que lembra a Red Bull de 2018, e parece ainda mais longo entre os eixos do que seu irmão de 2018.
Há rumores de que a Mercedes tem trabalhado duro com os problemas de motor do ano passado e de ter encontrado 12CV adicionais na unidade de energia este ano, o que a coloca na vanguarda de potência, ao lado da Ferrari.
“A temporada de 2019 será um desafio totalmente novo para nós”, disse o chefe da equipe, Toto Wolff. “Os regulamentos mudaram fundamentalmente. Então tivemos que começar de novo e nos provar. Começamos a temporada com zero pontos e não levamos nada de leve. Qualquer time pode ser um candidato ao título e todos nós vemos isso como uma ameaça potencial “.
As primeiras imagens mostram que a Mercedes está aderindo ao conceito de sucesso com a distância entre eixos relativamente longa e um emprego moderado no chassi.
“Mantemos nosso conceito no que diz respeito à arquitetura básica do carro”, explica o diretor de tecnologia James Allison. “No entanto, tornamos todos os componentes mais enxutos e mais firmes, o que nos permite melhorar o desempenho aerodinâmico além dos limites físicos do que seria possível com o antigo design de 2018”.
Na suspensão dianteira, com os wishbones de alto ângulo, os engenheiros basearam-se no projeto Red Bull do ano passado. O nariz se alargou na altura do número inicial. As caixas laterais, com seus elementos de asa em forma de loop, são uma reminiscência da Ferrari antiga. A asa traseira, que agora está em apoio duplo, também é uma cópia de Maranello.

O trabalho na renovada Mercedes começou há 16 meses, antes do final da temporada de 2017. Há uma unidade de potência melhorada e o carro foi projetado em torno de novos regulamentos destinados a tornar a corrida mais próxima, reduzindo a interrupção causada à aerodinâmica de um carro após o outro.
“As mudanças na regulamentação são oportunidades e ameaças. Eles são uma oportunidade, porque todas as velhas suposições sobre o que você precisa ter para ser rápido são eliminadas e, se você for esperto e lidar com isso, você pode fazer melhor do que todas as outras equipes que estão enfrentando o desafio. Eles são uma ameaça, porque se você não for tão inteligente e não souber como aproveitar ao máximo esses novos regulamentos, certamente sofrerá na próxima temporada. Temos trabalhado arduamente na suspensão e características aerodinâmicas para entregar um carro que será muito mais gentil com seus pneus”, disse o diretor técnico James Allison.
Assim que ele fez seu carro conhecido, ele foi jogado na pista para seus primeiros quilômetros em um dia de filmagem em Silverstone. O objetivo deste dia é verificar se tudo está pronto para os testes de pré-temporada, que começam na próxima segunda-feira, 18 de fevereiro, no Circuito de Barcelona-Catalunha. Os alemães vão compartilhar a pista com a Red Bull, que também decidiu apresentar seu carro, hoje, com um dia de filmagem.

A Mercedes disse que optou por um motor totalmente novo para seu carro . A fabricante de carros alemã acredita que uma revisão era necessária para ajudar a impulsionar a performance de seu carro. O time confirmou que o carro será equipado com uma unidade de energia bem revisada.
Andy Cowell, chefe de operações do motor Mercedes na F1, disse: “fizemos alterações na arquitetura de resfriamento da unidade de potência, o que esperamos que forneça um benefício aerodinâmico ao carro e também forneça benefícios de eficiência à unidade de potência. Então, esperamos uma vitória no chassi e na unidade de potência”.

“Bem no coração da unidade de energia está a conversão de combustível em liberação de calor na câmara de combustão e o trabalho útil do virabrequim.”
“Nós demos passos na eficiência da combustão e no ERS. O casamento entre o conjunto do turbocompressor com o MGU-H, o inversor e o MGU-K agora é capaz de operar com mais eficiência e ajudar na implantação de energia.”
O foco na eficiência vem apesar de uma mudança nos regulamentos da F1 para 2019 que permite que as equipes andem com 5 kgs extras de combustível se necessário.
Cowell sugeriu que a Mercedes talvez não opte por encher os 110 kg do novo tanque por conta da desvantagem de peso resultante.
“Se você tem um motor eficiente com aerodinâmica eficiente e está preparado para economizar, então você tem a oportunidade de começar a corrida com menos de 110 kg. Para cada 5 kg de peso que você economiza, é cerca de 0s2 por volta mais rápido, então há uma recompensa natural em começar a corrida um pouco mais leve. Ainda há uma vantagem competitiva de se fazer um carro eficiente – tanto na potência quanto na aerodinâmica – e correr de forma inteligente para garantir que você tenha um bom ritmo no início da prova, assim como pela corrida também”, disse Cowell. (Com informações dos sites Auto Motor und Sport, soymotor.com motorsport.com e jornal Marca).