25/02/19

Na opinião do paddock, novas regras não vão mudar nada

O chefe de design da Red Bull, Adrian Newey, considera que as mudanças de regras feitas pela FIA para a próxima temporada de 2019 não mudaram nada na F1. Esse foi também o ponto de vista de muitos no paddock da F1, após os primeiros testes da pré-temporada em Barcelona.
A Red Bull Racing foi especialmente crítica em relação às mudanças, que teve um custo de 15 milhões de euros, sem um impacto significativo.
“Você (o carro perseguidor) perde tanto quanto antes”, disse o chefe de design da Red Bull, Newey.
Andy Green, o chefe técnico da Racing Point, ecoou o pensamento do engenheiro da Red Bull: “Nós não construímos carros que tornam a condução mais fácil para o cara de trás. Nossa tarefa é fazer nossos carros o mais rápidos possível. E para fazer isso, o ar deve passar fora das rodas. Enquanto tivermos a chance de fazer isso, faremos isso.”
A Ferrari tem o carro novo mais rápido até agora, neste ano, mas Sebastian Vettel disse à Auto Motor und Sport que ficou preso depois de pegar o McLaren de Carlos Sainz na semana passada nos testes do Barcelona.
“Eu não tive chance de passar por ele. Eu nunca cheguei perto o suficiente”, disse Vettel.
“Há uma mudança de regras este ano, então os testes de inverno são um pouco confusos agora. Eu não acho que eles nos dão uma boa ideia de como será a primeira corrida, embora eu possa estar errado. Mas os testes podem ser enganosos”, disse Christian Horner, chefe de equipe da Red Bull.
De qualquer forma, Horner diz que a Red Bull está em melhor forma com a Honda, em comparação com os motores Renault de 2018.
“O que é certo é que agora temos mais potência do que no ano passado. O que não sabemos é o que a Ferrari, McLaren e Renault fizeram durante o inverno. Só teremos uma visão real da situação depois das primeiras três ou quatro corridas. Estamos tocando na madeira, porque no momento os sinais são bons”, afirmou Horner.
O chefe da Red Bull declarou também que é cedo demais para dizer que a Ferrari é a favorita definitiva em 2019, tendo feito um forte início de testes pré-temporada. A Ferrari também teve uma vantagem de ritmo significante no ano passado, mas a Mercedes venceu ambos os campeonatos, e Horner diz que a força dos carros vermelhos não significa nada no começo do ano.
“Se houvesse um campeonato mundial de inverno, a Ferrari ganharia todos os anos”, disse ele ao Marca. “Mas você não ganha pontos no inverno. Claramente eles chegaram aqui com um carro forte, mas estes não estão nem perto das temperaturas em que correremos.”

(não deixe de dar um clic num anúncio, por favor)