28/01/19

Liberty Media já estaria pensando em vender a Fórmula 1

De acordo com a publicação norte-americana de negócios da área de esporte johnwallstreet.com, a Liberty Media estaria pensando em vender os direitos administrativos da Fórmula 1, que comprou em setembro, ou pelo menos reduzir sua participação no negócio. Ainda de acordo com o site, Bernie Ecclestone poderia recomprar a categoria, “por uma fração” dos 8 bilhões de dólares que a empresa norte-americana pagou em 2016.
“Menos de três anos depois que a Liberty Global adquiriu a Fórmula 1, a empresa está explorando cenários que diminuiriam sua participação no circuito internacional de corridas. Tudo, desde uma saída até a introdução de novos parceiros na mesa. A Liberty não conseguiu adicionar corridas e / ou grandes patrocinadores, atrair fãs mais jovens ou gerar receitas digitais – questões que, coletivamente, indicam que o C-suite (funcionários de níveis superiores) está acima de suas cabeças e tomando direções erradas. Fique de olho no ex-dono Bernie Ecclestone, o magnata britânico de negócios que tem o capital, know-how e pode recuperar o ativo por uma fração dos US $ 8 bilhões que ele vendeu”, publicou o johnwallstreet.com.
De acordo com o escritório de mídia da Fórmula 1, é tudo bobagem, mas, para observadores, embora pareça que os novos proprietários da F1 estão lutando para chegar a um acordo sobre o que eles têm em mãos, e apesar de ter Ross Brawn em sua equipe, eles estão simplesmente indo em uma direção que está começando a ser questionada.
O sempre presente ‘fantasma’ de Bernie Ecclestone invariavelmente aparece, agitando o cenário (enquanto assiste os novos donos se atrapalharem) e através da mídia planta suas tradicionais ‘minas terrestres’ para manter Chase Carey e sua equipe sob pressão. Ecclestone seria a fonte da história através de suas ligações com a mídia e esse poderia ser um truque para desestabilizar a posição da Liberty durante esta fase crítica de negociações entre a FIA, Liberty e as principais equipes e fabricantes na véspera de 2021.
Recentemente, Ecclestone declarou ao jornal Blick: “Até agora, eu não vi uma única coisa que tenha feito sentido. Eles (Liberty) estão fazendo quase tudo errado”.
Horas depois da publicação, surgiram as primeiras reações nas redes sociais. Até o piloto brasileiro Lucas di Grassi disse, ironicamente, claro, que apresentará uma oferta pela F1.
“Vou fazer uma oferta para comprar a F1. Quer ajudar na “vaquinha””, ele publicou no Twitter.