31/01/19

Liberty e equipes discutem pontuação e formato dos GPs

A Liberty Media discute hoje, em Londres, com as equipes como mudar o sistema de pontuação e o formato dos fins de semana da F1 para a temporada de 2020.
Embora ainda não tenham chegado a um acordo sobre normas técnicas e medidas econômicas para 2021, os donos da F1 querem aproveitar cada temporada para modelar o esporte conforme o gosto dos fãs.
No ano passado, um dos temas em discussão era fazer que 15 pilotos ou todo o grid pontuassem em cada corrida. A proposta não foi adiante mas a Liberty quer voltar a debater o assunto para 2020, segundo informa o portal da web Race Fans. Um novo sistema de pontuação será aprovado se houver concordância de 70% dos votantes na reunião da Comissão da Fórmula 1 do próximo dia 30 d e abril.
Outra das possíveis mudanças para 2020 se refere ao formato do fim de semana, com a redução do tempo dos treinos livres, para reduzir ajudas a pilotos e equipes e tornar as corridas mais imprevisíveis. Também se estuda limitar o uso do dinamômetro, da simulação para desenvolvimento e antecipar o toque de recolher, para que não se possa trabalhar tanto nos carros nos fins de semana.
Uma outra grande reformulação da F1 poderá acontecer já em 2019, com nova estratégia de televisão, para mostrar melhor a velocidade dos carros na tela.
O chefe de TV e mídia do campeonato, Dean Locke, explicou que a F1 quer fazer com que a atual geração de carros de alta força descendente pareça mais “nervosa” para os telespectadores do que no passado.
“Há um grande impulso para 2019 para refletir a velocidade do esporte e o ritmo dos carros”, disse Locke à Autosport.
“Há um repensar de todas as posições da câmera Ângulos de câmera, ou lentes, podem trapacear bastante e fazê-los parecer não tão dramáticos e nem tão rápidos. Então, nós olhamos diferentes maneiras de fazer isso, alguns pequenos truques. Sempre fomos bons em fazer chicotes para mostrar a alta velocidade dos carros, fazendo com que eles parecessem um pouco mais ousados em alguns lugares. Houve algumas pistas no ano passado, no Japão, por exemplo, onde realmente destacamos onde esses carros são bons. O trabalho também está continuando sobre como transmitir o som do motor de F1, o que tem sido problemático desde que a era híbrida começou em 2014, de forma adequada. O áudio mudou drasticamente”, acrescentou Locke.
Em outro desenvolvimento de TV para 2019, a F1 fez parceria com a Amazon Web Services que permitirá adicionar mais elementos estratégicos aos seus gráficos na tela.
“Estamos fazendo muito trabalho com a AWS e seus recursos de aprendizado de máquina para explicar coisas como o corte/corte”, explicou Locke.
“Estamos usando a plataforma deles para nos fornecer os dados, as informações, para alguns gráficos. É uma ferramenta muito poderosa, e estamos apenas tocando nisso agora, o que podemos alcançar ou não conseguir. Temos gráficos que podem realmente explicar, ‘ele começou naqueles pneus, ele vai parar então’. Estamos usando todos os dados de sexta e sábado para criar o algoritmo do que achamos que acontecerá. Se pudermos explicar isso de maneira simples e fácil de ler, será uma grande vitória”.