24/04/19

Honda já vai usar o segundo motor no GP do Azerbaijão

A Honda vai estrear seu segundo motor da temporada nos dois Red Bull e Toro Rosso em Baku, depois de descobrir um problema de controle de qualidade na unidade de energia de Daniil Kvyat. Além de garantir a confiabilidade, com 20 cavalos de potência extra.
“Este fim de semana vamos apresentar a segunda especificação do nosso motor de combustão interna em nossos quatro carros”, disse o diretor técnico da Honda, Toyoharu Tanabe.
“Uma das razões é que descobrimos que o problema na unidade de energia da China era devido a uma questão de controle de qualidade. Os principais benefícios dessa segunda especificação são que melhoraram a durabilidade, a vida útil e a confiabilidade e também significam uma leve melhora no desempenho”, acrescentou Tanabe.
A Kvyat e a Albon já colocaram novos componentes em seus motores na China. No caso do russo, por um problema depois da primeira sessão de treinos. Alex, após seu acidente no terceiro treino livre, também montou uma nova unidade de energia.
Essas mudanças colocam Kvyat e Albon perto das penalidades de grid. As próximas mudanças de elementos serão punidas.
Ao longo de uma temporada de 21 corridas, os pilotos só podem usar três motores de combustão, turbocompressores e MGU-Hs e dois da MGU-K, Energy Store e Control Electronics.
Além da introdução dessa atualização para resolver o problema de qualidade, é lógico que a Honda selecione Baku para fazer essa estreia, pois esse é um circuito em que a potência é de grande importância.
“A quarta prova do Campeonato é realizada no circuito de rua mais rápido calendário. As principais características da pista em Baku são a reta principal, que tem mais de 2 km de comprimento e suas muitas curvas 90 graus, um circuito de rua típico. Do ponto de vista da unidade de energia, a longa reta faz do gerenciamento de energia um fator importante e vamos usar o que aprendemos aqui no ano passado para melhorar nossa configuração”, disse o executivo da Honda.
A troca de motor logo na 4ª corrida do campeonato tem uma vantagem e uma desvantagem. O lado positivo é que a Red Bull e a Toro Rosso provavelmente serão mais confiáveis e verão uma “leve melhora” no desempenho do motor; a desvantagem é que a mudança para um segundo motor no início da temporada significa que as duas equipes provavelmente vão ter penalidades de grid no final do ano. A atualização certamente ajudará os carros a serem mais competitivos no rápido circuito de Baku, mas os fabricantes rivais darão um passo à frente em um mês ou mais – provavelmente no Canadá – aonde levarão suas segundas unidades de energia – se tudo correr bem. Os motores de hoje são projetados para sobreviver por sete corridas, mas agora serão obrigados a durar nove, para que as equipes evitem penalidades.
(Fontes motorsportweek.com, soymotor.com)