18/01/19

Honda espera iniciar nova temporada na frente da Renault

A Honda admite a superioridade da Mercedes e da Ferrari para se adaptar ás novas regras, mas espera começar o campeonato de 2019 na frente da Renault, como a terceira força em unidade de potência.
A fabricante japonesa tem sido a quarta melhor fabricante desde que retornou ao grid da F1, em 2015, já sob as atuais regras V6 turbo híbridas, teve dificuldade para progredir com a McLaren, mas no ano passado deu um forte passo à frente com a Toro Rosso ao ponto de convencer a Red Bull a utilizar seus motores em 2019.
Questionado onde a Honda poderia iniciar 2019, levando em conta o desenvolvimento de 2018, o diretor esportivo da fabricante, Masashi Yamamoto, disse ao Motorsport.com:
“Faremos um grande esforço durante o inverno, e agora é claro. Pelo menos gostaríamos de começar de terceiro dentro dos fabricantes, e tentar pegar os pioneiros durante a temporada. Nós não estamos realmente interessados em dizer um tempo específico, pois a Mercedes e a Ferrari têm muito conhecimento das áreas cinzas [das regras], e ainda estão à nossa frente. Mas depois de quatro anos de desenvolvimento e tentativas, achamos que agora estamos encontrando a direção certa para onde ir – muito mais clara do que no ano passado, ou dois anos atrás. Então, achamos que podemos acelerar o nosso desenvolvimento”.
Segundo Yamamoto, a Honda está otimista em obter mais ganhos de performance a tempo para o começo da temporada de 2019, mesmo que ainda tente melhorar sua confiabilidade. Mas nem a fábrica nem a Red Bull, que já afirmou publicamente esperar por punições no grid em 2019, acreditam em uma temporada sem falhas mecânicas.
A Honda introduziu duas novidades no motor em 2018, sendo que ambas resultaram em melhor performance – mas a segunda também teve custo de durabilidade, pois teve oscilações no câmbio. Pierre Gasly também sofreu um vazamento de óleo no fim da temporada, em Abu Dhabi.
A evolução do desenho do motor, com o qual a fábrica japonesa planeja iniciar 2019, não deverá repetir esses problemas, mas obedecerá ao mesmo conceito, pois encerrou 2018 com potencial.
“Para falar a verdade, ainda estamos aprendendo da última especificação na pista”, disse o diretor técnico da Honda na F1, Toyoharu Tanabe, ao Motorsport.com.
“Isso nem sempre é bom, mas é um pouco mais difícil entender tudo no dinamômetro. É por isso que estamos aqui, os engenheiros. Somos parte do desenvolvimento. Nós temos muitas coisas entre Sakura e aqui. Da última especificação, temos muita coisa para comunicar até o desenvolvimento.”