03/02/19

A F1 tem 10 recordes que podem ser quebrados em 2019

No ano passado, Lewis Hamilton foi o primeiro piloto a marcar 400 pontos numa única temporada e Kimi Raikkonen fez a volta mais rápida da história. Mas a Fórmula 1 tem vários outros recordes ainda em vigor e que podem ser quebrados durante a temporada de 2019, embora alguns deles sejam praticamente impossíveis. O jornal espanhol Marca selecionou os 10 que considera mais curiosos e representativos.
1 – Corridas lideradas e vitórias – Segundo o jornal, este recorde só pode ser quebrado por Lewis Hamilton, que busca superar a marca de 91 vitórias de Michael Schumacher, mas para isso precisaria vencer 18 das 21 provas da temporada, o que seria verdadeiramente histórico
2 – Sem pole e sem recorde – Johnny Herbert e Martin Brundle compartilham a marca de 165 corridas sem sair na pole em nenhuma, embora tenham vencido algumas. Essa a marca pode ser batida por Checo Perez, que já tem 158 GPs e não tem pole. Romain Grosjean também superará o recorde, se não fizer a pole nas 21 provas do ano. Outro que pode perder seu recorde, lembra o jornal, é Kimi Raikkonen, que conquistou em Monza, no ano passado a pole mais veloz da história, com 1m19s119. Como aumento de velocidade dos carros que se espera para este ano, a não ser uma chuva inesperada, pode-se esperar que a o recorde seja batido de novo.
3 – A pole mais jovem – Sebastian Vettel escapou de perder sua pole mais jovem, obtida em Monza, com a Toro Rosso, em 2008, aos 21 anos e 72 dias. Max Verstappen esteve perto, mas não conseguiu superá-lo desde que estreou e este ano só Lando Norris, Lance Stroll e George Russel (este nas 3 primeiras corridas) podem superar o alemão.
4 – O título mais jovem – Esse é outro recorde que Vettel mantém, desde que ganhou em Abu Dhabi, em 2010, aos 23 anos e 134 dias. Só Verstappen e Charles Leclerc podem superá-lo, pois vão terminar o ano com 22 anos.
5 – O pódio mais jovem – Essa marca de pódio com idades combinadas já tem 10 anos, desde quando Vettel obteve, em Monza, sua primeira vitória com a Toro Rosso e dividiu o pódio com Robert Kubica e Heikki Kovalainen. A média de então, 23 anos, 11 meses e 16 dias, pode cair, dada a renovação do grid neste ano. Carlos Sainz (24), George Russel (20) e Lando Norris (19) poderiam formar o trio vencedor, embora, por carro, diz Marca, parece mais fácil uma combinação Leclerc (21), Gasly (23) e Verstappen (21).
6 – Pontuação em Grande Prêmio – Esse é outro recorde de Michael Schumacher, que se aposentou com pontuação em 221 das 306 corridas em que competiu. Só Kimi Raikkonen pode superá-lo nesta temporada, se entrar entre os 10 primeiros, pela Alfa Romeo, em 18 das 21 corridas.
7 – Mais pontos sem ser campeão – Daniel Ricciardo e Valtteri Bottas dividem o prestígio de serem os recordistas de pontos sem campeonato. O australiano está mais perto, a 182 pontos dos 1.167 de Felipe Massa, mas Bottas, a 205 pontos, talvez chegue antes.

8 – O ganhador mais jovem da Ferrari – Talvez um dos recordes que Marca considera mais chamativos e curiosos estará ao alcance de Charles Leclerc. O ganhador mais jovem vestido de vermelho continua sendo Jacky Ickx, que venceu com 23 anos, em 1968, sob chuva, o Grande Prêmio da França. .
9 – Títulos consecutivos de construtores – A recordista continua sendo a Ferrari da era Schumacher, ente 1999 e 2004, com seis campeonatos seguidos. Só a Mercedes a pode igualar este ano, pois na era híbrida, que começou em 2014, ganhou cinco consecutivos.
10 – A maior distância entre pódios – O recorde atual é de Alexander Wurz, que entre um pódio e outro, de 1997 a 2005, levou 7 anos, 9 meses e 11 dias. Essa marca pode ser superada por Robert Kubica, que volta ao volante da Williams. A façanha seria dupla e levaria o recorde para os 9 anos, pois o último pódio do polonês foi em 2010.