30/04/19

Barcelona nega notícia sobre saída do calendário em 2020

Segundo o site soymotor.net, o Circuito de Barcelona-Catalunha confirmou que ainda tem o apoio institucional da Câmara Municipal de Barcelona e esclareceu que não há prazo para garantir sua continuidade no calendário da Fórmula 1 a partir de 2020. A informação desmente versões divulgadas por vários sites, a partir de notícia veiculada pela Autosport, segundo as quais o GP da Espanha seria substituído pelo GP da Holanda, em Zandvoort, ainda conforme o site espanhol, Montemeló nega que o próximo dia 12 de maio, data da prova deste ano, seja o último prazo para fechar um acordo com a F1, como se comentou no paddock durante o GP do Azerbaijão.
O porta-voz do circuito esclareceu que em nenhum momento receberam comunicação oficial sobre a retirada do subsídio da cidade de Barcelona, que em 2019 é de 1,5 milhões de euros. O circuito considera, portanto, que mantém o apoio do governo catalão, que é indispensável para a manutenção do Grande Prêmio e das instalações. A contribuição da prefeitura, porém, é menor do que a da Generalitat da Catalunya, que em março deste ano convidou Chase Carey para discutir o futuro do evento.
O Circuito da Catalunha recebe o Grande Prémio de Espanha de forma ininterrupta desde a temporada de 1991 e o seu contrato atual, negociado com Bernie Ecclestone, remonta a 2015 e expira com a edição de 2019, apesar de ambas as partes terem se reunido desde 2018, para discutir sua continuidade.
Em dezembro de 2018, o presidente do Circuito afirmou que todas as partes já estavam olhando para o futuro.
“Estamos todos trabalhando na direção que você pode imaginar. Temos trabalhado muitos anos e vamos continuar a trabalhar para que não sejam 28 corridas, mas 31, 32 ou sejam lá quantas”, garantiu Vicenç Aguilera, presidente do circuito, em encontro com a imprensa.
Chase Carey também repetidamente manifestou sua intenção em estabelecer um relacionamento de longo prazo com Barcelona, embora o obstáculo das negociações ainda tivesse que ser superado.
“Nosso objetivo é um acordo com o Barcelona”, explicou em maio de 2018. “Queremos estar em Barcelona a longo prazo, temos trabalho a fazer, mas nosso objetivo é estar aqui para sempre. Muito em breve vamos começar a ver se podemos encontrar um caminho que nos favoreça, estar aqui a longo prazo é o objetivo, Barcelona é um evento muito importante para nós e uma aliança muito valiosa.”
Segundo a imprensa inglesa uma fonte experiente afirmou que o promotor do circuito de Zandvoort e a Fórmula 1 chegaram a um acordo para entrar na no calendário no próximo ano, embora o contrato não tenha sido assinado. O sucesso emergente de Max Verstappen e o aumento dos torcedores do piloto holandês da Red Bull despertaram essa ideia, com as consequentes abordagens da FIA para a rota de realizar várias inspeções de segurança.
A informação, agora desmentida da perda de apoio do governo pelo Circuito de Barcelona-Catalunha, levou à suposição de que o circuito espanhol seria substituído por Zandvoort.
O Automobile Club d’Italia confirmou que chegou a um acordo com a Fórmula 1 para manter até 2024 o Grande Prêmio da Itália em Monza, que realiza a prova desde 1980, quando o circuito foi renovado.
O contrato atual de Monza expirará no final do ano em curso, depois que um acordo de curto prazo foi acordado com os antecessores da Liberty Media, proprietários da Fórmula 1, em 2016.
A ACI expressou repetidamente o desejo de manter o evento em Monza, sob melhores condições financeiras, e na terça-feira confirmou que um “acordo geral” entre as respectivas partes foi acordado.
“A ACI e a Fórmula 1 chegaram a um acordo geral sobre os aspectos econômicos do contrato de colaboração para o Grande Prêmio da Itália, em Monza, para o próximo período de cinco anos, de 2020 a 2024”, dizia um comunicado divulgado à Motorsport Week.
“O Conselho Geral do Automóvel Clube da Itália deu um mandato ao presidente Angelo Sticchi Damiani para continuar a negociação com a Fórmula 1 sobre todos os aspectos técnicos e comerciais relacionados à parceria, a fim de alcançar, em um curto espaço de tempo, assinar o contrato e tornar a colaboração totalmente operacional. ”
Já a direção do circuito de Silverstone nega que tenha chegado a um acordo com a Fórmula 1 para garantir a continuidade do Grande Prêmio da Inglaterra até a temporada de 2022. A Grã-Bretanha é um dos Grandes Prêmios cuja continuidade está em perigo além deste ano. Embora Silverstone tivesse originalmente assinado um contrato até 2026, dois anos atrás eles ativaram a cláusula de rescisão contemplada naquele documento porque o evento não era mais economicamente viável.
Por outro lado, há rumores de que a Liberty quer realizar um segundo Grande Prêmio da Inglaterra em Londres, na área de Docklands, a partir de 2021, no mesmo lugar onde Formula E vai promover uma prova em 2020.