06/03/19

Alonso reafirma que, numa equipe vencedora, pode voltar

Fernando Alonso voltou a admitir que poderá retornar a à Fórmula 1 se tiver oportunidade de dirigir por uma equipe vencedora. A confissão, agora revelada, teria sido feita a Rubens Barrichello, durante as últimas 24 horas de Daytona.
Claramente desiludido com a vida no meio do pelotão, o bicampeão desistiu da F1 no final de 2018 e enfrentará Le Mans e a Indy 500 este ano. Mas a imprensa espanhola cita o piloto de 37 anos dizendo que um retorno à F1 com uma equipe vencedora seria tentador
“Você sempre sentirá falta da Fórmula 1 porque são os carros mais rápidos do planeta. Se você tiver a oportunidade de chegar a uma equipe de ponta, chance de ganhar, sempre vai dizer ‘sim’ porque F1 é F1”, reconheceu Alonso.
“Indianápolis é a prioridade este ano. Vou fazer as corridas da WEC que faltam, Le Mans novamente, mas minha cabeça está em Indianapolis, em tentar ganhar essa corrida. Eu sei que é a mais difícil da Tríplice Coroa porque cresci na F1, onde, se você tem um bom carro que você pode ganhar o campeonato. Em Le Mans, com a Toyota este ano tivemos uma boa chance de ganhar, porque tínhamos um carro melhor, mas Indianapolis é difícil “, acrescentou.
Alonso assume que a Tríplice Coroa inclui o Campeonato Mundial de F1 (como o próprio Graham Hill afirmou) e não apenas o GP de Mônaco.
Em agosto do ano passado, Alonso afirmou que deixaria a principal categoria do automobilismo por não ver mais “emoção”. O bicampeão mundial destacou que a falta de competitividade na F1 influenciou sua decisão. No entanto, em entrevista ao jornal italiano “Corriere della Sera”, deixou as portas abertas para voltar à Fórmula 1 na temporada de 2020. Seu principal objetivo seria conquistar o terceiro título mundial, independente da escuderia.
“Eu sempre disse ‘até logo’. Agora enfrento outro desafio com as ferramentas adequadas. Não tenho nenhum plano para 2020. Obviamente, ganhar o terceiro título mundial seria a maior alegria”, disse Alonso.
O piloto espanhol utilizou até o alemão Michael Schumacher como exemplo, ao ser perguntado se a idade influenciaria em um possível retorno para a F1.
“Michael Schumacher correu até os 43 anos. Se você se sente forte, não olha para a data de validade. Você simplesmente corre, até que se dá conta de que alguém é mais forte do que você. Isso pode ocorrer aos 25 anos ou aos 48. A idade não tem nada a ver”, afirmou Alonso.