Publicidade

Provas

24 Hour Le MansLE MANS – As primeiras 24 horas de Le Mans aconteceram entre os dias 26 e 27 de maio de 1923, por iniciativa do Automóvel Clube do Oeste, na França , e logo tornou-se uma das mais importantes provas automobilísticas. As três primeiras edições foram, na verdade, partes de uma só corrida.  Isto porque , no início,  cada disputa da Le Mans servia como uma etapa de qualificação para a corrida do ano seguinte. Depois de três anos chegava-se ao vencedor da copa trienal Rudge Whithworth.  A equipe campeã seria a que conseguisse a melhor soma de resultados depois da terceira edição da prova, em 1925.

Por causa do complicado regulamento, as provas de 1923, 24 e 25 não tiveram vencedor absoluto. Mas sim dois vencedores, um com base nos resultados dos três anos e outro referente a 1924 e 25.

Em 1926 os organizadores passaram a dar mais importância ao carro vencedor da edição anual, mas foi somente em 1928 que foi estabelecido um critério de classificação com base no número absoluto de  quilômetros percorridos durante as 24 horas de corrida.

O regulamento da Le Mans sempre foi rigoroso , mas mudou bastante ao longo dos anos. Em 1950 houve três classificações oficiais: baseadas na distância, no índice de desempenho e no rendimento energético, que era uma relação entre a velocidade média, consumo de combustível e peso do veículo. Em 1972 foi retirado do regulamento a classificação por índice de desempenho.

Durante muitos anos o circuito de Sarthe, onde era disputada a prova, serviu  como campo de teste de várias fábricas e projetistas como os carros Adler, os Bugatti , os Jaguar e os Porsche. E foi em 1975 que pela primeira vez, desde a criação do Campeonato Mundial de Marcas, em 1953, as 24 horas de Le Mans não contaram pontos para aquela competição.

millemiglia_bigMille Miglia – A falta de interesse em corridas de automóveis na Itália de 1926 levou quatro italianos a criar uma nova competição para chamar a atenção para o esporte. Renzo Castagneto, Giuseppe Mazzotti, Ajmo Maggi e Giovanni Canestrini elaboraram um percurso partindo de Bréscia, na Lombardia, indo até Roma e voltando para o ponto de partida. No total seriam percorridos 1600 km. Mazzotti deu o nome à competição: Mille Miglia, mil milhas que correspondiam aos 1600 km.

Logo a Mille Miglia tornou-se tradição italiana e ganhou muita popularidade. A prova também estimulou a melhoria das condições das estradas. Isto porque a competição era disputada nas ruas em péssimas condições e mesmo assim os pilotos, como o lendário Tazio Nuvolari, conseguiram ultrapassar, pela primeira vez em 1930, a barreira dos 100 km por hora.

A primeira Mille Miglia foi disputada em março de 1927 por 77 carros dirigidos por dois pilotos cada um. As partidas começaram às 8 horas da manhã e terminaram uma hora e meia depois. Primeiro largaram os carros de grande cilindrada e, a seguir, os de pequena. Os vencedores  foram os pilotos  Nando Minoia e Giuseppe Morandi que chegaram a Bréscia depois de mais de 20 horas de corrida.

Em princípio, a Mille Miglia teria apenas uma edição, mas o entusiasmo foi tão grande que um ano depois foi disputada a segunda prova tendo como carros favoritos os Alfa Romeo, Bugatti e Lancia.

Entre os pilotos, alguns conhecidos, como Tazio Nuvolari e Achille Varzi, participaram da Mille Miglia e protagonizaram disputas de grande emoção para os italianos da época. Na quarta edição da prova, Varzi e Nuvolari deixaram os espectadores eletrizados pela disputa palmo a palmo. Foi quando Nuvolari atingiu a média de 100 km por hora e venceu a prova.

Também disputaram a Mille Miglia nos anos seguintes pilotos como Carlo Pintacuda, “Nino”Farina, que seria o primeiro vencedor de um Campeonato Mundial de Fórmula I, e Rudolf Caracciola.  Carros da Alfa Romeo, Ferrari e Mercedes destacaram-se também nesta prova.

A competição teve edições anuais até 1940 quando foi interrompida pela II Guerra. Uma nova Mille Miglia voltou a ser disputada em 1947, no mesmo percurso Bréscia-Roma-Bréscia . Em  1957, por causa de um sério acidente, no qual  morreram um piloto da Ferrari, Alfonso de Portago, e dez espectadores, a prova foi proibida pelas autoridades italianas.

indianapolis_1909500 Milhas – O circuito de Indianápolis foi inaugurado em agosto de 1909 com três dias de competições. Nos primeiros anos de existência foram realizadas apenas provas curtas. Foi quando o proprietário do autódromo, Carl Fisher decidiu que ali só aconteceria uma grande prova anual, as 500 Milhas.

As 500 Milhas de Indianápolis foram disputadas pela primeira vez em 1911 com a participação de 40 pilotos e com mais de 80 mil espectadores. Era e até hoje é uma corrida de velocidade disputada anualmente. Nos treinos de classificação apenas 33 pilotos são habilitados para uma prova de 200 voltas em sentido anti-horário que somam um total de 804,600 km.

Entre outros pontos do regulamento estão a presença de um carro-madrinha e a suspensão da prova quando ocorre um acidente grave ou em dias de muita chuva.

O primeiro piloto a vencer uma prova das 500 Milhas foi  Ray Harroun, pilotando um Marmon Wasp, com uma média de 120 km por hora. Em 1913 é registrada a vitória do primeiro piloto europeu: Jules Goux, com um Peugeot. Goux deu início a um breve período de vitória de pilotos europeus que durou até 1920.

Durante os primeiros 30 anos de competição, as 500 Milhas de Indianápolis foram importantes para a criação de um novo tipo de carro de corrida. O limite máximo de cilindradas sofreu diversas modificações ao longo dos anos e regulamentos restringiram o consumo de óleo. Logo depois do fim da II Guerra Mundal, em 1946, as 500 Milhas voltaram a ser disputadas e vários pilotos importantes e conhecidos no mundo automobilístico da época,  como Achille Varzi, Caracciola e Villoresi participaram da competição, sem contudo, obter bons resultados. Os carros e pilotos norte-americanos dominavam a prova.

Subida – Corrida em subida ou subida em montanha é uma competição de velocidade em estrada. Normalmente acontecia em trechos de estradas montanhosas abertos ao tráfego. Era uma corrida rápida mas difícil pelo desnível entre o ponto de partida e o de chegada. As primeiras corridas deste tipo aconteceram ainda no começo do automobilismo. Nessa época, a simples subida em montanha constituía um grande desafio para os pilotos. Este tipo de competição servia, principalmente, para testar a capacidade do carro em escalar estradas de montanha. Quando os carros tornaram-se capazes de vencer as mais acentuadas inclinações das estradas montanhosas introduziu-se o conceito de velocidade de subida.

Na corrida em subida os pilotos partem separados e não em grupos. Pela cronometragem, registra-se o tempo em que cada participante gasta para finalizar o percurso vencendo o piloto que termina a prova mais rápido.

Entre as mais antigas corridas em subida da Europa estão a Nice- La Turbie, de 17 km, vencida por Pierre Levegh, a Madonna del Pillone- Pilo Turinese, de 5 km e desnível de 250 m vencida por Carlo Biscaretti, ambas em 1900. Depois vieram as de Monte Ventoux, Sassi-Superga, Susa- Moncenisio e Copa do Consumo, em 1902.

As corridas em subida ganharam força depois da I Guerra Mundial. Os percursos difíceis das estradas de montanha impunham médias baixas e os riscos eram menores. Ofereciam, assim, maior segurança principalmente por que eram disputadas individualmente e não em grupos.

Em 1932 começou o Campeonato Europeu da Montanha, disputado até 1935 e  retomado em 1957 chegando ao seu auge na década de 60. Por causa da dificuldade de organização e a falta de segurança para o público e para os pilotos a realização do Campeonato Europeu da Montanha deixou de despertar interesse.

Entre as corridas de subida mais importantes estão a Trento-Bondone e a de Monte Pelegrino, na Itália, a de Monte Ventoux, na França, a de Monteseny, na Espanha, a Friburgo-Schauinsland e a de Rossfeld, na Alemanha, a Saint Ursanne – Les Rangoers e a Ollon-Villiers, na Suiça, a de Shelsey-Walsh, na Inglaterra e a Pikes Peak, nos Estados Unidos. Um dos pilotos mais importantes desta categoria, o italiano Mario Tadine, ficou conhecido como “rei da montanha” por vencer várias provas de subida com carros da Alfa Romeo.